O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-28T13:13:09-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
PRIMEIRO E SEGUNDO LUGAR

Por que você deve ter mais ethereum (ETH) do que bitcoin (BTC) na carteira? Entenda em 7 pontos

A pesquisa do Mercado Bitcoin leva em conta os diferenciais do ethereum em relação à maior criptomoeda do mundo

28 de abril de 2022
13:13
Bitcoin (BTC) contra ehtereum (ETH) quem vencerá a disputa
Bitcoin (BTC) contra ehtereum (ETH) quem vencerá a disputa. Imagem: Shutterstock

“Comece com bitcoin” é a dica da maioria dos especialistas no mercado de criptomoedas para qualquer novato nesse mercado. Por ser a moeda digital mais antiga, o BTC já passou por testes de estresse dos mais variados. Mas é o ethereum (ETH) que tem chamado a atenção dos analistas nos últimos anos. 

A última atualização EIP-1559 — ou London Fork — foi o primeiro passo do ethereum em direção a sua versão definitiva, o Ethereum 2.0. E, agora, aquela dica de “compre bitcoin primeiro” pode estar desatualizada. Você pode ler mais sobre as diferenças entre os dois projetos aqui.

É o que pensa o time de research do Mercado Bitcoin. Em sua mais recente publicação, o unicórnio brasileiro do mercado de criptomoedas entende que o momento é propício para aumentar a posição na segunda maior moeda digital do mundo. 

Os sete motivos para isso você confere a seguir:

1 — Desenvolvedores inovadores…

O pilar de qualquer projeto criptográfico são os desenvolvedores. Na rede (blockchain) do ethereum, existe um número crescente de programadores que buscam novas aplicações para essa criptomoeda. 

Mais especificamente, a blockchain do ethereum serve de base para criação de outros projetos. Entre janeiro de 2021 e dezembro daquele mesmo ano, o número de desenvolvedores cresceu 1.184%.

…e mais engajados

Somado a isso, mais de 30% dos programadores que entraram em 2017 permaneceram até o momento, o que mostra um comprometimento com a rede. Vale lembrar que a blockchain das criptomoedas é descentralizada e colaborativa, com os programadores atuando praticamente por conta própria.

E, nas projeções do Mercado Bitcoin, a rede de contratos inteligentes (smart contracts) do ethereum irá captar a maior parte da inovação on-chain das criptomoedas até 2025. 

2 — A queima eficiente do ethereum

Como foi dito anteriormente, a atualização EIP-1559 trouxe algumas inovações para a rede do ETH. Entre elas, estava a queima (burn) de tokens (criptomoedas), o que permitiu que o ethereum fosse uma moeda deflacionária em alguns momentos. 

Dando alguns passos para trás, moedas com emissão infinita não podem ser usadas como reserva de valor, como era o caso do Shiba Inu (SHIB), até sua recente atualização.

O suprimento limitado de tokens permite que a moeda agregue valor, o que se reflete na valorização da criptomoeda. “Apesar dessa situação deflacionária ser apenas uma foto, o filme da rede mudou completamente nos últimos meses porque reduziu a emissão de ether em pouco mais de 64%, desde que foi implementada a EIP-1559”, comenta o relatório.

Fonte: https://watchtheburn.com/

3 — Ethereum: caro, porém…

Uma das grandes críticas dos investidores em ethereum são as altas taxas de transação. De acordo com o Cryptofees, que mede o preço pago pelas gas fees das redes, as taxas da blockchain do ether podem ser até 17 vezes mais caras que as do segundo colocado. 

Colocando em números, a média das taxas recolhidas pela blockchain do ethereum por dia é de US$ 13,935 milhões, enquanto no segundo colocado, a rede da Avalanche (AVAX), é de US$ 805 mil. 

Ethereum contra Ethereum Killers

Entretanto, o relatório destaca que, do ponto de vista técnico, a rede ethereum já passou por diversos testes de estresse e que outras criptomoedas intituladas “ethereum killers” (matadoras de ethereum, na tradução) não conseguiram superar ainda. 

É o caso de projetos como Solana (SOL), que recentemente passou por uma grave crise de confiança após uma falha que gerou lentidão sem precedentes na rede.

4 — Uma cópia, da cópia, da cópia

Além disso, o Mercado Bitcoin destaca que as ethereum killers não passam de uma cópia do que o próprio ether já faz. O quadro a seguir é um exemplo disso: 

Fonte: Mercado Bitcoin

“As cópias das Dapps [Decentralized apps, ou aplicativos descentralizados] do Ethereum podem até atrair os investidores e usuários inicialmente com os seus incentivos inacreditáveis, mas da mesma forma que eles veem com os benefícios, eles vão embora quando eles cessam”, destaca o relatório.

5 — Rearranjo da infraestrutura do ethereum

Os próprios aplicativos da rede do ETH podem se tornar a base para outras aplicações, como é o caso das DeFis, as finanças descentralizadas. Esses protocolos nasceram como um grupo segmentado dentro da blockchain e hoje são a espinha dorsal do futuro do sistema financeiro dentro do universo das criptomoedas.

Em outras palavras, novas aplicações são construídas em cima dos aplicativos da rede ethereum. Isso permite que a blockchain se torne um gigante ecossistema, englobando diversas áreas do mercado cripto. 

6 — Um futuro de múltiplas redes

A palavra mágica do século XXI é conectividade e a internet impulsionou essa ideia. No universo das criptomoedas não é diferente: o futuro será baseado nas multichains (múltiplas criptomoedas ou sistema multirede) .

E adivinha quem estará no centro desta revolução? Exatamente, o ethereum.

Por ser a rede mais antiga e da qual surgem novos projetos, o ETH deve ser a base desse futuro. Com isso, os desenvolvedores precisarão criar aplicações do tipo EVM (Ethereum Virtual Machine, máquinas virtuais em ethereum, na tradução).

Essa conexão entre redes é possível graças ao sistema de pontes (sidechains, no termo técnico) que conectam, por exemplo, o jogo Axie Infinity à rede do ethereum. Você pode entender mais sobre essas “pontes” tomando como exemplo um caso de roubo de criptomoedas.

7 — Ethereum ESG? Temos também

A agenda de boas práticas socioambientais e de governança — traduzidas da sigla em inglês ESG — é um dos pontos principais para o futuro das empresas, e as criptomoedas não estão imunes a esse puxão de orelha. 

Para efeitos de comparação, o relatório compara o consumo de energia com o tamanho de algumas construções. 

Enquanto o bitcoin é o maior prédio do mundo (Burj Khalifa, com 830 m) em consumo de energia (1.135 milhões de watt-hora), a rede ethereum é uma pequena Torre de Pisa, com 57m (84 mil watt-hora).

Após a atualização The Merge, que promete mudar o sistema de validação de proof-of work (PoW, ou “prova de trabalho”) para o proof-of-stake (PoS ou “prova de participação”), a “altura” do consumo do ethereum será de um pequeno prego — ou 35 watt-hora, aproximadamente igual ao custo de execução de um computador doméstico para cada nó (node) na rede. 

E quando isso tudo deve acontecer?

Falar de paciência para os investidores pode ser um assunto espinhoso, mas a pressa é inimiga do retorno.

No mercado cripto não é diferente: na perspectiva histórica, as criptomoedas ganham de investimentos como ouro, dólar e bolsas, com retornos estratosféricos. Por isso, essas inovações da rede devem começar a surtir efeito pelo menos nos próximos três anos. 

“Outras smartcoins terão espaço no futuro, mas acreditamos que pelo menos até 2025 veremos o ethereum na posição de liderança”, destaca.

Quem pode acabar com a festa

Assim como já aconteceu outras vezes, as atualizações estão programadas mas podem atrasar devido aos testes feitos da rede. Isso já aconteceu com o The Merge antes e pode alterar o calendário caso os desenvolvedores acreditem que isso seja o melhor. 

Ainda na linha dos riscos, esse mercado de ativos digitais é altamente volátil, suscetível ao cenário macroeconômico e alterações regulatórias. Com o mundo de olho nas moedas digitais, esses fatores podem limitar os ganhos ou mesmo frustrar os planos de quem quer fazer fortuna com criptomoedas. 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

BALANÇO

Magazine Luiza (MGLU3) deixa lucro para trás e registra prejuízo líquido de R$ 161,3 milhões no primeiro trimestre

Última das grandes varejistas da B3 a divulgar os resultados do primeiro trimestre, o Magazine Luiza (MGLU3) reforçou nesta segunda-feira (16) como o cenário macroecônimo atrapalha a vida das gigantes do comércio físico e eletrônico. A companhia registrou prejuízo líquido de R$ 161,3 milhões entre janeiro e março, contra lucro de R$ 258,6 milhões no […]

Reino Unido ameaça revisão em termos do Brexit e alimenta temores de guerra comercial; fique por dentro da visita de Boris Johnson à Irlanda do Norte

Divergências entre diferentes unionistas e nacionalistas na Irlanda do Norte pode acabar afetando relação entre Reino Unido e União Europeia

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa na contramão de NY, Gol troca comandante e Tesla em apuros; confira os destaques do dia

Mesmo com o dia ruim em NY, o Ibovespa conseguiu ter um dia de ganhos

BALANÇO

De mudança para os EUA, Inter (BIDI11) lucra R$ 27,5 milhões no primeiro trimestre; confira os destaques do banco digital

O Inter também ultrapassou a marca dos 18 milhões de clientes entre janeiro e março, alta de 82% na comparação com o mesmo período de 2021

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies