🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
MARKET MAKERS #50

Lula escolheu Brasil de “gastos”, mas arcabouço fiscal evita que país trilhe caminho da Argentina, diz Zeina Latif

Sócia da consultoria Gibraltar Consulting, Zeina Latif participou do episódio #50 do Market Makers e revelou as perspectivas para o panorama geral da economia brasileira

Camille Lima
Camille Lima
23 de junho de 2023
12:02 - atualizado às 12:03
Brasil pode virar uma Argentina?
Imagem: Montagem Seu Dinheiro

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva tomou uma decisão clara ao substituir o finado teto de gastos pelo novo arcabouço fiscal: aumentar as despesas do governo. Essa opção pode não ser a melhor para a economia, mas isso não significa que o país caminha para repetir o fracasso da Argentina.

A visão é de Zeina Latif, doutora em economia e sócia da Gibraltar Consulting. Ela participou do episódio #50 do Market Makers e revelou as perspectivas para o panorama geral da economia brasileira.

Mesmo em conversas de bar ou almoços de família, não é incomum ouvir alguém dizer que “o Brasil está a passos de se tornar uma Argentina”. A situação econômica nos “hermanos” está por um fio, e as medidas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva não são lá reconfortantes.

“Você tem um governo que fez uma escolha por um modelo de regime fiscal que não considera, pelo menos não agora, políticas para conter o crescimento de gastos”, afirmou Zeina.

Para ela, é preciso aceitar que o país terá um equilíbrio macroeconômico de pior qualidade no governo Lula.

Para escutar a conversa na íntegra, basta dar play aqui:

O Brasil vai virar uma Argentina?

Mesmo assim, a economista não enxerga o Brasil percorrendo os mesmos caminhos conflitantes de vizinhos como a Argentina, uma vez que os brasileiros são uma “sociedade que não aceita inflação e, portanto, há limites para o gasto público.”

“Algum tipo de amarra pelo arcabouço precisava ter, e não é para agradar a Faria Lima. É porque nós somos uma sociedade que não aceita a volta da inflação. A gente não é a Argentina”, destaca.

Na visão de Zeina Latif, apesar de o arcabouço fiscal não ser perfeito, ao menos o instrumento dá algum norte sobre o futuro econômico do Brasil.

“[O Brasil] Não vai para uma situação descontrole, porque o Lula não é Dilma e porque as instituições de hoje não são as mesmas do passado. Mesmo que a Dilma voltasse, ela não conseguiria reproduzir o que fez lá atrás. Hoje, a gente tem instituições mais fortes que estão monitorando muito mais os excessos.”

Entretanto, em conversa com os apresentadores Renato Santiago e Josué Guedes, a economista afirma que Lula perdeu a chance de fazer ajustes na regra do teto de gastos sem precisar abrir mão dela. 

Segundo Zeina Latif, o governo decidiu politizar a regra após os furos da gestão anterior — e se prejudicou por isso.

“Poderia ter não ter tido que gastar tanta energia agora com o arcabouço”, destaca. “Não se fez isso porque se demonizou tanto a regra do teto que ficava inviável na política, mas eu acho uma pena isso essa coisa de ter que recomeçar.”

Ouça aqui o bate-papo completo:

O Brasil insiste em erros

Não bastasse as questões envolvendo o arcabouço fiscal e o tamanho dos gastos de Lula, Zeina Latif vê outros empecilhos para a economia brasileira.

Para a economista, é como se o mercado internacional fosse um grupo de amigos passeando pelas ruas da cidade — e, nesse caso, o Brasil seria a pessoa que fica para trás na calçada.

Entretanto, o atraso do país em relação aos colegas não é por ser deixado de lado em conversas, mas sim pois “o Brasil é especialista em perder grandes oportunidades”.

“O Brasil fica insistindo em erros e perdendo oportunidades”, afirma Latif. “A gente podia ser mais ambicioso. Podíamos ter sido mais ambiciosos no governo Bolsonaro e não fomos. E também podíamos ser mais ambiciosos agora.”

Segundo análise de Zeina Latif, o Brasil tem condições de se beneficiar do cenário global atual de polarização. “A gente tem condições de capturar bons ventos e boas oportunidades de investimento dos vários polos aqui. Se a gente vai conseguir, eu já não sei, porque a gente perde muitas oportunidades”

De acordo com a economista, o Brasil gasta tempo com políticas que não funcionaram no passado e acabam por adiar agendas pró-crescimento.

“Se a gente tivesse uma agenda do lado fiscal, não só no sentido de controlar a dívida pública, mas de melhorar a qualidade da ação estatal, óbvio que colocaria o país em outro patamar.”

Confira a conversa na íntegra:

Compartilhe

PRÊMIO BANCO CENTRAL DO ANO

Recado para Lula e Haddad? A declaração de Campos Neto sobre a autonomia do BC e as decisões de juros para conter inflação

12 de junho de 2024 - 19:54

Presidente da autoridade monetária recebeu prêmio o prêmio “Banco Central do Ano”, conferido pelo portal de notícias Central Banking, em Londres e aproveitou para falar sobre sua gestão

AJUDA AO GOVERNO

Dividendos pingando na conta do Tesouro: BNDES eleva pagamento de proventos para 50% — e cifra deve chegar a R$ 16 bilhões

12 de junho de 2024 - 19:30

Aumento do percentual de pagamento de dividendos de 25% para 50% não deve reduzir os desembolsos do banco, segundo Aloizio Mercadante

De olho nos petrodólares

Ministro da Agricultura elege sauditas como “parceiros preferenciais”

12 de junho de 2024 - 18:42

Fávaro disse que tem fechado acordos para infraestrutura e formação de fundos com a Arábia Saudita

PRESTAÇÃO DE CONTAS

O que o TCU viu de certo — e também de errado — nas contas do governo Lula em 2023?

12 de junho de 2024 - 18:21

A auditoria da prestação de contas de Lula no ano passado verificou cerca de R$ 109 bilhões em irregularidades e distorções de valor no balanço da União

MINISTROS DIVIDIDOS

A remuneração do FGTS vai mudar: confira a decisão do STF sobre o cálculo que pode afetar o setor imobiliário

12 de junho de 2024 - 16:15

Atualmente, os valores depositados no fundo remuneram a Taxa Referencial (TR) mais 3% ao ano, além do eventual lucro no período, mas o cálculo vai mudar.

MP da Compensação

Senado avalia usar Imposto de Renda, repatriação e dinheiro esquecido para compensar a desoneração da folha

12 de junho de 2024 - 12:03

Uma das fontes avaliadas pelo Senado para compensar desoneração é a taxação de compras internacionais

AI MINHAS COMPRINHAS

Câmara aprova lei que taxa compras internacionais de varejistas como Shein, AliExpress e Shopee. Lula vai vetar?

12 de junho de 2024 - 10:08

A alíquota de 20% sobre o e-commerce estrangeiro foi um “meio-termo” e substituiu a ideia inicial de aplicar uma cobrança de 60% sobre mercadorias que vêm do exterior

LOTERIAS

Lotofácil faz novos milionários pelo Brasil enquanto Mega-Sena acumula e Caixa recebe apostas exclusivas para a Quina de São João

12 de junho de 2024 - 5:53

Se o prêmio acumulado da Mega-Sena rapidamente atingiu a marca de R$ 40 milhões, a Lotofácil teve 3 ganhadores, mas fez apenas 2 novos milionários

MP da Compensação

Pacheco devolve MP do PIS/Cofins e impõe derrota ao governo Lula

11 de junho de 2024 - 19:03

Presidente do Senado diz que MP descumpre princípio de anterioridade para questões tributárias

Leilão polêmico

O que levou o governo Lula a cancelar o leilão para compra de arroz importado?

11 de junho de 2024 - 16:32

Segundo o governo, anulação se deu por falta de capacidade financeira das empresas em honrar os compromissos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar