🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Eletrobras (ELET3) e o risco Lula: rasgar o contrato pode ser pior para o governo do que para a companhia

Uma eventual mudança nos termos da privatização da Eletrobras (ELET3), como deseja o governo Lula, implicaria em mais insegurança jurídica

12 de maio de 2023
6:11 - atualizado às 17:35
Eletrobras
Eletrobras -

Depois de anos tentando encontrar o imóvel dos seus sonhos, você finalmente consegue achar um que é a sua cara. O preço não é exatamente uma barganha, mas você já se imagina descansando naquele lindo jardim depois de um longo dia de trabalho, ou curtindo a piscina num fim de semana de sol com os amigos.

Depois de pensar bastante, você finalmente compra o imóvel, sonhando com os dias relaxantes que a nova casa poderá te proporcionar.

Após horas e horas cansativas de mudança, você resolve aproveitar o "seu" quintal — e encontra uma surpresa muito desagradável: o antigo dono de sunga, na piscina, como se a casa ainda fosse dele.

Ao perguntar o que ele ainda estava fazendo ali, a resposta foi: "Decidi que você vai ficar só com a parte interna". Apesar de ter você ter pagado pela casa inteira, o antigo dono disse que mudou de ideia depois de receber o dinheiro e que continuaria com metade da propriedade.

Parece impossível, não é? Pois saiba que estão tentando fazer algo parecido com a Eletrobras (ELET3).

Uma das regras claras do processo de privatização da Eletrobras era que o poder de voto de qualquer acionista estaria limitado a 10%, mesmo que sua posição acionária fosse maior do que essa. Essa condição não era um mero detalhe — na verdade, sem ela, é improvável que houvesse interessados na oferta.

Talvez o governo arrecadasse R$ 2 bilhões ou R$ 3 bilhões, mas jamais captaria os R$ 30 bilhões injetados na elétrica com a promessa de que não iria mais "dar as cartas" na companhia.

Ou seja: os investidores compraram (e pagaram) pelo direito de usar a casa inteira, mas agora correm o risco de ficar só com o quartinho dos fundos.

Se acontecer, será ruim para Eletrobras

Sem rodeios: se governo sair vitorioso nessa disputa e voltar a ter ampla maioria de votos, praticamente todas as perspectivas de melhora decorrentes da privatização, justamente por ter conseguido limitar a influência política a 10%, iriam por água abaixo.

Na prática, a Eletrobras voltaria a sofrer com as mesmas mazelas de qualquer outra estatal: quadros extremamente inchados, investimentos pífios, cargos importantes preenchidos por indicações políticas, pouco foco em rentabilidade, e por aí vai.

No entanto, isso não necessariamente seria um desastre para as ações. Hoje, a Eletrobras já negocia bem abaixo dos patamares da privatização (R$ 42) e em níveis inferiores aos de vários períodos pré-privatização, inclusive. 

Comportamento das ações da Eletrobras desde 2018. Fonte: TradingView; Elaboração: Seu Dinheiro

Ou seja, o risco existe, mas os preços atuais já incorporam boa parte desse pessimismo.

Será muito pior para o país (e para o próprio governo)

Mas é bom lembrar que o modelo e os valores envolvidos na privatização foram amplamente discutidos e aprovados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e também pelo Congresso, em um processo que demorou anos para ser aperfeiçoado e finalizado.

Recentemente, até o Ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, que foi contra a privatização na época, disse haver dificuldades para contestação do processo por esses motivos.

O novo governo pode até discordar da modelagem do processo — é impossível agradar todo mundo mesmo. Mas será que está disposto a devolver os cerca de R$ 30 bilhões recebidos dos investidores no ano passado? Acho difícil.

Se você me perguntar se eu acho que a privatização será revertida, a minha resposta é "não", não só por causa da solidez do processo e aprovação do TCU e do Congresso, mas também porque o governo tem contestado muito, mas feito muito pouco desde o início de 2023.

Começou o ano dizendo que iria mudar a política de preços da Petrobras, mas não fez nada sobre o assunto. Em seguida, passou a criticar a independência do Banco Central, mas também ficou apenas no discurso. Ao que tudo indica, a vilã da vez é a Eletrobras, mas quem garante que não ficará apenas no discurso mais uma vez?

Além disso, o governo deve ter alguma ideia do risco de se "rasgar" um contrato desse tamanho para a estabilidade política e econômica do país. Qualquer investidor pensará duas, três, quatro vezes antes de investir no Brasil, fora os efeitos negativos imediatos sobre o câmbio, curva de juros e inflação — um tiro no próprio pé.

Obviamente, essa discussão ainda deve demorar algum tempo e continuar pressionando as ações da elétrica.

Mas, por apenas 0,8 vez seu valor patrimonial e com perspectivas de melhora relevante de resultados pela frente, caso Lula desista de engessar a companhia novamente, entendemos que boa parte do pessimismo já está embutido nos preços e a Eletrobras (ELET6) segue na carteira da série Vacas Leiteiras.

 Se quiser conferir o portfólio completo, deixo aqui o convite.

Um grande abraço e até a semana que vem!

Ruy

Compartilhe

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Fed anima e Ibovespa emplaca melhor sequência desde 2018 — mas vale a pena pagar para ver de novo?

12 de julho de 2024 - 7:46

Desaceleração da inflação nos EUA e sinalização de Powell levam investidores a projetarem corte de juros em setembro — e isso pode ajudar o Ibovespa

SEXTOU COM O RUY

A hora de comprar bolsa é agora? A alta recente pode ser apenas um aperitivo, mas é preciso ter cautela e escolher as ações certas

12 de julho de 2024 - 6:11

Se a ideia é investir em empresas confiáveis, geradoras de caixa e descontadas que conseguirão atravessar o ambiente macro sem sustos mesmo que o clima venha a piorar novamente, esse é um ótimo momento para investir

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Um significado para o CPI: Inflação ao consumidor dos EUA dá o tom com S&P-500 em nível recorde e Ibovespa em busca da nona alta seguida

11 de julho de 2024 - 8:09

Além da inflação ao consumidor norte-americano, investidor brasileiro também repercute vendas no varejo e regulamentação da reforma tributária

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Como definir e melhorar seus objetivos de poupança?

10 de julho de 2024 - 20:00

No artigo “Goal Setting and Saving in the FinTech Era”, autores estudam o real impacto da opção de definir objetivos de poupança e os achados são animadores

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

É igual, mas pode ser diferente: Ibovespa busca oitava alta seguida em dia de Powell no Congresso dos EUA e IPCA por aqui

10 de julho de 2024 - 7:58

Além do testemunho de Powell e da inflação oficial no Brasil, investidores monitoram regulamentação da reforma tributária

CRYPTO INSIGHTS

É para comprar bitcoin (BTC) agora? A resposta sem arrodeios está aqui

9 de julho de 2024 - 13:42

Primeiro, vamos compreender a dinâmica atual do bitcoin (BTC) e do mercado atual e, em seguida, investigar o que os dados estão nos dizendo

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

De grão em grão: Testemunho de Powell nos EUA coloca à prova série de altas do Ibovespa em meio a feriado em SP

9 de julho de 2024 - 8:03

A bolsa brasileira já acumula alta de 2,02% neste início de julho — já é mais do que a alta acumulada de 1,48% em todo o mês de junho

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

França e Reino Unido experimentam reviravoltas políticas, mas resultados geram situações bem distintas

9 de julho de 2024 - 7:01

Enquanto os trabalhistas obtiveram maioria folgada para governar no Reino Unido, a França flerta com a paralisia política

EXILE ON WALL STREET

Tony Volpon: In Nvidia We Trust? Por que alguns especialistas estão pessimistas sobre o crescimento exponencial da IA

8 de julho de 2024 - 20:30

Dada a crescente concentração na Nvidia, algumas vozes estão avisando que o “ciclo IA” tem peculiaridades que podem torná-lo mais arriscado que as últimas transformações tecnológicas

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Voltas e reviravoltas: Ibovespa tenta manter alta em semana de dados de inflação enquanto bolsas repercutem eleições na França

8 de julho de 2024 - 8:02

Ibovespa ainda não sabe o que é cair em julho; testemunhos de Powell, futuro de Biden e regulamentação da reforma tributária estão no radar

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar