🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
NAS MÃOS DO BC

Brasil sai na frente dos EUA decreto confirma Banco Central como responsável por regular o mercado de criptomoedas; veja quais são os poderes da autarquia

Especialistas entendem que agora o Brasil abriu uma importante janela de oportunidades, em especial porque os EUA estão formando um cerco regulatório contra esse setor

Renan Sousa
Renan Sousa
14 de junho de 2023
9:35 - atualizado às 10:32
Roberto Campos Neto, Presidente do Banco Central, segurando um bitcoin (BTC)
Imagem: Montagem Seu Dinheiro / Divulgação

Oito meses após a aprovação do projeto de lei (PL) de nº 4.401, que regula o mercado brasileiro de criptomoedas, o governo federal oficialmente atribuiu a missão de organizar esse segmento ao Banco Central do Brasil.

A lei passou a receber o nº 14.47 após os debates no Congresso e a aprovação presidencial  em dezembro de 2022. O texto deixava em aberto quem seria o órgão regulador do mercado, mas agentes e integrantes do setor já concordavam que o BC seria a melhor alternativa.

Representantes do mercado de criptomoedas comemoraram o decreto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Além disso, especialistas entendem que o Brasil abriu uma importante janela de oportunidades — em especial porque os Estados Unidos estão formando um cerco regulatório contra o setor.

“A publicação do decreto é uma grande vitória para o mercado, o que gera agora a possibilidade da gente ter uma discussão muito mais técnica e regras mais claras e específicas, em termos de de funcionamento e operação das prestadoras de serviços”, comenta Rodrigo Caldas de Carvalho Borges, sócio no escritório Carvalho Borges Araújo, membro fundador da Oxford Blockchain Foundation e estrategista em blockchain pelo MIT.

"Essa era uma grande expectativa do setor. A regulamentação institucionaliza as práticas que a ABCripto já exige de seus associados desde de 2020. Queremos promover total segurança para o sistema financeiro brasileiro”, afirma o presidente da Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto), Bernardo Srur.

O que diz o decreto sobre o Banco Central ser "xerife" do mercado

O BC será responsável por autorizar e regular prestadoras de serviços em ativos digitais, bem como supervisionar as empresas desse segmento.

Além disso, a autoridade monetária ainda terá poderes sobre “hipóteses estabelecidas na lei” — em outras palavras, eventuais contradições regulatórias, entre outros, estarão sob responsabilidade do Banco Central.

Ainda, o decreto prevê que a autoridade monetária não terá poderes sobre valores mobiliários virtuais. Essas competências ainda pertencem à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) — que também já se manifestou sobre o tema.

“As conversas com o Banco Central já tinham começado. Inclusive, já estavam bem adiantadas. Nós fizemos uma rodada de apresentações das operações, de como funciona [o setor] com o Mercado Bitcoin, a Coinext, Ripio e Bitso”, afirmou José Arthur Ribeiro, CEO da Coinext.

Assim, o BC deve ser mais rápido no estabelecimento de parâmetros regulatórios para esse segmento, na visão de Ribeiro. A partir da publicação do decreto, haverá um prazo de seis meses para a adaptação das novas regras, de acordo com a lei aprovada em dezembro. 

VEJA TAMBÉM — AÇÕES DA B3 (B3SA3) PODEM SUBIR 30%: É HORA DE COMPRAR! VEJA OUTROS 3 PAPÉIS PARA COMPRAR AGORA

Marco importante — em um momento mais importante ainda

A vitória para o Brasil acontece em um momento complicado para as criptomoedas.

Não apenas as cotações permanecem lateralizadas por meses — o bitcoin (BTC), por exemplo, encontra dificuldade para romper a barreira dos US$ 27 mil — mas também porque os EUA estão realizando um cerco regulatório contra o mercado de ativos digitais. 

A SEC, o equivalente a CVM dos EUA, processou gigantes do setor nas últimas semanas, entre elas, Coinbase e Binance. Na visão do advogado Rodrigo Borges, a aprovação da lei coloca o Brasil à frente dos Estados Unidos nesse sentido. 

“O grau de incerteza por conta da ausência de regras claras acaba fazendo com que a SEC faça uma regulação by enforcement [“por coerção”, na tradução livre do inglês] por conta do limbo legislativo”, explica. Em outras palavras, a Comissão acaba impondo regras e condições pouco claras para o setor por meio de ordens e decisões judiciais. 

“O Brasil tem uma oportunidade de ouro agora para criar um cenário claro e favorável para o desenvolvimento das empresas, e, sendo uma das grandes economias do mundo, a gente se coloca mais uma vez na vanguarda do setor de criptoativos”, concorda Arthur Ribeiro, da Coinext.

Compartilhe

É A VOLTA DO RALI

Bitcoin (BTC) salta e busca os US$ 59 mil após inflação dos EUA vir menor que o esperado; veja criptomoedas que sobem hoje

11 de julho de 2024 - 10:33

Imediatamente após os dados de inflação, os mercados já precificaram em cerca de 87% de chance de o Fed começar a cortar as taxas em sua próxima reunião, em setembro

CRIPTOMOEDAS HOJE

Até onde vai o preço do bitcoin (BTC)? Queda pode colocar criptomoeda no nível de US$ 50 mil, mesmo com expectativas positivas para 2024

8 de julho de 2024 - 12:12

Apesar das perspectivas de curto prazo serem negativas, analistas ouvidos pela reportagem apontam que, em um horizonte maior, o bitcoin tende a se valorizar

CRIPTOMOEDAS HOJE

Bitcoin (BTC) começa semana com desconto de 6% após perdas recentes; entre as criptomoedas, Notcoin (NOT) salta 50% hoje 

7 de julho de 2024 - 11:49

O Notcoin começou como um jogo que se tornou viral entre os usuários do app de mensagens Telegram

EM QUEDA LIVRE

Bitcoin (BTC) perde suporte e chega aos US$ 54 mil; criptomoedas derretem em meio à crise da gestora Mt. Gox

5 de julho de 2024 - 9:41

Gestora que entrou em falência há dez anos realizará pagamentos aos credores neste mês; distribuição de bitcoins no mercado pressionam os preços das criptomoedas nesta sexta-feira (5)

DESCE?

Bitcoin (BTC) cai e testa suporte de US$ 57 mil com vencimento de contratos somando mais de US$ 340 milhões

4 de julho de 2024 - 7:27

Além disso, a ausência de negócios em Nova York em virtude do feriado de independência dos EUA tende a trazer volatilidade aos negócios

ONDE INVESTIR NO 2º SEMESTRE

Bitcoin (BTC) vai renovar máximas históricas de novo? Analistas veem criptomoedas apenas no início de um ciclo de novas altas

4 de julho de 2024 - 6:15

Conheça também três setores e três moedas virtuais que podem se valorizar no segundo semestre de 2024

REAL DIGITAL

Um jabuti no Drex: Congresso usa PEC da autonomia do BC para preservar cartórios dos impactos do real digital

3 de julho de 2024 - 9:43

Jabuti que limita uso do real digital para reduzir burocracia foi inserido na PEC da autonomia do BC durante tramitação na CCJ do Senado

CRIPTOS HOJE

Bitcoin (BTC) fura suporte dos US$ 60 mil com queda de quase 5% em meio a ‘liquidação’ das criptomoedas

3 de julho de 2024 - 8:10

Neste mês, a distribuição de bitcoins da extinta corretora de criptomoedas (exchange) Mt. Gox, que já foi a principal corretora ativa do mercado, deve acontecer

SEU DIA EM CRIPTO

Recuperação do bitcoin (BTC) é ofuscada por ‘novo’ protocolo do ethereum (ETH); veja preço das criptomoedas hoje

1 de julho de 2024 - 9:08

Ele se chama ethereum name service (ENS), que transforma os caracteres dos endereços das carteiras digitais (wallets) em palavras escolhidas pelo usuário

Os mais procurados

EUA aumentam recompensa pela “rainha cripto” foragida, mas não sabem nem se ela ainda está viva

27 de junho de 2024 - 18:51

FBI elevou a recompensa pelo paradeiro de Ruja Ignatova para US$ 5 milhões

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar