🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
OLHO POR OLHO

A hora da revanche da BYD chegou? China não deixa barato e parte pra cima da Europa na guerra dos elétricos

Em uma reunião a portas fechadas, as fabricantes chinesas pedem que o governo responda com vigor às tarifas impostas pela Europa e incendeia ainda mais a guerra comercial

Carolina Gama
20 de junho de 2024
18:48 - atualizado às 8:41
Bandeira da China com chamas por cima
Imagem: Imagem: Montagem | Gabriela Lima

EUA e Europa estão travando uma verdadeira batalha contra a entrada dos carros elétricos chineses em seus mercados — o temor é de que os veículos completos e a preços mais baixos acabem com a indústria automotiva local. Só que a China não vai deixar barato e correr para defender fabricantes como a BYD.

Em uma reunião a portas fechadas, organizada pelo Ministério do Comércio chinês, as fabricantes exigiram de Pequim a imposição de tarifas de 25% se a União Europeia (UE) adotar impostos mais pesados sobre os carros da China. A medida teria como alvo os automóveis da UE com grandes motores a gasolina.

“Sugere-se que, dentro dos limites permitidos pelas regras da Organização Mundial do Comércio, seja imposta uma tarifa provisória mais elevada aos veículos a gasolina de grande cilindrada importados da Europa”, diz a imprensa estatal chinesa. 

O pedido seria uma revanche: na semana passada, o bloco europeu ameaçou as fabricantes chinesas de veículos elétricos com tarifas de até 38% a partir de 4 de julho.

Europa na caça aos elétricos Made in China

A Comissão Europeia, braço executivo da UE, anunciou na semana passada que tinha concluído provisoriamente que as fabricantes chinesas de carros elétricos como a BYD enfrentarão tarifas “caso as discussões com as autoridades do país não conduzam a uma solução eficaz”.

As empresas que colaboraram com a investigação, lançada em outubro, enfrentarão uma taxa média de 21%, enquanto aquelas que não o fizeram poderão enfrentar um imposto de 38,1%.

Vale lembrar que essas cobranças se somariam à atual tarifa de 10% cobrada sobre todos os carros elétricos produzidos na China.

  • VEJA TAMBÉM - DIREITA OU ESQUERDA? TABATA AMARAL FALA SOBRE OS PLANOS PARA CIDADE DE SÃO PAULO

EUA tenta frear os chineses

As medidas da UE surgem depois de os EUA terem decidido aumentar as tarifas sobre os carros elétricos chineses de 25% para 100% no mês passado.

O aumento dos impostos sobre os elétricos faz parte de uma taxação pesada sobre as importações chinesas, que somam US$ 18 bilhões. Na ocasião, a Casa Branca disse que o tarifaço é necessário para proteger as indústrias norte-americanas do que chamou de concorrência desleal. 

Além dos veículos elétricos, foram anunciadas tarifas maiores às importações de aço e alumínio chineses, semicondutores antigos, componentes de baterias, minerais críticos, células solares, guindastes e produtos médicos.

China defende a BYD e outras fabricantes

O governo chinês denunciou as decisões como protecionismo e desde então começou a tomar medidas retaliatórias — a exemplo de uma investigação sobre as importações de produtos suínos europeus e uma possível investigação sobre químicos da UE e dos EUA. 

Nesta quinta-feira (20), o Ministério do Comércio da China voltou a criticar as tarifas impostas pelos EUA, pedindo a remoção das restrições que afetam empresas como a BYD.

"O lado dos EUA ignora as regras da Organização Mundial do Comércio, insiste em reter e aumentar as tarifas sob a Seção 301, além de politizar e transformar questões econômicas em armas", disse o porta-voz do ministério chinês, He Yadong, em coletiva de imprensa. "Os EUA devem corrigir imediatamente seu erro."

O Ministério do Comércio da China classificou a ação como “exemplo típico de manipulação política” e afirmou que as medidas contrariam o consenso alcançado durante conversas entre o presidente chinês, Xi Jinping, e o presidente norte-americano, Joe Biden.

*Com informações da BBC

Compartilhe

CABO DE GUERRA

A disputa pelo fundo do mar: a próxima fronteira da briga tecnológica entre EUA e China

16 de julho de 2024 - 20:00

Projetados para transportar conexões de dados e telecomunicações entre continentes, os cabos submarinos se tornaram uma nova fonte para conflitos geopolíticos

ELEIÇÕES NOS EUA

Lula sobre Trump: “Vai tentar tirar proveito”. A declaração do petista sobre a campanha nos EUA após o tiro em comício

16 de julho de 2024 - 19:57

Nas primeiras entrevistas após o atentado, o agora candidato republicano à presidência disse que foi salvo “por sorte ou por Deus”

Grandes demais para quebrar

Bancões americanos ganham mais com área de investimento e gestão de ativos do que com juros

16 de julho de 2024 - 15:04

BofA teve queda na receita com juros de 3%, enquanto o Morgan Stanley amargou redução de 17% nesse item

TÁ CHEGANDO A HORA

Toda unanimidade é burra? Mercado passa a ver 100% de chance de corte de juros nos EUA em setembro

16 de julho de 2024 - 14:38

Há um mês, as probabilidades de que os juros fossem reduzidos em setembro eram de cerca de 70%; entenda o que mudou de lá para cá e entenda se a redução ds juros está mesmo garantida

ELEIÇÕES NOS EUA

Depois do tiro: Trump leva os votos do Partido Republicano e é o candidato oficial — ele também escolhe o vice. Saiba quem é J.D. Vance

15 de julho de 2024 - 18:42

A escolha de Trump representa um salto na carreira de Vance, de 39 anos, que ingressou no Senado como um político recém-chegado há menos de dois anos; saiba o que ele pensa e defende

Eleições nos EUA

Trump (quase) eleito nos EUA após atentado? Como fica o mercado caso o republicano volte ao poder

15 de julho de 2024 - 18:07

Trump leva a Presidência e os republicanos levarão o Congresso e o Senado. Será a Red Wave. Nunca é favorável quando um dos partidos vence as 3 casas pela falta de negociação de acordos

LUZ NA CAMINHADA

A rua sem saída do Fed: o sinal mais claro de Powell até agora sobre o corte dos juros nos EUA

15 de julho de 2024 - 16:27

O presidente do banco central norte-americano participou de uma sessão de perguntas e respostas e deu mais pistas do que pode acontecer daqui para frente

ELEIÇÕES NOS EUA

Ações da Truth Social, a rede social de Donald Trump, disparam em Nova York após atentado

15 de julho de 2024 - 12:41

Papéi da companhia do candidato à presidência dos Estados Unidos saltaram antes da abertura dos mercados e operam em alta nesta segunda-feira

AVERSÃO AO RISCO NO RADAR

Dólar mais forte e juros longos mais altos? Como o mercado vai reagir ao atentado contra Trump

14 de julho de 2024 - 13:55

Mercado deve reagir a atentado contra Trump com aversão ao risco e temores fiscais com perspectiva de vitória do republicano

SEM ANTECEDENTES

O que se sabe até agora sobre o homem identificado como suspeito de atirar em Donald Trump

14 de julho de 2024 - 11:04

De acordo com FBI, o atentado contra Trump foi promovido por um jovem de 20 anos de idade que morava a cerca de uma hora de estrada do local do ataque

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar