🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
STOCK PICKERS

É possível ganhar dinheiro com ações durante crises — e três dos maiores investidores do Brasil revelam 15 apostas na bolsa brasileira

Batizados de “gênios do stock picking”, Camilo Marcantonio, Octavio Magalhães e Christian Faricelli abrem o jogo sobre como escolher bons ativos para lucrar na B3

Camille Lima
Camille Lima
5 de julho de 2024
8:03 - atualizado às 19:57
ações bolsa ibovespa
Imagem: Canva Pro / Montagem: Bruna Martins

A aversão ao risco ganhou lugar no coração de quem investe em ações no Brasil — especialmente diante do sobe e desce do Ibovespa nos últimos meses. Mas para três dos maiores investidores do País, é possível ganhar dinheiro com a bolsa brasileira mesmo durante crises. 

É um consenso entre Camilo Marcantonio, CIO da Charles River; Octavio Magalhães, diretor de investimentos da Guepardo; e Christian Faricelli, portfolio manager na Absolute Investimentos, que a B3 possui oportunidades aos investidores.

Porém, para os chamados gênios do “stock picking”, não basta ações baratas para lucrar com a bolsa. É preciso encontrar papéis de qualidade a preços atrativos — e é assim que eles conquistaram retornos expressivos com investimentos em renda variável.

O trio abriu o jogo sobre as maiores posições dos fundos das gestoras durante o Stock Picking Day, um evento online gratuito realizado pelo Market Makers, em parceria com o Money Times

Você confere as principais apostas dos gestores aqui!

As ações no portfólio da Guepardo

Um dos requisitos da Guepardo Investimentos para investir em ações é que a companhia tenha um modelo de negócio “fácil de entender e difícil de imitar.”

“É ter a disciplina de não comprar coisa cara, acima do target, e tentar não cair nas armadilhas de value trap, que são empresas descontadas do valor intrínseco, mas ruins”, afirmou.

Além disso, para Magalhães, existe outra qualidade para buscar em ações: empresas com acionistas controladores definidos.

“Empresa com dono é muito melhor do que corporation, mas desde que o dono também seja bom”, afirmou. “A gente gosta quando a empresa tem um líder de referência que seja bom, que entregue, que saiba alocar capital e fazer aquisição.”

De olho em tudo isso, a maior posição dos fundos da gestora é a Klabin (KLBN11), uma das maiores empresas de papel e celulose do Brasil.

Para Magalhães, a alta do dólar tem contribuído com a companhia — mas esse não é o principal motivo por trás do otimismo.

Na realidade, segundo o gestor, a Klabin aproveitou os últimos anos para fazer investimentos (capex) em novos projetos e agora colhe os frutos em volume e em Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

“As ações sofrem quando essas empresas estão em ciclo de investimento. Quando esse capex acaba, elas começam a colher os frutos. Os projetos estão sendo realizados com taxas internas de retorno (TIRs) maravilhosas e, quando começa a entrar fluxo de caixa, a ação deslancha. A Klabin vai andando por tranches”, disse o gestor.

Outra grande aposta da Guepardo na bolsa brasileira é a Allos (ALOS3), uma empresa muito barata, descontada e que está “alocando bem capital”, nas palavras do gestor. 

Para Magalhães, a ação atualmente negocia a múltiplos baixos em relação aos pares, considerando o portfólio de qualidade que possui.

A gestora ainda abocanhou uma fatia relevante na Vulcabrás (VULC3), dona da Mizuno e Olympikus, no follow-on da companhia realizado no início deste ano.

“A Vulcabrás é outro papel líder de mercado, desalavancado, com um e-commerce super azeitado, linha de produção impecável, fabricação, distribuição e logística com qualidade e tecnologia.”

Além disso, a companhia atualmente se encontra com uma geração muito forte de caixa — e deve distribuir novos dividendos polpudos aos acionistas.

As apostas da Charles River

Gestora independente com mais de R$ 2,8 bilhões sob administração, a Charles River aposta na tese do “value investing” para lucrar com ações.

“O value investing procura oportunidades onde a maioria não está vendo, mas isso é exceção, não é regra. Na regra, o grupo geralmente está certo”, afirmou Camilo Marcantonio.

Uma das maiores apostas da Charles River na bolsa brasileira é a BrasilAgro (AGRO3) — uma posição que a gestora já carrega há uma década.

“Na nossa visão, nunca o preço da ação encontrou o valor justo, então [AGRO3] esteve o tempo inteiro no nosso portfólio”, afirmou 

Outros quatro papéis que a gestora possui forte exposição são Tupy (TUPY3), Banco ABC Brasil (ABCB3), PetroRecôncavo (RECV3) e Ternium (TXSA34).

“A gente tem uma visão positiva da PetroRecôncavo por causa do track record mais consolidado operacionalmente entre essas junior oils [petroleiras juniores]; temos confiança no histórico operacional deles”, disse.

  • Você está preparado para ajustar sua carteira este mês? Descobrimos as principais recomendações dos analistas da Empiricus Research no novo episódio do “Onde Investir”; confira aqui 

Absolute abre sete ações que tem na carteira

Conhecida por ficar fora dos holofotes do mercado, mas brilhar na performance com ações, a Absolute Investimentos abriu as apostas no mercado brasileiro durante o bate-papo com o Market Makers. 

“A gente não acha que a bolsa está de graça, tem assimetrias boas, mas tem nuvem em cima”, afirmou Christian Faricelli.

É por isso que, ainda que a bolsa esteja “muito barata” no Brasil, o gestor afirma que a diversificação é importante para evitar a volatilidade do mercado doméstico. 

“No médio/longo prazo, a gente nunca sabe quando vai acertar, por isso, diversificar é uma boa forma de mitigar risco”, afirmou o gestor.

“O capital para investir não é infinito. É uma discussão quase que diária para entender onde o capital será mais bem alocado”, acrescentou.

Uma das estratégias da Absolute é não apenas encontrar empresas “muito boas” como também negócios que se contrabalanceiam.

É de olho nessa filosofia de investimentos que a gestora possui uma diversificação no setor de “regulados” — que incluem companhias de energia elétrica — e em shoppings.

Uma das apostas da Absolute no setor de energia é a Equatorial (EQTL3), considerada uma empresa “incrível” em termos de gestão, com grande assimetria e que deve gerar um valor “enorme” na Sabesp (SBSP3) como acionista de referência, segundo Faricelli. 

Outro papel na carteira é a Eletrobras (ELET3) — que os analistas avaliam como descontada na bolsa e com taxas internas de retorno (TIRs) “razoáveis”.

Já do lado de shoppings, o gestor afirma “gostar de todas” as empresas. “Allos (ALOS3) tem qualidade de portfólio ainda não precificada pelo mercado. Iguatemi (IGTI3) tem um dos melhores ativos do mundo. O valuation dessas empresas é muito razoável. São empresas boas que vão conseguir gerar acima da inflação no longo prazo.”

Por sua vez, em ações domésticas, Faricelli prefere apostar em “negócios muito bons e que continuem crescendo”, como as ações da Localiza (RENT3) e da Vivara (VIVA3) — em que é possível confiar no negócio apesar das nuvens que pairam sobre as companhias.

Outro setor que chama a atenção é o de saúde. Para o gestor, o segmento possui muitos pontos fortes em um horizonte longo de investimento e ficou barato após a pandemia do novo coronavírus.

“O ‘pós-covid’ foi muito duro para o setor, vários hospitais e planos de saúde estão sofrendo muito e precisam subir preço. A Rede D’or conseguiu passar por isso muito bem e o mercado vai seguir”, afirmou.

Para Faricelli, as estrelas se alinharam para a Rede D’Or (RDOR3): a companhia teve uma das melhores execuções do Brasil, está mais rentável e enfrenta uma competição fragilizada. 

Assista ao bate-papo completo no YouTube do Market Makers:

Compartilhe

FRIGORÍFICOS

Problemas para a BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3)? Brasil suspende exportações de carne de aves para 44 países — e a China é um deles

20 de julho de 2024 - 12:19

O Ministério da Agricultura decidiu voluntariamente paralisar as exportações de carnes de aves e seus produtos, com restrições que variam de acordo com os mercados

DÁ O PLAY!

Agora vai? Por que a bolsa brasileira despertou em julho e o que esperar das ações agora

20 de julho de 2024 - 11:00

Ibovespa já acumula alta de 3% em julho, depois de quase perder os 120 mil pontos no último mês; mas as ações finalmente vão decolar, ou será mais um voo de galinha?

BOLSA NA SEMANA

Por que as ações do Pão de Açúcar (PCAR3) desabaram 13% e lideraram as perdas do Ibovespa na semana — enquanto Usiminas (USIM5) subiu 5%?

20 de julho de 2024 - 9:22

As ações do Pão de Açúcar atraíram os holofotes dos investidores na semana após uma sangria na bolsa brasileira. Veja o que está por trás da queda dos papéis

PERSPECTIVAS PARA OS PROVENTOS

Com R$ 2 bilhões entrando no caixa, a Eletrobras (ELET3) vai distribuir mais dividendos? Veja o que diz o Goldman Sachs

19 de julho de 2024 - 19:46

O banco acredita que a oferta irá aumentar a liquidez da companhia e potencialmente abrir espaço para proventos mais elevados no futuro

RANKING DA QUANTUM

Os reis das ‘penny stocks’: Americanas (AMER3), Oi (OIBR3) e outras ações com a maior sequência de pregões no patamar de centavos

19 de julho de 2024 - 16:41

Um estudo da Quantum mostra que companhias que enfrentaram processos de recuperação judicial dominam o ranking de penny stocks

GESTÃO EXPLICA

Fundo imobiliário com mais de 150 mil cotistas anuncia os menores dividendos em mais de dois anos; por que os proventos do ALZR11 estão em queda?

19 de julho de 2024 - 13:07

O histórico de distribuições de 2024 mostra que os valores depositados pelo FII recuaram cerca de 11,2% desde janeiro

REAÇÃO DAS BOLSAS

Apagão cibernético: ação da CrowdStrike, empresa que causou a pane nos sistemas da Microsoft e derrubou serviços no mundo todo, despenca em NY

19 de julho de 2024 - 12:08

Vale relembrar que, mais cedo, uma atualização nos sistemas da CrowdStrike causou uma pane generalizada nos sistemas da Microsoft

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

DISPARADA DO CÂMBIO

Dólar bate os R$ 5,58 e fecha no maior patamar em duas semanas; confira o gatilho da alta de quase 2%

18 de julho de 2024 - 17:47

Mais cedo, o ministro da Fazenda disse ter recebido o sinal verde de Lula para avançar em estudos de corte no Orçamento, mas falas da ministra do Planejamento impulsionaram a moeda

OFERTA NA BOLSA

Fundo imobiliário VGIR11 anuncia emissão de até R$ 500 milhões e vai oferecer um ‘desconto’ nas cotas; confira os detalhes

18 de julho de 2024 - 14:59

O preço de emissão pago por quem decidir participar da operação, que é voltada a investidores no geral, será de R$ 9,85 por cada nova cota

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar