🔴 TCHAUZINHO, NUBANK: Itaú BBA revela o nome da ação que pode colocar o roxinho para comer poeira; CLIQUE AQUI  e descubra a resposta no nosso Telegram

O melhor do Seu Dinheiro
Ricardo Gozzi
2022-08-12T08:30:32-03:00
O melhor do Seu Dinheiro

Tabus existem para serem quebrados: De futebol a investimentos em estatais, confira o que mexe com o seu bolso hoje

O tabu da vez no mundo do futebol refere-se à gestão financeira dos clubes. No ano passado, uma variação do clube-empresa entrou em cena: a Sociedade Anônima do Futebol (SAF); entenda

12 de agosto de 2022
8:30
futebol

A humanidade é bastante prolífica em tantas coisas. Uma delas é a invenção de tabus. Muda o tempo, muda o lugar, muda a sociedade, mas sempre tem um tabuzinho ali para perturbar a paz das pessoas.

No passado, os tabus eram mais percebidos nas questões de costumes e religião. Por experiência, sei que essas coisas vão e voltam. Mas nada como o tempo para atenuar o rigor de proibições excessivas ou desnecessárias.

É também nesse aspecto que o universo esportivo proporciona um grande ensinamento: tabus existem para serem quebrados.

Um time não vence outro há sei lá quantos anos em manhãs de sexta-feira jogando de meias brancas e umidade do ar inferior a 30%? Uma hora esse tabu vai cair.

Até o início dos anos 1980, um grande tabu envolvia os uniformes dos clubes. As camisas eram espaços sagrados. Era proibido estampar as marcas de patrocinadores nos uniformes. Os clubes eram sustentados pelo quadro de sócios e pela renda das bilheterias.

Quando os patrocínios começaram a ser permitidos, muita gente torceu o nariz. Eu mesmo, quando fui recentemente presentear minha filha com a nova camisa do Corinthians, escolhi uma sem nenhuma marca estampada.

Isso não me impede de entender que os uniformes transformaram-se em uma fonte de receita sem a qual os clubes não se sustentariam. Até os calções são patrocinados hoje.

O tabu da vez no mundo do futebol refere-se à gestão financeira dos clubes. O amadorismo e as negociatas enriqueceram dirigentes, jogadores e empresários, mas quebraram muitos clubes. Quem não quebrou ficou altamente endividado.

Há tempos se fala no conceito de clube-empresa, mas a adesão das camisas mais pesadas do Brasil nunca se concretizou. No ano passado, porém, uma variação do clube-empresa entrou em cena: a Sociedade Anônima do Futebol (SAF).

Trata-se de uma inovação jurídica e ainda não se sabe onde isso vai parar. Quem pode, observa à distância, principalmente entre os times considerados grandes. Mas havia quem não pudesse ficar parado, só olhando.

Botafogo, Cruzeiro e Vasco estavam quebrados. Diante do risco de insolvência, viram na SAF uma tábua de salvação. Não se tratava de ser a favor ou contra. Donos de grandes torcidas e de memoriais recheados de troféus, os três clubes rapidamente encontraram investidores.

Entretanto, o mesmo não se aplica a uma dúzia de outros clubes de menor porte que converteram-se em SAF e não ainda encontraram quem apareça com o dinheiro. Houve até o caso de um clube tradicional que encontrou investidor, mas rejeitou a transformação em SAF. Eu conto essa história na reportagem especial de hoje do Seu Dinheiro.

E por falar em tabu, o Ruy Hungria traz em sua coluna de hoje uma reflexão sobre como ideias muito rígidas podem atrapalhar seus investimentos na bolsa.

Há quem não invista em empresas estatais. Se juntar estatal com commodity então, a pessoa já prepara o alho, a bala de prata e o crucifixo.

No caso do Banco do Brasil, o Ruy explica como e por que a instituição financeira apresenta-se como uma boa opção de investimento.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua manhã". Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

O que você precisa saber hoje

ESQUENTA DOS MERCADOS
Bolsa local reage aos balanços do Magalu (MGLU3) e varejistas enquanto exterior se recupera de ‘semana da inflação’ hoje. Sem maiores indicadores para o dia, os investidores internacionais buscam novas pistas do aperto monetário do Federal Reserve.

RESULTADOS
Oi (OIBR3) sai de lucro para prejuízo no 2T22, mas dívida líquida desaba. A companhia de telecomunicações reportou prejuízo líquido de R$ 320,8 milhões entre abril e junho de 2022.

NÃO FOI À TOA
Apelo de Luiza Trajano teve motivo: Magazine Luiza tem prejuízo de R$ 135 milhões no 2T22. O Magalu reduziu as perdas na comparação com o primeiro trimestre de 2022, mas em relação ao 2T21, acabou deixando o lucro para trás. Veja o que afetou a varejista e confira também o resultado da Via (VIIA3).

BALANÇO DA BOLSA
Cenário difícil para os ativos de risco pesa sobre o resultado da B3 no 2T22. Companhia viu queda nos volumes negociados e nas principais linhas do balanço, tanto na comparação anual quanto na base trimestral. Veja os principais números da operadora da bolsa.

DÊ O PLAY!
Fim do bear market e a hora do varejo: Confira as expectativas da Encore e da Versa para a bolsa. João Luiz Braga, da Encore, e Luiz Alves Junior, da Versa, foram os convidados do Market Makers na semana e passaram suas visões para a bolsa.

ECONOMIA EM 2023
Qualquer que seja o resultado da eleição, a equipe econômica vai restabelecer a âncora fiscal, diz CEO do BTG Pactual. Durante a Febraban Tech 2022, Roberto Sallouti tentou minimizar a polarização política e disse que “o Brasil é um só”.

Uma boa sexta-feira para você!

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

SEGURO MORREU DE VELHO…

Ação do IRB (IRBR3) pode subir mais de 50%, mas o Safra diz que não é hora de comprar; saiba por quê

26 de setembro de 2022 - 13:07

O banco tem recomendação neutra para os papéis da resseguradora, e cortou o preço-alvo de R$ 2,40 para R$ 1,70 em reflexo da oferta primária de ações que captou R$ 1,2 bilhão no início do mês.

DIVIDENDO E CAPITAL

Localiza (RENT3) vai colocar R$ 346 milhões no bolso dos acionistas, mas pode “tirar” uma parte em outra operação; entenda

26 de setembro de 2022 - 10:34

Localiza (RENT3) vai distribuir juros sobre o capital próprio (JCP), mas chama acionistas para aumento de capital que pode chegar a R$ 150 milhões

é hora de comprar?

XP inicia cobertura da Eletrobras (ELET3) com recomendação de compra e acredita que o papel pode subir 55%

26 de setembro de 2022 - 10:14

Para a XP, potencial de valorização da Eletrobras (ELET3) tem relação com forte geração de caixa e mudanças trazidas pela privatização

SEM CALMA ANTES DA TORMENTA

Fundador da Terra (LUNA) é procurado em 195 países e bitcoin (BTC) aguarda dados dos EUA: saiba o que movimenta as criptomoedas esta semana

26 de setembro de 2022 - 10:00

Caça ao fundador da Terraform Labs não interfere diretamente nas cotações da Terra (LUNA): o token LUNA salta 5,77% na manhã desta segunda-feira (26)

DÚVIDA CRUEL

Os analistas preferem as ações de shoppings, enquanto os gestores apostam em fundos imobiliários do setor — qual ativo é o ideal para a sua carteira?

26 de setembro de 2022 - 9:34

A retomada do segmento alimenta o otimismo do mercado, mas desperta dúvidas sobre qual é a melhor maneira de aproveitar o bom momento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies