🔴 [TESTE GRÁTIS] 30 DIAS DE ACESSO A SÉRIE RENDA IMOBILIÁRIA – LIBERE AQUI

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa recua com pressão de bancos, mas sustenta os 129 mil pontos no fim da sessão; dólar tem leve alta

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
29 de fevereiro de 2024
7:13 - atualizado às 18:33

RESUMO DO DIA: O Ibovespa terminou a sessão desta quinta-feira (29) em queda, mas conseguiu sustentar o patamar de 129 mil pontos. 

Por aqui, a cautela com o rumo dos juros no Brasil e exterior pressionou as ações de bancos, que caíram em bloco na B3.

Com isso, o principal índice da bolsa brasileira fechou em baixa de 0,87%, aos 129.020 pontos. O dólar, por sua vez, registrou leve alta de 0,05% no mercado à vista, negociado a R$ 4,9725.

No campo das ações, os frigoríficos JBS (JBSS3) e Marfrig (MRFG3) avançaram, impulsionados pelo recuo no preço das commodities agrícolas, como os grãos de milho e soja.

Ainda na ponta positiva, os papéis mais cíclicos, como Petz (PETZ3) e Eztec (EZTC3), foram beneficiados pela queda dos juros futuros.

Já do lado negativo, o Pão de Açúcar (PCAR3) liderou as perdas, em uma realização dos lucros recentes da varejista na B3. A Ambev (ABEV3) também foi destaque de queda após o balanço do quarto trimestre de 2023.

No exterior, a divulgação da inflação nos Estados Unidos animou os investidores em Wall Street, levando as bolsas norte-americanas ao campo positivo no fim do pregão. 

O índice de preços para gastos pessoais (PCE, na sigla em inglês) subiu 2,4% em janeiro na comparação com o mesmo mês de 2023, em linha com as expectativas do mercado. No comparativo mensal, o avanço foi de 0,3%.

Vale lembrar que esse é o indicador preferido do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) para balizar as decisões de política monetária no país.

Confira o que movimentou os mercados nesta quinta-feira (29):

MAIORES ALTAS E QUEDAS DO PREGÃO

Confira as maiores altas do Ibovespa no pregão:

CÓDIGONOMEULTVAR
MRFG3Marfrig ONR$ 9,903,88%
JBSS3JBS ONR$ 23,062,72%
PETZ3Petz ONR$ 4,172,21%
CYRE3Cyrela ONR$ 24,052,08%
EMBR3Embraer ONR$ 24,432,05%

Veja as maiores quedas da bolsa brasileira na sessão:

CÓDIGONOMEULTVAR
PCAR3GPA ONR$ 4,06-7,94%
ABEV3Ambev ONR$ 12,58-6,47%
UGPA3Ultrapar ONR$ 29,36-3,86%
TIMS3Tim ONR$ 18,17-3,61%
HYPE3Hypera ONR$ 32,88-3,41%
FECHAMENTO DO IBOVESPA

O Ibovespa terminou o pregão desta quinta-feira (29) em queda de 0,87%, aos 129.020 pontos.

O principal índice de ações da B3 foi impactado majoritariamente pelo recuo das ações do setor financeiro.

Os bancos caíram em bloco após a publicação dos dados recentes inflação nos Estados Unidos reforçar os temores de que um adiamento do corte das taxas pelo Federal Reserve por lá afete a Selic terminal por aqui.

FECHAMENTO DE WALL STREET

As bolsas de valores de Wall Street fecharam a sessão desta quinta-feira (29) em alta após a inflação nos Estados Unidos vir em linha com o esperado pelo mercado.

O índice de preços de gastos com consumo (PCE) subiu 2,4% em janeiro na comparação com o mesmo mês de 2023. No comparativo mensal, o avanço foi de 0,3%.

Confira como os índices de Nova York encerraram hoje:

  • Dow Jones: +0,12%
  • Nasdaq: +0,90%
  • S&P 500: +0,52%
RAÍZEN (RAIZ4) RECUA NA B3

A Raízen (RAIZ4) é destaque de queda na bolsa brasileira no pregão desta quinta-feira (29). Por volta das 17h30, as ações caíam 3,55%, a R$ 3,53.

Recentemente, a empresa confirmou que captou US$ 1,5 bilhão em títulos representativos de dívida (green notes).

A operação financeira será realizada pelas subsidiárias da empresa, Raízen Fuels Finance e Raízen Energia.

A emissão será em duas parcelas, uma de US$ 1,0 bilhão com vencimento em dez anos (2034) e cupom de 6,45%, e a outra de US$ 500 milhões com vencimento em 30 anos (2054) e cupom de 6,95%.

O objetivo da transação é acelerar a expansão dos negócios, especialmente no segmento de energias renováveis, de acordo com a companhia.

Segundo a empresa, os recursos líquidos captados por meio da emissão serão destinados a investimentos em projetos e ativos selecionados de acordo com o Green Financing Framework da companhia.

A Raízen ainda inclui no possível uso do dinheiro captado, o alongamento do prazo médio do endividamento pelo refinanciamento de obrigações financeiras, incluindo a recompra e resgate dos títulos de dívida com vencimento em 2027, o que elevará o prazo médio para cerca de sete anos.

JBS (JBSS3) E MAFRIG (MRFG3) SOBEM NA BOLSA

As ações dos frigoríficos JBS e Marfrig são destaque de alta no Ibovespa na tarde desta quinta-feira (29).

Os papéis são beneficiados pela queda recente das commodities agrícolas, com destaque para o recuo dos preços dos grãos de soja e do milho.

Por volta das 17h05, as ações JBSS3 subiam 2,76%, negociadas a R$ 23,07 na bolsa brasileira.

No mesmo horário, os papéis MRFG3 avançavam 2,31%, a R$ 9,75 na B3.

LEILÃO DO TREM INTERCIDADES (TIC)

O consórcio do Trem Intercidades (TIC) Eixo Norte foi arrematado pelo consórcio C2 Mobilidade Sobre Trilhos, liderado pelo Grupo Comporte, nesta quinta-feira (29).

A disputa teve apenas uma proposta (a vencedora), que representou um desconto de 0,01% em relação à contraprestação, de R$ 8,06 bilhões.

O edital prevê R$ 14,2 bilhões em investimentos, considerando correção monetária, para as três operações previstas na concessão.

Além do Trem Intercidades, que vai conectar São Paulo a Campinas, no interior do Estado, o consórcio será também responsável pela implementação do Trem Intermetropolitano (TIM) e pela expansão da Linha 7-Rubi.

Em setembro do ano passado, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico) aprovou um financiamento de R$ 6,4 bilhões para realização de aportes públicos no projeto de implantação do TIC Eixo Norte.

O prazo de concessão será de 30 anos, a partir do início da operação dos novos ramais ou da extensão do serviço comercial da Linha 7, segundo o governo paulista.

A concessão leiloada hoje faz parte da agenda de desestatização do governo de Tarcísio de Freitas. Para 2024, estão previstos mais 12 leilões, incluindo o do lote de rodovias do Litoral Paulista, programado para abril, e das Linhas 11, 12 e 13 da CPTM.

FECHAMENTO DO DÓLAR

O dólar fechou a sessão desta quinta-feira (29) no azul. A moeda norte-americana teve leve alta de 0,05%, cotada a R$ 4,9725 no mercado à vista.

FECHAMENTO DO PETRÓLEO

Os contratos do petróleo terminaram esta quinta-feira (29) em queda.

O Brent, considerado referência no mercado internacional, para abril recuou 0,29%, a US$ 81,91 o barril na Intercontinental Exchange (ICE).

Enquanto isso, o barril do WTI para abril caiu 0,36%, a US$ 78,26 na New York Mercantile Exchange (Nymex).

IBOVESPA RENOVA MÍNIMAS

O Ibovespa renovou as mínimas da sessão. Por volta das 16h43, o principal índice acionário da bolsa brasileiro caía 1,12%, aos 128.702 pontos.

No mesmo horário, o dólar marcava leve alta de 0,14%, negociado a R$ 4,9731 no mercado à vista.

EUA EVITAM PARALISAÇÃO PARCIAL DO GOVERNO

Os Estados Unidos conseguiram evitar uma paralisação parcial do governo neste fim de semana.

Os Congressistas da Câmara dos Representantes dos EUA aprovaram nesta quinta-feira (29) uma lei temporária de gastos.

O presidente da Casa, Mike Johnson, recorreu a uma coalizão feita em grande medida de democratas para aprovar a medida, por 320 a 99.

Trata-se da terceira legislação do tipo aprovada durante o período de Johnson sob comando da Câmara.

Johnson levou o texto para votação com uma abordagem especial, que exige uma supermaioria de dois terços, não a maioria simples.

A proposta agora segue para o Senado, onde o Chuck Schumer disse esperar que seus colegas democratas possam aprová-la possivelmente ainda esta noite.

IBOVESPA RECUA A 128 MIL PONTOS

O Ibovespa recuou aos 128 mil pontos, pressionado peso recuo em bloco do setor financeiro.

Por volta das 16h25, o principal índice de ações da B3 caía 0,93%, aos 128.945 pontos.

FECHAMENTO DO OURO

Os contratos futuros do ouro fecharam a sessão desta quinta-feira (29) no azul, ajudados pela queda nos rendimentos dos Treasurys, os títulos de dívida do governo norte-americano, em Nova York.

O metal precioso com entrega prevista para abril terminou o dia com avanço de 0,58%, a US$ 2.054,70 a onça-troy na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

SOBE E DESCE DO IBOVESPA

Veja as maiores altas do Ibovespa:

CÓDIGONOMEULTVAR
PETZ3Petz ONR$ 4,213,19%
JBSS3JBS ONR$ 22,972,32%
EZTC3EZTEC ONR$ 16,871,87%
MRFG3Marfrig ONR$ 9,721,99%
CYRE3Cyrela ONR$ 23,951,66%

E as maiores quedas:

CÓDIGONOMEULTVAR
PCAR3GPA ONR$ 4,06-7,94%
ABEV3Ambev ONR$ 12,57-6,54%
TIMS3Tim ONR$ 18,06-4,19%
UGPA3Ultrapar ONR$ 29,37-3,83%
RAIZ4Raízen ONR$ 3,52-3,83%
RÚSSIA PROÍBE EXPORTAÇÕES DE GASOLINA

A Rússia vai proibir temporariamente as exportações de gasolina a partir de amanhã (01), segundo a agência de notícias estatal russa Tass.

De acordo com a agência, a medida vai durar até 31 de agosto deste ano.

Além disso, Moscou vai aumentar os valores padrão de venda de diesel em negociações de bolsa de mercadorias de 12,5% para 16%, de acordo com informações do governo da Rússia publicadas no Telegram.

"As decisões tomadas visam apoiar a situação estável no mercado de combustíveis durante a alta temporada relacionada às operações agrícolas da primavera, a temporada de férias e a manutenção programada nas refinarias", afirmou o governo russo.

FICOU PARA DEPOIS

O Banco Central adiou outra vez a publicação do Boletim Focus, que compila as expectativas do mercado para os principais indicadores macroeconômicos do Brasil e comumente é divulgado às segundas-feiras.

Desta vez, a programação da divulgação foi atrasada para a próxima terça-feira (05), às 8h30.

Segundo o BC, o atraso é devido à operação padrão em virtude da greve dos funcionários do BC.

Em meados de fevereiro, os trabalhadores do Banco Central rejeitaram a contraproposta do Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos de um reajuste salarial de 13%, parcelado para 2025 e 2026.

A proposta não contemplou outras reivindicações dos servidores, como a criação de um bônus de produtividade. Na semana passada, os sindicatos dos funcionários do BC pararam completamente por 48 horas.

PETZ (PETZ3) LIDERA GANHOS DA SESSÃO

O Petz (PETZ3) lidera a ponta positiva do Ibovespa nesta tarde. Por volta das 15h, as ações avançavam 2,94%, negociadas a R$ 4,20 na bolsa brasileira.

No mês, os papéis da empresa acumulam valorização de 28% na B3.

LUCRO AJUSTADO DA C&A QUASE DOBRA E AÇÕES SALTAM APÓS BALANÇO

As ações da C&A (CEAB3) dão um salto de mais de 5% nesta quinta-feira (29).

O mercado reage ao balanço trimestral da varejista, publicado na noite da última quarta-feira (28). 

Os investidores não olharam muito para o lucro líquido do último trimestre de 2023, que recuou 20,8% em relação ao mesmo período de 2022, a R$ 168,7 milhões.

O que chamou a atenção foi o lucro ajustado — que exclui itens ou eventos extraordinários que possam influenciar no caixa da empresa, como a pandemia de covid-19 — com um crescimento de 98,2% no quarto trimestre de 2023, atingindo a marca de R$ 144,9 milhões. 

Leia mais.

COMO ANDAM OS MERCADOS

O Ibovespa mantém a trajetória de queda na tarde desta quinta-feira (29). Por volta das 14h55, o principal índice de ações da B3 recuava 0,85%, aos 129.050 pontos.

No mesmo horário, o dólar marcava leve alta de 0,10% no mercado à vista, cotado a R$ 4,9714.

Em Wall Street, o tom misto prevalece sobre as bolsas norte-americanas.

  • Dow Jones: -0,13%
  • S&P 500: +0,12%
  • Nasdaq 100: +0,42%
SOBE E DESCE DO IBOVESPA

A Ambev (ABEV3) seguia liderando com folga a ponta negativa do Ibovespa por volta das 14h20 de hoje. Os papéis da companhia recuam forte repercutindo o balanço publicado mais cedo.

A cervejaria registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,667 bilhões, o que representa uma queda de 11,9% em relação ao mesmo período de 2022.

O número ficou abaixo das estimativas dos analistas graças principalmente ao impacto do câmbio na Argentina, onde a Ambev é dona da tradicional marca Quilmes. Saiba mais sobre os números.

CÓDIGONOMEULTVAR
ABEV3Ambev ONR$ 12,59-6,39%
PCAR3GPA ONR$ 4,21-4,54%
UGPA3Ultrapar ONR$ 29,39-3,77%
TIMS3Tim ONR$ 18,26-3,13%
MRVE3MRV ONR$ 7,61-3,06%

Confira também as maiores altas do índice:

CÓDIGONOMEULTVAR
PETZ3Petz ONR$ 4,202,94%
BHIA3Casas Bahia ONR$ 9,152,69%
CYRE3Cyrela ONR$ 24,082,21%
JBSS3JBS ONR$ 22,912,05%
BRKM5Braskem PNR$ 20,991,70%
 FECHAMENTO NA EUROPA 

As bolsas de valores europeias encerraram o pregão desta quinta-feira (29) mistas, na esteira de dados de inflação nos EUA e na Alemanha.

Na terra do tio Sam, o índice de preços de gastos com consumo subiu 2,4% em janeiro na comparação com o mesmo mês de 2023, em linha com o esperado pelo mercado. No comparativo mensal, o avanço foi de 0,3%.

Já no caso da maior economia europeia, a taxa anual de inflação ao consumidor (CPI) desacelerou a 2,5% em fevereiro, no menor patamar desde junho de 2021.

Na França, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,1% no quarto trimestre de 2023 na base trimestral, segundo pesquisa do Insee, o instituto de estatísticas do país. O resultado superou a estimativa inicial de estabilidade, publicada há um mês. Mesmo assim, a bolsa francesa terminou o dia em baixa.

Confira:

  • FTSE 100 (Londres): +0,07%
  • CAC 40 (Paris): -0,34%
  • DAX (Frankfurt): +0,44%
COMO ANDAM OS JUROS FUTUROS

Os juros futuros operam em queda em toda a curva nesta tarde, acompanhando o recuo dos rendimentos das Treasurys, os títulos de dívida do governo norte-americano, em Nova York.

Confira como andam os DIs:

CÓDIGONOMEULT MIN MAX ABE FEC 
DI1F25DI Jan/259,99%9,98%10,02%9,99%10,00%
DI1F26DI Jan/269,83%9,82%9,89%9,83%9,83%
DI1F27DI Jan/2710,03%10,02%10,10%10,02%10,03%
DI1F28DI Jan/2810,28%10,27%10,36%10,28%10,29%
DI1F29DI Jan/2910,45%10,44%10,53%10,46%10,47%
DI1F30DI Jan/3010,60%10,60%10,68%10,61%10,63%
DI1F31DI Jan/3110,68%10,67%10,76%10,69%10,70%
DI1F32DI Jan/3210,75%10,74%10,79%10,75%10,77%
DI1F33DI Jan/3310,80%10,79%10,87%10,81%10,82%
POR QUE A JBS USA ENTROU NA MIRA DA PROCURADORA QUE PROCESSOU TRUMP

A procuradora-geral de Nova York, Letitia James, ficou famosa por ir à caça de Donald Trump por uma fraude corporativa que teria engordado a fortuna do ex-presidente norte-americano. Agora, ela virou a mira para os irmãos Batista, ao processar a unidade da JBS (JBSS3) nos EUA

James abriu uma ação contra a JBS USA por considerar que a empresa engana o público sobre o impacto ambiental de suas atividades. 

“A produção de carne bovina emite a maior quantidade de gases de efeito estufa entre todas as principais commodities alimentares, e a pecuária é responsável por 14,5% das emissões globais anuais de gases de efeito estufa”, diz James em nota. 

Segundo ela, a JBS teria indicado publicamente que alcançaria a meta zero de emissão em 2040, após planos de expandir a produção — o que, em teoria, aumenta as emissões de gases que provocam o efeito estufa.

Leia mais.

PÃO DE AÇÚCAR (PCAR3) DEVOLVE GANHOS HOJE

O Pão de Açúcar (PCAR3) opera em forte queda nesta quinta-feira (29) e lidera as perdas do Ibovespa pela tarde.

O desempenho negativo da ação do GPA trata-se de uma realização dos lucros recentes da varejista na B3.

Por volta das 13h, os papéis PCAR3 recuavam 7,03%, cotados a R$ 4,10 na bolsa brasileira. Apesar da baixa, os ativos ainda acumulam alta de 4% em fevereiro.

COMO ANDAM OS MERCADOS

O Ibovespa reduziu levemente as perdas para 0,83%, aos 129.074 pontos

Já o dólar registra estabilidade, com leve alta de 0,02%, negociado a R$ 4,9673 no mercado à vista.

Em Wall Street, as bolsas norte-americanas operam mistas.

  • Dow Jones: -0,01%
  • S&P 500: +0,25%
  • Nasdaq: +0,47%
BANCOS CAEM NA B3

O setor financeiro recua na B3 e pressiona o Ibovespa pela tarde. Por volta das 12h40, o principal índice de ações da bolsa brasileira recuava 0,94%, aos 128.928 pontos.

O desempenho negativo dos bancos acompanha a cautela do mercado em relação aos juros, com temores de que um adiamento do corte das taxas pelo Federal Reserve nos Estados Unidos afete a Selic terminal por aqui.

Confira como andam as ações do setor financeiro:

AtivoNomeVarUlt
ITUB4Itaú Unibanco PN -2,33%33,99
ITSA4Itausa PN-1,80%10,35
BBDC4Bradesco PN -1,72%13,72
SANB11Santander Brasil Unit-1,52%28,56
BBDC3Bradesco ON -1,20%12,32
BBAS3Banco do Brasil ON -0,85%58,25
BPAC11BTG Pactual Unit-0,33%36,27
FRIGORÍFICOS SOBEM NA B3

As ações de frigoríficos são destaque de alta no Ibovespa nesta quinta-feira (29), com a JBS liderando os ganhos da bolsa brasileira por volta das 12h15.

O setor é beneficiado pela queda recente das commodities agrícolas, com destaque para o recuo dos preços dos grãos de soja e do milho.

Confira:

CÓDIGONOMEULTVAR
JBSS3JBS ONR$ 23,072,76%
BRKM5Braskem PNR$ 21,041,94%
MRFG3Marfrig ONR$ 9,671,47%
BEEF3Minerva ONR$ 6,820,15%
BRFS3BRF ONR$ 15,220,07%
GAFISA (GFSA3) SOBE 4% NA B3

A ação da Gafisa (GFSA3) é destaque de alta fora do Ibovespa hoje. Por volta das 12h15, os papéis subiam 4,51%, a R$ 8,80.

O movimento ocorre após a notícia de que a Esh Capital passou a deter 17,3% do capital social da companhia, segundo documento acessado pelo Broadcast.

De acordo com o site da B3, a Esh detinha 10% das ações ON da companhia até o dia 23 de fevereiro.

BOLSAS NY OPERAM MISTAS

As bolsas de Nova York passaram a operar mistas por volta das 12h15. Confira:

  • Dow Jones: -0,16%
  • S&P 500: +0,21%
  • Nasdaq: +0,56%
MRV (MRVE3) CAI NA B3

A ação da MRV (MRVE3) é destaque de queda na bolsa brasileira nesta quinta-feira (29) e figura entre as maiores perdas do Ibovespa pela manhã, atrás apenas dos papéis da Ambev (ABEV3).

Por volta das 12h, as ações da construtora caíam 5,86%, negociadas a R$ 7,39 na B3.

O recuo dos papéis antecede a divulgação do balanço corporativo da empresa do quarto trimestre de 2023.

GIRO DO MERCADO

A Intelbras (INTB3) divulgou seus resultados financeiros do quarto trimestre de 2023 nesta quarta-feira (29), apresentando lucro de R$ 184,5 milhões, alta de 14% em comparação ao mesmo período do ano passado.

A analista Larissa Quaresma, da Empiricus Research, comenta os destaques do resultado e sobre o desempenho das ações, que derreteram em 2023 e agora mostram leve recuperação.

No cenário internacional, nesta manhã os investidores estão de olho nos dados do PCE, dado de inflação preferido do Federal Reserve que deve calibrar as expectativas sobre a política monetária no país.

O analista Matheus Spiess comenta como o dado deve mexer com os mercados globais hoje.

Confira o novo episódio do Giro do Mercado. É só dar play aqui!

AÇÃO DA C&A (CEAB3) SOBE FORA DO IBOVESPA

A ação da C&A (CEAB3) é destaque de alta fora do Ibovespa nesta quinta-feira (29).

Por volta das 11h30, os papéis subiam 5,34%, negociados a R$ 9,47 na bolsa brasileira.

O desempenho positivo dos ativos vem na esteira do balanço da varejista no quarto trimestre de 2023, considerado positivo pelos bancos BTG Pactual, Citi e Santander.

A C&A registrou lucro líquido de R$ 168,7 milhões no período, uma queda de 20,8% em relação aos R$ 212,9 milhões vistos no mesmo intervalo de 2022.

A receita líquida total teve um crescimento de 17,7% na comparação anual, a R$ 2,293 bilhões.

Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da companhia foi de R$ 501,5 milhões, alta 37,7% frente ao mesmo período de 2022.

A dívida líquida da C&A recuou 26,4% no consolidado do ano, passando de R$ 1,197 bilhão em 2022 para R$ 881,2 milhões em 2023.

COMO ANDAM OS MERCADOS

O Ibovespa vai na contramão do exterior e renova as mínimas pela manhã. Por volta das 11h35, o principal índice de ações da B3 caía 0,78%, aos 129.135 pontos.

No mesmo horário, o dólar subia 0,37% no mercado à vista, negociado a R$ 4,9846.

ABERTURA DE WALL STREET

As bolsas de valores de Nova York abriram em alta nesta quinta-feira (29) após a inflação de janeiro, medida pelo PCE, vir em linha com o esperado pelo mercado.

Vale lembrar que o PCE é considerado o índice de inflação preferido do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) para balizar as decisões de juros no país.

Confira como abriram os índices de Wall Street:

  • Dow Jones: +0,24%
  • S&P 500: +0,49%
  • Nasdaq: +0,73%
EFEITO PCE 2: JURO DOS TRESURYS CEDE APÓS DADO DE INFLAÇÃO NOS EUA

Os yields (rendimento) dos título de dívida do governo norte-americano, os chamados Treasurys, perderam força, após divulgação do índice de preços para gastos pessoais (PCE, na sigla inglês) e dados de emprego nos EUA.

A métrica preferida do Federal Reserve (Fed) para a inflação subiu 0,3% em janeiro em base mensal e 2,4% em termos anuais. O núcleo do índice, que exclui alimentos e energia, aumentou 0,3% no mês e 2,4% em 12 meses.

Já o número de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA subiu 13 mil na semana encerrada em 24 de fevereiro, para 215 mil solicitações.

Os dois dados fazem com que os yields dos títulos dois anos, mais sensíveis à política monetária, cedam a 4,64%, enquanto os dos papéis de dez anos - usados como referência no mercado - estão na casa dos 4,26%, e os de 30 anos, em 4,39%.

LOJAS MARISA QUER MAIS QUE TRIPLICAR LIMITE DE AÇÕES

O conselho de administração da Lojas Marisa (AMAR3) quer a autorização de seus acionistas para aumentar o limite de capital autorizado da companhia.

A direção da empresa quer elevar de 90 milhões para 300 milhões de ações o limite possível de emissão para AMAR3.

Caso aprovado e posteriormente implementado, um aumento dessa magnitude no número de ações provocaria uma forte diluição dos atuais acionistas.

A proposta do conselho de administração ocorre em um momento no qual a Marisa promove uma reestruturação, com fechamento de lojas e direcionamento do foco para produtos com performance melhor e risco menor.

Leia mais.

ULTRAPAR (UGPA3) CAI NA B3

A ação da Ultrapar é destaque de queda no pregão desta quinta-feira (29). Por volta das 11h05, os papéis caíam 3,44%, negociados a R$ 29,49.

O recuo vem na esteira do anúncio das projeções de investimentos (guidance) da companhia para 2024.

A empresa elevou as estimativas de Capex deste ano para R$ 2,7 bilhões, um aumento de 37% acima do realizado em 2023.

Além disso, o Citi destaca que os dividendos, de R$ 0,40 por ação, ficaram perto do mínimo obrigatório exigido, apesar de haver espaço para pagamento de dividendos adicionais.

EFEITO PCE: MERCADO AUMENTA A APOSTA EM CORTE DE JURO EM JUNHO NOS EUA

Após a divulgação do tão aguardado dado de inflação nos EUA, os investidores aumentaram as apostas no curto de juro em junho.

O índice de preços para gastos pessoais (PCE, na sigla em inglês) - a métrica preferida do Federal Reserve (Fed) para a inflação - subiu 0,3% em janeiro em base mensal e 2,4% em termos anuais. O núcleo do índice, que exclui alimentos e energia, aumentou 0,3% no mês e 2,4% em 12 meses.

Os dados vieram em linha com as expectativas do mercado, que aumentou para de 63,2% ontem para 67,3% agora as apostas de afrouxamento monetário em junho, de acordo com a ferramenta FedWatch do CME Group.

Os investidores também seguem acreditando em um corte de 0,75 ponto percentual para a taxa referencial norte-americana em 2024, embora a probabilidade tenha caído para 32,6% após a divulgação do PCE.

AÇÕES DA PETROBRAS SOBEM NA B3

A Petrobras testa uma recuperação na bolsa brasileira nesta quinta-feira após o tombo das ações na última sessão.

O movimento de alta vem na esteira da confirmação da companhia de que sua política de dividendos será mantida, depois que o CEO falou em "ser mais conservador do que agressivo" na distribuição de proventos.

Os papéis da petroleira figuram entre as maiores altas do Ibovespa pela manhã. Por volta das 10h55, as ações PETR4 subiam 1,81%, a R$ 41,16, enquanto os ativos PETR3 avançavam 1,71%, a R$ 42,31, no mesmo horário.

DADOS ECONÔMICOS NOS EUA

O número de pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos subiu 13 mil na semana encerrada em 24 de fevereiro, para 215 mil solicitações.

O resultado ficou acima da expectativa de analistas consultados pela FactSet, que previam 210 mil pedidos.

Já o total de pedidos da semana anterior foi revisado para cima, de 201 mil para 202 mil.

Por sua vez, o número de pedidos continuados cresceu 45 mil na semana encerrada em 17 de fevereiro, para 1,905 milhão, acima do consenso da FactSet, de 1,875 milhão.

Enquanto isso, a renda pessoal nos EUA avançou 1% em janeiro em relação a dezembro de 2023, superando a estimativa dos analistas consultados pela FactSet, que previam alta de 0,5% no mês passado.

Os gastos com consumo subiram 0,2% no mesmo período, superando o consenso de estabilidade da FactSet.

DÓLAR AVANÇA A R$ 4,99

O dólar à vista sobe 0,40% por volta das 10h45, negociado a R$ 4,9900.

FUTUROS DE NY TESTAM ALTA APÓS INFLAÇÃO NOS EUA

Os índices futuros de Nova York testam alta após a inflação de janeiro, medida pelo PCE, vir em linha com o esperado pelo mercado.

Confira como andam os futuros de Wall Street por volta das 10h35:

  • Dow Jones: -0,08%
  • S&P 500: +0,06%
  • Nasdaq 100: +0,21%
IBOVESPA REDUZ QUEDA APÓS INFLAÇÃO NOS EUA

O Ibovespa diminuiu o ritmo de perdas após a publicação dos dados de inflação de janeiro nos Estados Unidos.

Por volta das 10h35, o principal índice de ações da B3 caía 0,23%, aos 129.856 pontos.

INFLAÇÃO NOS EUA

O índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) dos Estados Unidos subiu 2,4% em janeiro na comparação com o mesmo mês de 2023. No comparativo mensal, o avanço foi de 0,3%.

Já o núcleo do PCE, que exclui variações de preços de itens considerados mais voláteis, como alimentos e energia, subiu 2,8% em janeiro na base anual e 0,4% em relação a dezembro de 2023.

Vale lembrar que o PCE é considerado o índice de inflação preferido do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) para balizar as decisões de juros no país.

MAIORES ALTAS E QUEDAS DO PREGÃO

Veja as maiores altas do Ibovespa na abertura:

CÓDIGONOMEULTVAR
JBSS3JBS ONR$ 23,404,23%
B3SA3B3 ONR$ 12,731,19%
MRFG3Marfrig ONR$ 9,631,05%
GOLL4Gol PNR$ 2,650,76%
EGIE3Engie ONR$ 41,830,60%

E as maiores quedas:

CÓDIGONOMEULTVAR
ABEV3Ambev ONR$ 12,74-5,28%
MRVE3MRV ONR$ 7,52-4,20%
UGPA3Ultrapar ONR$ 29,66-2,88%
PETZ3Petz ONR$ 4,01-1,72%
HAPV3Hapvida ONR$ 3,73-1,58%
AMBEV (ABEV3) CAI NA B3

A Ambev (ABEV3) é destaque de queda na B3 na abertura desta quinta-feira (29). Por volta das 10h10, os papéis caíam 5,20%, negociados a R$ 12,75.

O recuo das ações segue a divulgação da empresa no quarto trimestre de 2023.

ABERTURA DO IBOVESPA

O Ibovespa abriu em queda de 0,34% nesta quinta-feira (29), aos 129.716 pontos.

O principal índice de ações da B3 acompanha a cautela em Wall Street antes da divulgação da inflação de janeiro, medida pelo PCE, nos Estados Unidos.

ADRS DE VALE E PETROBRAS 

Os recibos de ações (ADRs) de Vale e Petrobras operam em alta no pré-mercado em Nova York. 

No caso da petroleira, os papéis tentam recuperação após o forte tombo da última sessão que seguiu as falas do presidente da estatal, Jean Paul Prates, sobre dividendos.

  • Petrobras (PBR): +0,60%, a US$ 16,82;
  • Vale (VALE): +0,45%, a US$ 13,44. 
MERCADO DE COMMODITIES

Os contratos futuros do petróleo amanheceram mistos nesta quinta-feira (29).

A commodity do tipo Brent, referência no mercado internacional, para maio tem leve queda de 0,15%, negociada a US$ 82,03 o barril.

Enquanto isso, o barril do petróleo WTI para abril registra tímida alta de 0,09%, a US$ 78,61.

Já nos mercados asiáticos, o minério de ferro negociado na bolsa de Dalian recuou de 0,17%, a US$ 123,98.

ABERTURA DOS JUROS FUTUROS

Os juros futuros abriram em alta em toda a curva nesta quinta-feira (29).

Os DIs acompanham a alta dos rendimentos das Treasurys, os títulos de dívida do governo dos Estados Unidos, em Nova York, em compasso de espera pelos novos dados de inflação norte-americanos de janeiro.

Confira como abriram os juros futuros:

CÓDIGONOMEULT MIN MAX ABE FEC 
DI1F25DI Jan/2510,02%9,99%10,02%9,99%10,00%
DI1F26DI Jan/269,88%9,83%9,89%9,83%9,83%
DI1F27DI Jan/2710,08%10,02%10,10%10,02%10,03%
DI1F28DI Jan/2810,34%10,28%10,35%10,28%10,29%
DI1F29DI Jan/2910,51%10,45%10,52%10,46%10,47%
DI1F30DI Jan/3010,66%10,61%10,68%10,61%10,63%
DI1F31DI Jan/3110,73%10,69%10,75%10,69%10,70%
DI1F32DI Jan/3210,77%10,75%10,77%10,75%10,77%
DI1F33DI Jan/3310,85%10,81%10,87%10,81%10,82%
MATHEUS SPIESS: MERCADO EM 5 MINUTOS

Bom dia, pessoal. Os ativos brasileiros enfrentaram um impacto negativo ontem devido às declarações do presidente da Petrobras a respeito dos dividendos, gerando um movimento de cautela entre os investidores.

Hoje, há espaço para uma potencial recuperação, embora o cenário para os contratos de petróleo no mercado internacional não apresente sinais positivos nesta manhã.

O destaque do dia fica por conta da divulgação do PCE de janeiro, indicador preferencial do Fed para medir a inflação.

Esse dado é crucial e pode redefinir as expectativas de mercado quanto a um possível corte de 75 pontos-base nas taxas de juros até o final do ano, iniciando em junho — especialmente após os números do PIB divulgados ontem, que não provocaram grandes comoção.

Neste momento, os mercados europeus demonstram um leve otimismo, contrastando com a cautela vista nas sessões asiáticas.

Como argumentei, o foco central está nos próximos números da inflação nos EUA, influenciando o comportamento dos futuros americanos, que iniciam o dia em baixa.

Dependendo dos resultados do PCE, este cenário pode se alterar ao longo do dia.

Adicionalmente, na Europa, serão divulgados dados de inflação de fevereiro para França, Espanha e Alemanha, ajustando as expectativas para o índice de inflação da Zona do Euro e contribuindo para o quadro geral de antecipação e análise por parte dos investidores quanto às tendências inflacionárias e suas implicações nas decisões de política monetária futuras.

A ver…

00:52 — Dólar a R$ 5 ou a R$ 4,70… Eis a questão…

No cenário brasileiro, as recentes declarações do presidente da Petrobras capturaram a atenção do mercado, cujos detalhes discutirei adiante.

Hoje, nosso foco se volta para o panorama internacional, buscando indícios que possam replicar o otimismo gerado pelo resultado favorável do IPCA-15 desta semana.

Um resultado externo abaixo do esperado poderia potencialmente aproximar o câmbio do patamar desejado de R$ 4,90, vislumbrando até mesmo os R$ 4,70 em um segundo momento.

Por outro lado, números mais robustos no cenário internacional poderiam elevar o dólar para a casa dos R$ 5.

Em âmbito doméstico, o destaque recai sobre a Pnad Contínua do trimestre até janeiro, que registrou um aumento na taxa de desemprego de 7,4% para 7,6%, interrompendo uma sequência de nove quedas consecutivas.

No entanto, este dado assume uma relevância menor diante do contexto mais amplo.

Paralelamente, em Brasília, com a ausência do presidente Lula, a equipe econômica avança no encaminhamento de um projeto de lei urgente ao Congresso, que visa substituir a MP da reoneração da folha de pagamentos.

Espera-se uma solução negociada com os parlamentares, adiando o início da reoneração para 2025 ou 2026 e estendendo o período total de reoneração até 2029.

Qualquer atualização no âmbito fiscal, aliada aos positivos indicadores de arrecadação deste início de ano, tem o potencial de influenciar favoravelmente a curva de juros.

Esse respiro recente nos permite antecipar possíveis ajustes na meta fiscal somente em maio, após a divulgação do segundo relatório bimestral de receitas e despesas, mantendo o mercado em expectativa quanto à continuidade das políticas fiscais e seus impactos econômicos.

01:47 — Subia quase 5% no mês até ontem, quando caiu mais de 5%

As ações da Petrobras sofreram um revés significativo ontem, registrando uma queda superior a 5%, impactadas pelas recentes declarações de Jean Paul Prates.

O presidente da estatal expressou a necessidade de adotar uma postura mais prudente quanto à distribuição de dividendos volumosos, com o objetivo de posicionar a empresa como líder no segmento de energias renováveis.

Essa orientação, embora ecoe pronunciamentos similares feitos no ano anterior, que acabaram não se concretizando, causou inquietude entre os investidores, especialmente após o recente avanço no valor das ações, levando-os a buscar pretextos para capitalizar ganhos.

Prates enfatizou uma preferência por uma abordagem conservadora em detrimento de uma agressiva, sugerindo um redirecionamento estratégico significativo.

A Petrobras projeta que, em uma década, metade de suas receitas provenha de energias eólicas, solares e biocombustíveis, e está se estruturando para realizar aquisições estratégicas que catalisem essa transição.

Entretanto, no curto prazo, tais empreendimentos demandam investimentos substanciais, incluindo oportunidades de aquisição em energias renováveis e petróleo, além dos investimentos em petroquímica e produção de fertilizantes.

A expectativa do mercado por anúncios de dividendos excepcionais para o próximo relatório de resultados, previsto para 7 de março, acabou por se frustrar com os novos direcionamentos da empresa.

Importante destacar que, em 2022, a Petrobras se posicionou como a segunda maior distribuidora de dividendos no setor de óleo e gás, superada apenas pela Saudi Aramco.

Apesar da possibilidade de uma recuperação das ações, impulsionada pelo esclarecimento oficial da companhia, o impacto já observado neste mês já é considerável.

02:35 — O esperar do PCE?

Na sessão de ontem nos Estados Unidos, o mercado de ações terminou o dia em terreno negativo, enfrentando dificuldades para definir um rumo diante da expectativa de um relatório de inflação mais elevado previsto para hoje.

Esse comportamento vem na esteira da revisão para baixo da estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do quarto trimestre para 3,2%, ligeiramente abaixo da previsão anterior de 3,3%, o que frustrou o mercado.

Paralelamente, houve uma revisão para cima no consumo das famílias, de 2,8% para 3%, e um aumento nas despesas governamentais, de 3,3% para 4,2%, equilibrando as percepções — apesar da diminuição na projeção de crescimento do PIB, os dados sugerem uma demanda mais vigorosa do que inicialmente antecipado.

Este contexto serve como pano de fundo para a divulgação do índice de Despesas de Consumo Pessoal (PCE), que mede a inflação.

A previsão é que o relatório de janeiro mostre uma aceleração da inflação, impulsionada pelos índices elevados de preços ao consumidor e ao produtor observados no último mês.

O mercado projeta que o núcleo do PCE registre um aumento mensal de 0,4% em janeiro, acima do incremento de 0,2% de dezembro.

Em termos anuais, espera-se uma elevação de 2,8%, ligeiramente abaixo do crescimento de 2,9% registrado em dezembro.

Um resultado superior ao esperado poderá valorizar o dólar e pressionar negativamente os ativos de risco.

03:29 — Desdobramentos políticos americanos

Nos Estados Unidos, ontem tivemos a notícia de que líderes congressistas alcançaram um compromisso de última hora, evitando o fechamento do governo federal previsto para sexta-feira.

Este acordo gerou controvérsias, especialmente entre os republicanos mais conservadores, que não demoraram a expressar suas críticas.

Com esse acordo, o governo assegurou financiamento até o fim de setembro, embora alguns departamentos críticos, como Defesa e Segurança Interna, permaneçam sob a ameaça de um fechamento em 23 de março, aguardando uma nova resolução.

Em outro desdobramento importante, Mitch McConnell, líder republicano no Senado, anunciou sua intenção de deixar a liderança em novembro, embora pretenda continuar seu mandato como senador até janeiro de 2027.

Aos 82 anos, McConnell enfrenta crescentes questionamentos sobre sua saúde e capacidade para manter a liderança, um debate que se estende ao presidente Joe Biden para as eleições de novembro.

Por falar em eleições, Illinois tornou-se o terceiro estado a barrar Donald Trump de participar das primárias presidenciais republicanas, em resposta ao seu envolvimento no ataque ao Capitólio em 6 de janeiro.

Este cenário reforça o debate sobre a possibilidade de judicialização da candidatura de Trump, uma variável que, embora improvável, tem potencial para dominar as manchetes.

04:13 — Podem contar com um crescimento melhor que o esperado

No dia em que foi revelado que o crescimento econômico dos EUA no último trimestre do ano passado foi um pouco mais modesto do que o previsto, crescendo a uma taxa anualizada de 3,2% em vez de 3,3%, recebemos também uma previsão bastante otimista da S&P Global.

A organização ajustou sua projeção para o crescimento do PIB dos EUA em 2024 de 1,5% para 2,4%. Esse ajuste reflete um encerramento robusto de 2023 e um começo animador de 2024.

Embora se espere uma desaceleração no crescimento à medida que o impacto total da política monetária restritiva se manifeste, existe uma expectativa de que os Estados Unidos mantenham um desempenho acima da média, continuando a se destacar entre as economias desenvolvidas.

Este padrão de crescimento robusto pode se estender ao Brasil em 2024 (lembre-se do IBC-Br mais forte do que o esperado no final do ano passado).

Atualmente, a expectativa mediana para o crescimento do Brasil é de 1,5%, mas não seria surpreendente ver um crescimento na faixa de 2% a 2,5%.

ESQUENTA DOS MERCADOS

O Ibovespa futuro começou o dia em alta de 0,22%, aos 132.135 pontos. No mesmo horário, o dólar à vista abriu próximo da estabilidade a R$ 4,9712, alta de 0,02%.

TAXA DE DESEMPREGO VEM ABAIXO DAS PROJEÇÕES

O IBGE acaba de divulgar a taxa de desemprego no trimestre encerrado em janeiro, que ficou em 7,6% no período.

O indicador veio abaixo da mediana das projeções do Broadcast, de 7,8%. As estimativas variavam de 7,4% até 8,6%.

A população desocupada (8,3 milhões) ficou estável no trimestre e recuou 7,8% (menos 703 mil pessoas) no ano.

A população ocupada (100,593 milhões), cresceu 0,4% no trimestre (mais 387 mil pessoas) e 2,0% (mais 1,957 milhão de pessoas) no ano.

O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) foi a 57,3%, sem variação significativa frente ao trimestre móvel anterior (57,2%).

O número de empregados com carteira de trabalho no setor privado (exclusive trabalhadores domésticos) foi de 37,950 milhões, com alta de 0,9% (mais 335 mil) no trimestre e de 3,1% (mais 1,1 milhão) no ano.

Já o número de empregados sem carteira no setor privado (13,4 milhões) ficou estável no trimestre e cresceu 2,6% (mais 335 mil pessoas) no ano.

AGENDA DO DIA
HoraPaísEvento
02h00JapãoÍndice de preços ao consumidor (CPI, em inglês) de janeiro
04h00AlemanhaVendas no varejo em janeiro
05h55AlemanhaTaxa de desemprego em fevereiro
06h00AlemanhaÍndice de preços ao consumidor (CPI, em inglês) de janeiro
8h30BrasilBalanço orçamentário
9h00BrasilTaxa de Desemprego no Brasil
10h30Estados UnidosÍndice de preços ao consumidor e gastos com consumo (PCE, em inglês)
12h50Estados UnidosDiscurso de Raphael Bostic, membro do Fomc, o Copom americano
15h15Estados UnidosDiscurso de Loretta Mester, membro do Fomc, o Copom americano
22h30ChinaPMI composto, industrial e de serviços em fevereiro
Fonte: Investing.com

Balanços do dia

NomeTickerHorário de divulgação
AmbevABEV3Antes da abertura
MRV EngenhariaMRVE3Horário a confirmar
GrendeneGRND3Após o fechamento
Fonte: Levantamento Seu Dinheiro
FUTUROS DE NOVA YORK AMANHECEM NO VERMELHO

Os índices futuros das bolsas de valores de Nova York amanheceram no vermelho nesta quinta-feira.

Os investidores mantêm a cautela antes da divulgação do PCE de janeiro. O índice mede a inflação dos gastos com consumo pessoal nos EUA e é o favorito do Fed para pautar sua política monetária.

Discursos de dirigentes do banco central norte-americano também estão no radar.

Confira:

  • S&P 500 futuro: -0,25%
  • Dow Jones futuro: -0,31%
  • Nasdaq futuro: -0,24%
BOLSAS DA EUROPA ABREM EM ALTA

As principais bolsas da Europa abriram em alta nesta quinta-feira.

Os investidores reagem aos balanços de gigantes da região.

A alta, no entanto, é contida diante da apreensão antes da divulgação do PCE nos EUA.

Confira:

  • DAX: +0,40%
  • FTSE 100: +0,08%
  • CAC 40: +0,03%
  • Euro Stoxx 600: +0,19%
VENDAS NO VAREJO ALEMÃO SOFREM QUEDA INESPERADA

As vendas no varejo da Alemanha sofreram uma queda inesperada em janeiro.

O indicador recuou 0,4% na passagem de dezembro de 2023 para o primeiro mês de 2024.

A expectativa era de alta de 0,5%.

Na comparação anual, as vendas no varejo alemão recuaram 1,4% em janeiro.

BOLSAS DA ÁSIA FECHAM SEM DIREÇÃO ÚNICA

As principais bolsas de valores da Ásia fecharam sem direção única nesta quinta-feira.

Enquanto as bolsas chinesas subiram diante de novas medidas de Pequim para sustentar o mercado local, outras praças demonstram cautela antes do PCE nos EUA.

A bolsa de Tóquio avançou levemente e segue próxima dos recentes recordes históricos.

Também fecharam em queda as bolsas de Hong Kong (-0,15%) e Seul (-0,37%).

Na China continental, a bolsa de Xangai subiu 1,94% depois de reguladores anunciarem a supervisão mais rigorosa de derivativos financeiros.

Também no campo positivo, a bolsa de Taiwan subiu 0,60% hoje.

Confira:

  • Nikkei: +0,03%
  • Xangai: +1,94%
  • Hang Seng: -0,15%
  • Kospi: -0,37%
PIB DA TURQUIA CRESCE 4,5% EM 2023

A economia da Turquia cresceu 4,5% em 2023. O resultado foi divulgado hoje pela Turkstat, o IBGE de lá.

Ainda de acordo com o instituto, a economia turca cresceu 1% no quarto trimestre do ano passado na comparação com os três meses imediatamente anteriores.

Em relação ao quarto trimestre de 2022, o PIB da Turquia registrou expansão de 4% nos três últimos meses de 2023.

O QUE ROLOU NOS MERCADOS ONTEM?

A bolsa brasileira terminou a sessão desta quarta-feira (28) no vermelho, com o cenário corporativo roubando os holofotes do calendário de indicadores econômicos no exterior.

O Ibovespa encerrou o dia em baixa de 1,16%, aos 130.155 pontos. Por sua vez, o dólar fechou próximo das máximas do dia, com um avanço de 0,75% no mercado à vista, cotado a R$ 4,9700.

A Petrobras (PETR3;PETR4) foi a principal catalisadora das quedas da B3 por aqui, com um recuo superior a 5% das ações após falas do presidente da estatal, Jean Paul Prates. Em entrevista à Bloomberg, Prates disse que seria "mais conservador do que agressivo" na distribuição de dividendos.

Ainda no campo negativo, o IRB (IRBR3) liderou as perdas do pregão, com -5,5%, após reportar os números financeiros de 2023 segundo a norma contábil adotada pela Superintendência de Seguros Privados (Susep). A divulgação oficial do balanço do IRB, com os números elaborados pela norma contábil IFRS, está marcada para o final de março.

Na ponta positiva, o Pão de Açúcar (PCAR3) foi destaque de alta, com avanço de 11%. O GPA ainda repercute a aprovação do plano de reestruturação do Casino, seu controlador francês, em Paris. Os rumores de que o Casino venderá a participação na varejista também impulsionaram as ações hoje.

No exterior, Wall Street terminou o dia em queda, com os investidores repercutindo os indicadores econômicos norte-americanos referentes ao quarto trimestre de 2023 publicados nesta manhã.

A segunda leitura do Produto Interno Bruto norte-americano mostrou um crescimento abaixo das expectativas do mercado. Já o PCE, índice de inflação preferido do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), subiu a uma taxa anualizada de 1,8% no último trimestre de 2023.

Os indicadores elevaram as apostas do mercado para uma retomada da inflação na terra do Tio Sam e um adiamento do início do corte de juros por lá. Vale lembrar que os dados mais recentes da alta de preços nos EUA serão conhecidos amanhã, com o anúncio do PCE de janeiro.

Confira o que movimentou os mercados nesta quarta-feira (28).

Compartilhe

MAIS 11 ATIVOS PARA A CONTA

Fundo imobiliário BTLG11 fecha acordo de quase R$ 2 bilhões por portfólio de imóveis em SP

16 de abril de 2024 - 11:36

O FII deve adquirir 11 ativos, com cerca de 550 mil metros quadrados prontos e performados

SÉRIE A DA B3

Auren (AURE3) fica de fora da segunda prévia do Ibovespa, que agora conta com a entrada de apenas uma ação

16 de abril de 2024 - 10:32

Se a previsão se confirmar, a carteira do Ibovespa contará com 87 ações de 84 empresas a partir de maio

MERCADOS HOJE

Dólar se aproxima de R$ 5,30 com meta fiscal e juros nos EUA no radar; Ibovespa reduz perdas com Petrobras (PETR4)

16 de abril de 2024 - 6:33

RESUMO DO DIA: Enquanto as bolsas de Nova York operam em alta à espera do discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, o Ibovespa segue mais avesso ao risco com o cenário fiscal no radar. Já o dólar mantém a trajetória de valorização e bateu máxima a R$ 5,27, o maior nível desde […]

MERCADOS HOJE

Bolsas hoje: Ibovespa recua com pressão de bancos e Wall Street no vermelho; dólar sobe a R$ 5,18

15 de abril de 2024 - 6:43

RESUMO DO DIA: O Ibovespa terminou a sessão desta segunda-feira (15) no vermelho, pressionado pelo desempenho dos bancos, que recuaram em meio à crescente aversão ao risco no mercado hoje. O principal índice de ações da B3 fechou o pregão em baixa de 0,49%, aos 125.333 pontos. Já o dólar à vista avançou 1,25%, aos […]

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: Prévia do PIB no Brasil e balanços nos EUA são destaque junto com Livro Bege nos próximos dias

15 de abril de 2024 - 6:20

As reuniões do FMI ao longo da semana permanecem no radar, com discussões focadas na estabilidade financeira global e nas estratégias para enfrentar as incertezas econômicas

TOUROS E URSOS

O enigma da Petrobras (PETR4): entre dividendos e “risco Lula”, vale a pena ter ações da estatal?

14 de abril de 2024 - 7:45

Ruído da intervenção do governo impede a Petrobras de negociar no patamar de companhias como Chevron e Exxon, segundo analista

TEMPESTADE PERFEITA

Como a escalada das tensões no Oriente Médio derruba as ações da Azul (AZUL4) e da Gol (GOLL4) na B3

12 de abril de 2024 - 16:10

A crise geopolítica pressiona as cotações do petróleo e do dólar, o que afeta os negócios das companhias aéreas

RISCO GLOBAL

Dólar bate em R$ 5,14  e atinge maior nível em seis meses — e aqui estão três motivos para a disparada da moeda norte-americana hoje 

12 de abril de 2024 - 13:25

O dólar também se valoriza ante as divisas globais; as cotações do petróleo e do ouro renovam máximas históricas

VEJA O QUE DIZ A COMPANHIA

Ações da JHSF (JHSF3) tombam 7% na B3; empresa se pronuncia após embargo do Complexo Boa Vista

12 de abril de 2024 - 12:12

A companhia afirmou, em comunicado enviado à CVM mais cedo, que seus advogados avaliam o “sentido e alcance” da liminar expedida na última quinta-feira

DESTAQUES DA BOLSA

Plano & Plano (PLPL3) despenca mais de 7% e registra maior queda da bolsa após prévia operacional; veja os números que desagradaram o mercado

12 de abril de 2024 - 11:33

O forte recuo é uma reação a números considerados neutros por parte dos analistas das principais casas brasileiras

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies