🔴 DÓLAR A R$5,38 E PODE SUBIR MAIS – VEJA COMO PROTEGER O SEU PATRIMÔNIO

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
O RISCO DO DEFAULT

Nem o Fed pode salvar: o que acontece se os EUA derem calote na dívida?

O governo norte-americano atingiu o limite de endividamento permitido por lei, de US$ 31,4 trilhões, em janeiro — e tem até agosto, segundo projeções, para resolver o impasse em torno da dívida

Guerra na Ucrânia pode levar à queda do império americano? EUA queda
Imagem: Shutterstock

É um pássaro? É um avião? Não, é a "super-dívida" dos EUA. Em meio a um impasse com o Congresso, o governo norte-americano se vê mais sob o risco de um calote trilionário que nem o Federal Reserve (Fed) de Jerome Powell poderá salvar.

O governo dos EUA atingiu em janeiro deste ano o limite de endividamento permitido por lei, de US$ 31,4 trilhões. Desde então, o Tesouro está usando manobras contábeis para continuar pagando todas as contas em dia — o problema é que essas manobras funcionam apenas por um tempo limitado.

Grupos independentes como o Bipartisan Policy Center e o Congressional Budget Office estimam que, em algum momento deste verão (que, no Hemisfério Norte, vai de junho a agosto) ou no início deste outono (setembro a novembro), o governo dos EUA não poderá mais pagar todas as contas em dia.

A Moody's estima que o prazo, conhecido como “X-date” (data X), cairá em 15 de agosto deste ano.

Isso significa que a maior economia do mundo não conseguirá cumprir com seus compromissos financeiros, deixando, por exemplo, detentores de títulos da dívida dos EUA, beneficiários da Previdência Social e funcionários federais sem pagamento. 

Os efeitos de um calote seriam catastróficos

Se a falta de pagamento de dívidas de uma empresa chacoalham o mercado — a exemplo do que aconteceu recentemente com a Americanas (AMER3) por aqui — os efeitos do calote da maior economia do mundo seriam catastróficos. 

Além do fechamento de vários departamentos federais, a exemplo do que ocorreu no governo de Donald Trump, um dos efeitos mais imediato é a perda de 1 milhão de empregos e a recessão, segundo projeções da Moody's Analytics. 

O dano pode aumentar para 7 milhões de empregos perdidos e uma crise financeira no estilo de 2008 no caso de uma violação prolongada do limite da dívida, alertou o economista-chefe da Moody's Analytics, Mark Zandi, em um painel do Senado na terça-feira (7).

A crise de 2008 foi marcada pela quebradeira de gigantes de Wall Street, milhões de norte-americanos desempregados, queda de dois dígitos da Bolsa de Nova York e a injeção de trilhões de dólares do Federal Reserve (Fed) para tentar tapar o buraco de uma economia em recessão e um mercado em colapso. 

Então quem poderá defender os EUA? 

Falando nesta quarta-feira (8) no segundo dia de depoimentos ao Congresso dos EUA, o presidente do Fed, Jerome Powell, disse que a autoridade monetária não dispõe de instrumentos eficientes para proteger a economia norte-americana em um cenário de calote. 

Se o banco central não pode ajudar, quem pode? O Fed pode apoiar a economia a lidar com os efeitos colaterais de um default, assim como fez em 2008, mas está nas mãos do Congresso o poder de salvar os EUA do calote. 

E é aí que está o problema. A queda de braço entre o governo democrata de Joe Biden e a oposição republicana pode fazer os EUA pararem de novo. E os efeitos dessa paralisação não podem ser medidos agora: os efeitos do calote são proporcionais ao tempo que um entendimento levará para ser alcançado. 

Por isso, Powell expressou hoje preocupação com o risco de que o Congresso não aumente o teto da dívida, embora tenha ponderado que não é papel do Fed se envolver em discussões sobre a política fiscal.

O dia crucial para os EUA

Os republicanos da Câmara estão exigindo profundos cortes de gastos de Biden em troca de votar para aumentar a capacidade de endividamento, o que limita quanto dinheiro o governo pode tomar emprestado.

Essa queda de braço deve ganhar um novo capítulo na quinta-feira (9), quando Biden divulga a última proposta de orçamento. Espera-se que o presidente norte-americano proponha reduzir a dependência dos EUA de dinheiro emprestado, aumentando os impostos sobre os que ganham mais e as grandes corporações. 

Mas os especialistas dão quase como certo que Biden não alcançará o nível de cortes de gastos que satisfará as demandas republicanas para equilibrar o orçamento.

“A única opção real é que os legisladores cheguem a um acordo e aumentem o limite da dívida em tempo hábil. Qualquer outro cenário resulta em danos econômicos significativos”, disse disse Zandi, da Moody's Analytics. 

“A economia está muito vulnerável. Mesmo sem o drama do limite da dívida, os riscos de recessão são altos. Não vai demorar muito para nos empurrar para a recessão”, acrescentou.

Compartilhe

DESDE 1950…

Argentina está em crise, mas… desde quando? Banco Mundial aponta país como recordista de anos em recessão 

14 de junho de 2024 - 19:15

Em 1948, PIB per capita da Argentina era de cerca de 84% daquele das dez maiores economias do mundo; hoje, é de 34%

OS BRITÂNICOS VÃO ÀS URNAS

Quem leva a melhor no Reino Unido? A carta na manga dos trabalhistas para derrubar os conservadores nas eleições de julho

13 de junho de 2024 - 20:01

Os trabalhistas lideram as pesquisas de intenção de voto com a ajudinha de fórmulas conhecidas pelo centro

presidente motoserra

Milei consegue conter preços e inflação Argentina baixa para 4,2% em maio

13 de junho de 2024 - 18:10

Apesar da queda em maio, índice de preços ainda acumula 276% de alta em 12 meses

EM MEIO AO CAOS

Todo poder a Milei? Com voto de Minerva e repressão a manifestantes, Senado da Argentina aprova pacote ultraliberal

13 de junho de 2024 - 11:16

O projeto concede amplos poderes ao Executivo, dando prerrogativas de interferência ao presidente, mas foi desidratado na Casa

PEDIU O MERCADO EM NAMORO?

De Powell, com amor (mas nem tanto): o que a decisão do Fed diz sobre os juros nos EUA

12 de junho de 2024 - 15:12

Em decisão amplamente esperada, o banco central norte-americano manteve a taxa referencial na faixa entre 5,25% e 5,50% ano — foi o gráfico de pontos que mandou a mensagem aos mercados

GUERRA COMERCIAL

Todos contra a China? União Europeia sai à caça dos elétricos chineses com aumento de impostos

12 de junho de 2024 - 14:38

Medida anunciada nesta quarta-feira (12) pelo bloco europeu vai elevar tarifas em até 38% para os EVs asiáticos e pode afetar a BYD e até a Tesla de Elon Musk

EM ANO DE ELEIÇÃO

Hunter Biden pode ser preso? Filho do presidente dos EUA é condenado por posse ilegal de arma — e o que isso significa para a campanha de Joe Biden

11 de junho de 2024 - 18:14

Hunter, de 54 anos, pode pegar até 25 anos e pagar US$ 750 mil em multas

Política Europeia

Decisão de Macron de dissolver Parlamento e convocar eleições antecipadas é aposta política de alto risco

10 de junho de 2024 - 11:13

Atitude de Macron vem após avanço do partido de extrema direita Reunião Nacional nas eleições do Parlamento Europeu

DEPOIS DO ULTIMATO

E agora, Netanyahu? Ministro de guerra de Israel renuncia ao cargo em meio a conflitos em Gaza

9 de junho de 2024 - 17:48

Benny Gantz deu um ultimato a Netanyahu em maio para que o gabinete de guerra adotasse um “plano de ação” para acabar com a batalha em Gaza

QUER PAGAR COMO?

Putin trocou o dólar pelo real? Rússia dá as costas para “moedas tóxicas” e abre espaço para o Brasil

7 de junho de 2024 - 20:00

Segundo o presidente russo, quase 40% do volume de negócios do país é agora em rublos, uma vez que a parcela realizada em dólares, euros e outras moedas ocidentais “não amigáveis” diminuiu

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar