🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-06-08T22:31:34-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
MAIS UM SINAL VERDE

Acionistas da Aliansce Sonae (ALSO3) também dizem “sim” à fusão com a brMalls (BRML3) — veja o que falta para o nascimento da gigante dos shoppings

Cerca de 79,6% dos acionistas da Aliansce apoiaram o negócio. Já os detalhes da votação da brMalls ainda não foram divulgados

8 de junho de 2022
18:11 - atualizado às 22:31
Montagem com a foto de consumidores andando em um shopping e os logos da Aliansce Sonae (ALSO3) e brMalls (BRML3)
Imagem: Divulgação

Depois da assembleia geral extraordinária da brMalls (BRML3) aprovar o negócio mais cedo, agora foi a vez dos acionistas da Aliansce Sonae (ALSO3) também dizerem "sim" para a fusão entre as duas administradoras de shoppings.

Vale lembrar que, para que a operação fosse para frente, era necessário receber o sinal verde de acionistas correspondentes a mais de 50% da base total das duas companhias.

Segundo informações do Broadcast, 79,6% dos acionistas da Aliansce apoiaram o negócio nesta quarta-feira (8). Já a brMalls garantiu a aprovação de 68,5% da base.

"Movimentos de união como este trazem ganhos para todos - clientes, parceiros, acionistas e consumidores", reforça uma nota assinada por Rafael Sales, CEO da Alinasce Sonae, e Ruy Kameyama, CEO da brMalls, e divulgada após a votação.

Com o desfecho das assembleias gerais extraordinárias, as empresas aguardam a autorização do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para prosseguir com a operação.

Enquanto o sinal verde do órgão regulador não vem, brMalls e Aliansce seguirão trabalhando separadas, "de forma independente", conforme destacam os CEOs na carta conjunta.

brMalls (BRML3) foi uma noiva cobiçada

Vale relembrar que a Aliansce Sonae não era a única pretendente da brMalls. E, ciente de que era cobiçada por outros players do setor, a noiva soube usar isso a seu favor e recusou as duas primeiras propostas de combinação de negócios.

Oficialmente, a administração alegou que os termos oferecidos eram insuficientes e subavaliavam o valor da companhia. Mas, segundo o sócio de uma gestora ouvido pelo Seu Dinheiro, os executivos tiveram outras razões para resistir ao assédio.

“Claro que houve a preocupação de perder o emprego e o management buscou uma maneira de alinhar os interesses. Não quer dizer que isso seja errado, a verdade é que o executivo pensa diferente do dono.”

Mas a Aliansce Sonae foi um pretendente insistente. Além de melhorar os termos financeiros duas vezes — a proposta aceita foi 17,2% maior do que a primeira oferta lançada pelo grupo no início do ano — a empresa buscou a união de outras formas e comprou ações da brMalls diretamente na B3.

Assim, em conjunto com o fundo canadense CPPIB, a Aliansce já é hoje a maior acionista individual da brMalls, com quase 11% do capital. As gestoras Squadra, Capital International e Atmos também detêm participações relevantes na companhia.

A proposta final da Aliansce (ALSO3)

Como já te contamos, a Aliansce precisou abrir o caixa para garantir a fusão. A proposta aceita pela brMalls prevê que os acionistas receberão R$ 1,25 bilhão em dinheiro e 326.339.911 ações da Aliansce pelo negócio — o equivalente a uma relação de troca de um papel BRML3 para 0,3940 ALSO3.

Para agradar a administração, a Aliansce Sonae também incluiu no acordo cláusulas para aceleração dos planos de stock options — opções que dão direito à compra ações por parte dos funcionários de uma empresa — e outros benefícios outorgados nos planos de remuneração.

Os executivos da brMalls também terão direito a um pacote indenizatório em caso de desligamento involuntário, sem justa causa, até 12 meses após a consumação da operação.

Os novos termos agradaram: “A administração da brMalls entende que a combinação de negócios proporcionará uma nova companhia com liderança comercial, ganhos de escala, captura de sinergias e maior capacidade de investimento”, informou a empresa em nota divulgada após o “sim”.

Segundo o acordo, todas as ações da brMalls serão incorporadas pela Aliansce. Os acionistas da primeira empresa serão donos de 55% da nova companhia.

Mas, na prática, o controle acionário pode não valer de muita coisa na hora das decisões estratégicas. No novo conselho administrativo, formado por nove membros, quatro serão escolhidos pela Aliansce, dois pela brMalls e três serão membros independentes.

Como ficam os acionistas?

A administração de ambas as empresas e os respectivos conselhos de administração estão satisfeitos com o acordo. Mas como fica a situação dos acionistas?

Segundo Alexandre Machado, sócio e responsável pelo setor de shopping centers na Hedge Investments, eles também têm muito a ganhar, e em diversas frentes.

O primeiro, e mais claro, benefício será sentido na bolsa de valores. “Há uma visão de que as companhias combinadas teriam cerca de R$ 13 bilhões de valor de mercado, o que deve aumentar a liquidez e a visibilidade dos papéis. Portanto, é esperado também uma potencial valorização das ações”, afirma Machado.

O sócio da Hedge conta ainda que uma companhia de porte maior pode atrair determinados investidores que não olham para companhias menores. Logo, a fusão amplia também a capacidade de atrair novos acionistas.

De acordo com a apresentação da fusão elaborada pelo BTG Pactual, que fez a assessoria da transação do lado da Aliansce Sonae, a futura empresa será a campeã de liquidez no setor e terá os mais altos padrões de governança corporativa.

Vale destacar que, juntas, as duas administradoras operam 69 shopping centers. Os ativos foram responsáveis por um volume de vendas de R$ 39 bilhões em 2019.

brMalls (BRML3) e Aliansce (ALSO3) têm sinergias de sobra, mas no curto, médio ou longo prazo?

Outra potencial fonte de ganhos para os acionistas está nas sinergias previstas para a fusão. O sócio da Hedge aponta que, segundo os cálculos da Aliansce, as economias financeiras já mapeadas chegam a R$ 210 milhões por ano.

“É um número que, conceitualmente, faz muito sentido. A Aliansce também tem bastante propriedade para falar de economia graças ao histórico da operação com a Sonae. A fusão [ocorrida em 2019] de fato trouxe benefícios financeiros de diversas fontes”, indica Machado.

Além disso, um importante ponto para a eficiência da nova empresa é o ganho de poder de barganha tanto em relação aos fornecedores quanto aos lojistas. “Os lojistas ganharam força e sofisticação nos últimos anos. Nessa balança, o equilíbrio é alcançado com uma empresa maior e com mais ativos para negociar”.

Alessandro Vedrossi, sócio-diretor responsável pela área imobiliária da Valora Investimentos, concorda que a visão para a operação é positiva no longo prazo, mas faz uma ressalva: “a dúvida é quando efetivamente eles conseguirão ganhar economia de escala no curto prazo considerando as despesas e custos intrínsecos a uma transação desse tamanho”.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Fraqueza nos números

Entrega de veículos da Tesla (TSLA34) recua no segundo trimestre e vem abaixo da expectativa do mercado

Apesar do crescimento das vendas na comparação anual, houve uma queda em relação ao trimestre anterior

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

No vermelho

Magazine Luiza (MGLU3) é a ação com o pior desempenho do Ibovespa no primeiro semestre de 2022; outras varejistas e techs também sofreram no período

Com queda acumulada de quase 70% no ano, ações do Magalu são as piores do Ibovespa no semestre que acaba de terminar

Proteção

Qual título público comprar no Tesouro Direto? Santander recomenda papel indexado à inflação para o mês de julho; veja qual

Recomendação do banco para o Tesouro Direto visa proteção contra a inflação e possibilidade de valorização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies