🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
Queda de braço

Aposentados sem crédito: bancos suspendem consignado após governo reduzir teto de juros

Movimento dos bancos é resposta à decisão do Conselho Nacional de Previdência Social de cortar o teto para a cobrança de juros do empréstimo consignado do INSS.

Flavia Alemi
Flavia Alemi
16 de março de 2023
17:59 - atualizado às 20:11
Consignado
Imagem: Pixabay

Os bancos brasileiros começaram a suspender a concessão de crédito consignado para aposentados nesta quinta-feira (16), em resposta à redução do limite de juros que as instituições podem cobrar na modalidade. O Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS) cortou o teto para a cobrança de juros desse produto de 2,14% para 1,70% ao mês e também reduziu de 3,06% para 2,62% o limite para a cobrança de juro das operações com cartão consignado.

Até o momento, os bancos que confirmaram a suspensão do crédito foram o Itaú, Banco Pan e Daycoval. Já a Caixa disse que não irá se manifestar sobre o assunto. O Seu Dinheiro procurou outras instituições financeiras que, até a publicação da matéria, ainda não haviam respondido. O texto será atualizado quando houver alguma novidade.

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) emitiu nota dizendo que a decisão de suspender o crédito não foi coletiva e que, considerando que cada banco tem sua política comercial, as instituições não teriam de reportar à entidade a concessão ou suspensão de linhas de crédito.

Quando a decisão do CNPS foi anunciada, a organização já havia se manifestado contra, argumentando que a redução do teto poderia comprometer ainda mais a oferta tanto do empréstimo quanto do cartão de crédito consignado.

"Os patamares de juros fixados não suportam a estrutura de custos do produto e os novos tetos têm elevado risco de reduzir a oferta do crédito consignado, levando um público, carente de opções de crédito acessível, a produtos que possuem em sua estrutura taxas mais caras (produtos sem garantias), pois uma parte considerável já está negativada", diz a nota da Febraban.

Juntas, as duas linhas de crédito consignado do INSS - empréstimo e cartão - têm saldo de R$ 215 bilhões, de acordo com a Febraban, e alcançam cerca de 14,5 milhões de tomadores.

A Associação Brasileira de Bancos (ABBC) fez coro à Febraban e ressaltou que a redução do teto pode obrigar os tomadores de crédito a migrar para modalidades com taxas mais elevadas, como o empréstimo pessoal, que tem taxa média de 5,24% ao mês.

"Iniciativas como essas geram distorções relevantes na precificação dos produtos financeiros, produzindo efeitos contrários ao que se deseja, na medida em que tendem a restringir a oferta de crédito mais barato, impactando na atividade econômica, especialmente no consumo, sendo dessa forma contrária às iniciativas do Governo de fomentar o crédito no país", afirmou a ABBC em nota.

Também por meio de nota, o Banco Daycoval disse que suspendeu os produtos por não serem mais economicamente viáveis, mas destacou que os contratos firmados até ontem (15) permanecem inalterados. O Banco Pan também confirmou a suspensão temporária de novas operações consignadas do INSS tanto de empréstimos quanto de cartões.

Compartilhe

REGULANDO AS REDES

Elon Musk no alvo: União Europeia acusa empresa do bilionário de enganar usuários e violar regras do bloco

12 de julho de 2024 - 15:03

A União Europeia poderá multar o X, antigo Twitter, em até 6% do faturamento anual da big tech, comprada por Elon Musk em 2022. A empresa ainda não se pronunciou sobre o caso.

PATINANDO NA PRAÇA DA SÉ

Adeus, bolsa? B3 (B3SA3) reporta saída de CPFs pelo segundo mês seguido

12 de julho de 2024 - 8:38

Volume financeiro médio diário total em ações caiu 21,4% em um ano, mas bolsa ainda tem mais de 5 milhões de CPFs

LOTERIAS

Lotofácil faz 2 quase milionários; Quina acumula e continua pagando mais que a Mega-Sena

12 de julho de 2024 - 5:53

Enquanto a Quina segue acumulando, a Lotofácil continua fazendo jus à fama de loteria menos difícil da Caixa Econômica Federal

NOVA POLÊMICA

Vem mais imposto por aí? Após Senado “rejeitar” aumento da CSLL, líder sugere taxação sobre setor financeiro para compensar desoneração da folha

11 de julho de 2024 - 19:45

Aumento seria feito caso as medidas apontadas pelo Senado não sejam suficientes para equalizar a renúncia do benefício fiscal aos 17 setores e às pequenas e médias prefeituras

APÓS 40 ANOS

Ela está chegando: Câmara aprova texto-base da reforma tributária, zera taxa sobre carnes e mantém armas e munições isentas do ‘imposto do pecado’

11 de julho de 2024 - 7:48

Agora, os deputados votam os cinco destaques (tentativas de alterar o texto-base), antes de a proposta ser enviada ao Senado

LOTERIAS

Lotofácil faz 2 meio-milionários; Mega-Sena acumula, mas não consegue superar premiação da Quina

11 de julho de 2024 - 5:50

Lotofácil continua fazendo jus à fama de loteria menos difícil da Caixa Econômica Federal; Quina acumulada corre hoje valendo R$ 17 milhões

IPCA

Inflação mais fraca em junho tira pressão do dólar e dos DIs, mas ainda não afeta projeções para Selic

10 de julho de 2024 - 11:46

IPCA mensal desacelerou de 0,46% para 0,21% na passagem de maio para junho; analistas esperavam inflação de 0,32%

LOTERIAS

Lotofácil faz primeiro milionário da semana; Quina acumula e paga mais que a Mega-Sena hoje

10 de julho de 2024 - 5:53

A máquina de milionários da Lotofácil voltou a funcionar na noite de terça-feira; calendário da Mega-Sena está diferente, mas é só nesta semana

PESQUISA BGC

Mercado acha que Lula não vai cumprir meta fiscal de 2024 e maioria espera que cortes feitos não mexam com os negócios

9 de julho de 2024 - 17:01

Do total de entrevistados, 46% acreditam que a meta fiscal de 2024 será alterada no quarto trimestre, enquanto 19% acham que a revisão virá um pouco antes, no terceiro trimestre

ADIADO

Ficou para amanhã: Arthur Lira afirma que regulamentação da reforma tributária começa a ser votada quarta-feira

9 de julho de 2024 - 10:35

Vale destacar que a expectativa é de que a reforma tributária seja votada antes do recesso parlamentar, que acontece a partir do dia 18, quinta-feira da semana que vem

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar