🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Sobrevivência na selva: quem vai prevalecer diante do ‘risco empresarial’?

Período pós-pandemia e de abertura de juros no mundo tem sido desafiador para assets brasileiras, especialmente as mais novas; veja todos os novos participantes da indústria de fundos e o destino já definido de alguns deles

10 de fevereiro de 2023
11:19 - atualizado às 10:03
Survivor
Como sobreviver ao risco no mercado financeiro? - Imagem: Divulgação

Me perdoem os fãs do BBB – e a Rafaela Ribas –, mas existe um reality show muito mais interessante e que mostra verdadeiramente a natureza humana e sua capacidade de superação, o Survivor.

Antes, um disclaimer: não vale associá-lo ao “No limite”, adaptação brasileira do reality. André Marques fica longe de representar Jeff Probst, apresentador da versão original — apesar de que Fernando Fernandes fez um ótimo trabalho na última temporada.

No programa, entre 16 e 20 pessoas são (literalmente) largadas em uma ilha remota durante 39 dias, utilizando suas próprias habilidades e o ambiente ao redor para sobreviver. O último participante é coroado como o “Sobrevivente”, embolsando um prêmio milionário.

Imagine você, como um participante da série, lançado em uma ilha remota, com poucos recursos.

Você precisa usar sua astúcia, habilidades de equipe e criatividade para resistir aos desafios da natureza — e a outros concorrentes —, buscando maneiras de prosperar e ser visto (e bem-quisto) pelo público. 

É uma luta constante para alcançar o sucesso — ou, simplesmente, fugir do fracasso.

O mercado brasileiro é uma ilha?

Agora, imagine essa ilha como o mercado financeiro brasileiro em que, em vez de sobreviver na selva, isso precisa ser feito em um ambiente de juros altos, baixo crescimento e acesso restrito a crédito. Como se não bastasse, as incertezas políticas e econômicas estão sempre à espreita, esperando o melhor momento para derrubá-lo.

É justamente nesse ambiente que as assets (gestoras) brasileiras têm buscado se manter vivas desde o pós-pandemia e a abertura de juros no Brasil e no mundo.

Uma selva chamada Brasil

Em meados de 2020, diante de uma necessidade de injeção de liquidez na economia e pacotes fiscais bilionários com o surgimento da Covid-19, as taxas de juros caíram para os menores patamares históricos já vistos — a Selic, taxa básica de juros brasileira, chegou a atingir 2% no seu momento mais baixo.

Aproveitando o ambiente de juros baixos e Bolsa em tendência de alta da época, muitas assets novas surgiram, chegando ao mercado na tentativa de prosperar e oferecer mais uma opção aos investidores.

Essa euforia, no entanto, foi passageira.

Com a inflação nas alturas, superando os dois dígitos em pouquíssimo tempo, o Banco Central (BC) foi forçado a realizar um aperto monetário em ritmo mais duro, realizando, por exemplo, ajustes positivos de 1,5% em três reuniões seguidas ao fim de 2021. 

Veja como ocorreu essa dinâmica entre juros e inflação (representada pelo IPCA) no período e sua comparação com os patamares dos últimos dez anos:

Gráfico, Gráfico de linhas

Descrição gerada automaticamente

Repare que estamos, hoje, em níveis monetários similares aos do governo Dilma, em que o Brasil teve o terceiro pior desempenho econômico dos últimos 133 anos, desde a Proclamação da República.

Pelo menos, como pode ver, a Selic alta tem feito seu trabalho, com a inflação apresentando sinais de arrefecimento ao longo de 2022. 

Essas condições apertadas, entretanto, se mantidas por muito tempo — o mais provável, dado que a última projeção do relatório Focus, do BC, é de fecharmos o ano com uma Selic de 12,5% —, podem levar o país a uma recessão grave, sendo que hoje já são sentidos efeitos nas empresas.

É o caso dos (ultimamente bastante comuns) “lay offs”, ou “demissões em massa” no bom português, em empresas brasileiras como o QuintoAndar, XP, Buser e, mais recentemente, o C6 Bank. Nem as gigantes lá fora, como Amazon, Google e Meta (dona do Facebook e Instagram), escaparam desse fenômeno.

Na indústria de fundos, com esse custo de oportunidade alto, naturalmente ocorreu uma migração forte do investidor — pessoa física e institucional — de ativos de risco para o conservadorismo da renda fixa entre 2021 e 2022, em nível ainda mais intenso do que na época Dilma:

Gráfico, Gráfico de cascata

Descrição gerada automaticamente

Aqui vale um comentário: para fundos multimercados, entretanto, esse movimento é até contraintuitivo, pois há uma concepção errada de que eles têm dificuldade em gerar alfa (retorno acima do CDI) em um cenário de alta de juros.

É exatamente o contrário. Esse é o momento que eles conseguem operar o que, normalmente, a pessoa física não consegue: venda de Bolsa (local e globais), tomados em juros (apostando na alta da taxa) ao redor do mundo, operações com moedas de diversas regiões e compra e venda de commodities.

Os multimercados são aqueles com mais ferramentas para sobreviverem nesse ambiente. Fundos como o Mar Absoluto (CDI + 22,3% em 2022), SPX Raptor (CDI + 19,5%), Vinland Macro Plus (CDI + 18,3%) ou Legacy (CDI + 11,2%) foram destaque em toda a indústria, justamente ganhando dinheiro com essas operações.

Mas, claro, essa “selva” recheada de riscos que assustam os investidores cria um cenário difícil para as gestoras novatas.

Planta e árvore na floresta

Descrição gerada automaticamente

Os novos participantes do reality de fundos

Em um ambiente desafiador como o atual, aquelas assets com menor “tempo de casa” — ainda que com gestores experientes — possuem um cenário ainda mais difícil à frente, enquanto as maiores assets buscam estocar e diversificar seus “alimentos” (patrimônio), colhidos de épocas anteriores.

Veja a lista com algumas das novas gestoras que surgiram nos últimos quatro anos (em ordem cronológica):

  • Mar Absoluto (fevereiro de 2019), gestora de Luis Moura, Bruno Coutinho e Philippe Perdigão, egressos do 3G, BTG Pactual e Opportunity respectivamente;
  • Absoluto Partners (abril de 2019), comandada por José Zitelmann e Gustavo Hungria, que deixaram o BTG Pactual em 2019;
  • BlueLine (maio de 2019), fundada por Giovani Silva e Fabio Akira, ex-head de tesouraria e ex-economista-chefe do JP Morgan, respectivamente;
  • AvantGarde (agosto de 2019), do sócio-fundador e gestor Luciano Boudjoukian, que era responsável pela gestão de crédito no Banco BBM;
  • Macro Capital (agosto de 2019), gestora criada por Nilson Teixeira e Mauro Bergstein, egressos do Credit Suisse;
  • Ace Capital (setembro de 2019), cujos sócios vieram da tesouraria do Santander, Fabricio Taschetto, Ricardo Denadai, Luiz Missagia e Daniel Tatsumi;
  • Panamby (dezembro de 2019), gestora de Reinaldo Le Grazie, que atuou como diretor de política monetária do Banco Central entre 2016 e 2019;
  • Capstone (março de 2020), criada por sócios egressos da SPX, Sebastian Lewit, Marcio Albuquerque e Frederico Saraiva;
  • Asset 1 (abril de 2020), gestora do ex-CIO da Itaú Asset, Marcello Siniscalchi, idealizador do Itaú Hedge Plus, um dos melhores multimercados da indústria;
  • Genoa (junho de 2020), fundada por ex-gestores do Itaú Hedge Plus, André Raduan, Emerson Codogno, Mariano Steinert e Wladyslaw Ribeiro;
  • Clave (junho de 2020), fundada pelo ex-CEO da Itaú Asset e ex-diretor dá área de FoFs (fundo de fundos) do banco, Rubens Henrique;
  • Taruá (novembro de 2020), gestora de Renan Vieira, que mais recentemente esteve na Geração Futuro Asset e Athena;
  • O3 Capital (dezembro de 2020), gestora que administra há quase 10 anos a fortuna do empresário Abilio Diniz, comandada por Daniel Mathias, que trabalhou no BNP Paribas, Itaú Unibanco e Original;
  • Encore (janeiro de 2021), fundada por João Braga, ex-gestor de renda variável da XP;
  • Norte (janeiro de 2021), gestora de Gustavo Salomão, egresso do Garantia/Credit Suisse;
  • Grimper (fevereiro de 2021), comandada por Sylvio Castro e André Szasz, egressos do CSHG;
  • DAO Capital (março de 2021), gestora de Fabio Motta, que trabalhou no Citibank, Western Asset e Banco ABC Brasil;
  • Greenbay (abril de 2021), criada por Gustavo Brotto, ex-head de tesouraria do Santander;
  • Ryo (maio de 2021), fundada por Luiz Constantino, ex-PM do Opportunity;
  • Tower Three (junho de 2021): fundada por Ricardo Almeida, ex-CEO da Bradesco Asset Management, e Marcelo Nantes, que também veio do banco;
  • Sterna (julho de 2021), gestora de Bruno Magalhães, ex-Autonomy;
  • Alphatree (setembro de 2021), criada por Rodrigo Jolig, que atuou em instituições como HSBC e Morgan Stanley, e Jonas Doi, que trabalhou na Verde Asset
  • Upon Global (novembro de 2021), casa de Thiago Melzer, egresso do Morgan Stanley;
  • Tenax (fevereiro de 2022), fundada pelos executivos que saíram da AZ Quest, Alexandre Silverio, Sergio Silva e Vinicius Fukushiro.

Você deve ter reparado a presença de nomes como o Mar Absoluto, destaque do ano passado. Essa é, inclusive, uma das gestoras recomendadas na série Melhores Fundos e ex-integrante da carteira Melhores Fundos Novais Ideias, portfólio que reúne 14 novas assets (ou novas estratégias de gestoras antigas), tendo sido promovido para a carteira de maior potencial de retorno da série por conta do seu destaque positivo, o Melhores Fundos Retorno Absoluto.

Infelizmente para alguns, não é incomum a necessidade de um ajuste de rota diante de um cenário tão difícil como o atual. E, se você já andou na selva, sabe como é difícil manter o seu senso de direção em meio a uma mata densa.

O exemplo mais recente é o da Macro Capital, que anunciou nos últimos dias o seu encerramento pela dificuldade de captação, patrimônio insuficiente para manter a estrutura (R$ 80 milhões) e desempenho aquém desde sua criação — o que também dificulta esse interesse dos investidores e a possibilidade de uma recuperação.

Outros movimentos que ocorreram foram as incorporações da Grou pela Ace Capital e da Greenbay pela BlueLine, que aproveitaram suas sinergias para se tornarem mais fortes juntas.

Quem vai sobreviver ao risco?

É aqui que entra o “risco empresarial”. Para gestoras novas, com patrimônio em ascensão e que tiveram dificuldade de gerar performance no seu mercado atuante (principalmente se é apenas um), as chances de sobrevivência diminuem.

Por isso, também é importante que uma gestora seja entendida como um negócio e, além de diversificar o portfólio de investimentos de seu flagship (estratégia principal), também é interessante a diversificação entre classes oferecidas aos investidores.

Temos visto, por exemplo, o movimento de diversas casas, inicialmente focadas em uma única estratégia (multimercados ou ações principalmente), criando áreas de crédito para surfar o interesse do mercado na classe em juros altos, como Absolute, Legacy, Trígono e Real Investor.

Isso é importante para que, independentemente do ambiente, elas sejam capazes de captar recursos, remunerar bem suas equipe e se manterem vivas no jogo de longo prazo.

Outras “feras” maiores conseguem se aproveitar desse ambiente para reforçar sua base de negócios, como o BTG, que adquiriu parcela minoritária em assets como a Absolute, Perfin e Clave; ou a XP, que fez o mesmo processo com a Augme, Encore, Grimper, AZ Quest, Giant Steps, Jive, Capitânia e Vista.

O Itaú também foi inovador nesse processo, com o seu programa “Rising Stars”, que investe nas gestoras Ace, BlueLine, Tenax e Vinland, além de aproveitar parte da receita (top-line) gerada pelas casas — assim como os investidores do FoF Melhores Fundos, que aplica no Itaú Rising Stars, que recebem indiretamente esse retorno.

E você, o que acha? Qual asset pode ser a próxima a ser “mandada para casa” e qual será aquela que tem mais chances de buscar o “prêmio milionário”?

Um abraço,

Alê Alvarenga

Compartilhe

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Informação exclusiva, últimos dias para declarar o IR 2024 e dólar nas alturas na Argentina — confira as notícias mais lidas da semana no Seu Dinheiro

25 de maio de 2024 - 9:21

A posse da nova presidente da Petrobras, Magda Chambriard, a ata do Fed e a aprovação do ETF do ethereum nos Estados Unidos mexeram com os mercados, mas não brilharam sozinhas

Especial de IR

Fui MEI por um ano, mas não entreguei a declaração de imposto de renda de pessoa física. Posso vir a ter problemas?

25 de maio de 2024 - 7:46

Ela deixou de entregar a declaração de imposto de renda como pessoa física no ano em que trabalhou como MEI, mas pode ter cometido um erro…

SEXTOU COM O RUY

O investimento secreto de Warren Buffett: aprenda a aplicar a mesma estratégia para ganhar dinheiro no Brasil

24 de maio de 2024 - 9:01

Aposta mais recente de Warren Buffett aparecia na SEC como confidencial, o que gerou muita curiosidade entre os investidores

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Adagio ma non troppo: Com Ibovespa em marcha lenta, Wall Street anima os mercados; confira o que movimenta as bolsas hoje

24 de maio de 2024 - 8:50

Caminhos dos juros nos EUA e Brasil voltam a preocupar investidores; balanço da Americanas adiado, novo CEO da Vale e aprovação do ETF de ethereum agitam as bolsas nesta sexta-feira

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O problema dos 3%: como a desancoragem das expectativas atrapalha a queda dos juros no Brasil

24 de maio de 2024 - 6:34

O ministro Fernando Haddad considera a meta de inflação de 3% praticamente inalcançável, o que eleva ansiedade quanto a uma possível revisão

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Você leu o que o Fed escreveu para você?

22 de maio de 2024 - 20:05

O segredo para uma jornada de sucesso como investidor ou como empreendedor começa com algo bem simples… a leitura.

CRYPTO INSIGHTS

O mercado de criptomoedas está influenciando as eleições nos EUA? O que o ETF de ethereum (ETH) tem a ver com a política americana

21 de maio de 2024 - 20:05

Nesta semana uma votação crucial está prevista para acontecer em Washington e pode remodelar o panorama regulatório para os ativos digitais nos Estados Unidos

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Dez anos de “O Fim do Brasil”

20 de maio de 2024 - 20:01

Dez anos de lançamento de “O Fim do Brasil” e, afinal, a que fim chegou a economia do Brasil? Estamos em queda livre em direção ao pior?

Especial IR

Me mudei para Portugal, mas não entreguei a Declaração de Saída Definitiva do País; como regularizar a situação?

18 de maio de 2024 - 8:00

Documento serve para encerrar as obrigações fiscais do contribuinte no Brasil, mas este leitor não a entregou e agora recebeu uma herança

SEXTOU COM O RUY

A Petrobras (PETR4) desabou mais uma vez: surge uma barganha na bolsa com dividendos bilionários?

17 de maio de 2024 - 6:04

Nas últimas várias trocas no comando da Petrobras, não tivemos grandes mudanças no dia a dia da companhia, o que inclusive permitiu ótimos pagamentos de dividendos nos últimos anos, mesmo com CEOs distintos — será que agora também vai ser assim?

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar