⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2022-09-15T18:22:53-03:00
Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
POR ÁGUA ABAIXO

Sabesp (SBSP3) cai quase 5% após UBS BB deixar de indicar a compra da ação — saiba o que está por trás do rebaixamento

A nova indicação do banco para os papéis SBSP3 passou de compra para neutra, mas o preço-alvo subiu de R$ 56,00 para R$ 60,00

15 de setembro de 2022
18:22
Sabesp sbsp3
Imagem: Governo do Estado de São Paulo/Wikimedia Commons

Um vazamento de água ou um  problema no esgoto… Dessa vez, a Sabesp (SBSP3) veio à tona, mas não por uma atividade que parou o estado de São Paulo. A companhia de saneamento básico paulista ficou entre as maiores baixas da bolsa brasileira nesta quinta-feira (15). O motivo: o UBS BB rebaixou a recomendação das ações. 

A nova indicação do banco para os papéis SBSP3 passou de compra para neutra, mas  o preço-alvo subiu de R$ 56,00 para R$ 60,00 — o que representa um potencial de valorização de 22% com relação ao fechamento de hoje 

A reavaliação do UBS BB  pesou e as ações da Sabesp fecharam o pregão em queda de 4,22%, a R$ 49,09. 

Para o banco, a campanha eleitoral — com possibilidade de privatização no radar — e os resultados fracos no último trimestre contribuíram para adoção de maior cautela em relação ao desempenho da empresa. 

Mudanças de premissas macroeconômicas, como inflação e juros, e futuros reajustes tarifários de longo prazo também foram consideradas.

Ou seja, os riscos de interferência política, mudanças regulatórias e a flutuação da taxa de câmbio entraram no radar do banco suíço a respeito da Sabesp.

Desempenho da Sabesp

Apesar do rebaixamento na recomendação e de resultados fracos do segundo trimestre, os papéis da Sabesp têm um bom desempenho. 

No mês, as ações já valorizaram 10% e nos últimos 12 meses, contam com ganhos de 43%. 

Desempenho das ações da Sabesp (SBSP3) entre setembro de 2021 e setembro de 2022

No último trimestre, porém, a Sabesp registrou lucro líquido de R$ 422,5 milhões, uma queda de 45,4% na comparação com o mesmo período do ano passado. 

O Ebitda (lucro antes juros, impostos, amortização e depreciação) ajustado subiu 4%, para R$ 1,51 bilhão entre abril e junho. 

“Acreditamos que a avaliação da Sabesp está próxima de seu nível médio histórico e acima do nível mais baixo da pior crise hídrica do estado de São Paulo (2014/2015)”, afirma o UBS.

Privatização à vista?

A Sabesp é uma empresa mista, ou seja, parte da companhia de saneamento básico, coleta e tratamento de esgotos são controladas pelo governo, no caso, estadual. 

O estado detém 50,3% do capital total da companhia e o restante é negociado na bolsa de valores brasileira, a B3. Em outras palavras, a ideia estrutural é a mesma que rege o Banco do Brasil (BBAS3) no âmbito federal

Sendo assim, o vento da privatização hora ou outra bate à porta da Sabesp, sobretudo em período de campanha eleitoral. 

Neste ano, alguns candidatos têm declarado publicamente suas intenções de privatizar ou melhorar a rentabilidade da companhia — o que foi destacado no relatório do UBS BB, ainda que o banco não considere a desestatização como cenário-base da avaliação. 

Os dois candidatos ao governo de São Paulo mais bem posicionados nas pesquisas eleitorais já manifestaram suas opiniões sobre a empresa. 

Tarcísio de Freitas (Republicanos) prometeu privatizar a companhia caso eleito. Ele detém 21% das intenções de voto e é o segundo colocado no último levantamento do Ipespe, divulgado em 08 de setembro. 

Já Fernando Haddad (PT), que detém 36% das intenções de voto, descarta a ideia. 

Na avaliação do UBS, o risco de desestatização paira sobre a companhia já que “o próximo governador e consequentemente futuro controlador da Sabesp poderá tomar decisões que impactam substancialmente a empresa”. 

“O processo de privatização é muito complexo e demorado. Como exemplo, o processo de privatização da Eletrobras começou em 2016 e só terminou em 2022. Assim, não estamos considerando uma privatização em nosso cenário-base e acreditamos que os investidores estão precificando apenas uma probabilidade de 20% de uma possível bull case (privatização)”, afirma o relatório. 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

A FORÇA DO VENTO

Copel (CPLE6) desembolsa R$ 1,8 bilhão por complexos eólicos no Rio Grande do Norte; veja detalhes

6 de outubro de 2022 - 19:49

A companhia destaca que os dois complexos estão um região que é considerada como “uma das melhores do mundo para a geração de energia de fonte eólica”

ELEIÇÕES 2022

Lula cede espaço para Bolsonaro no Nordeste e perde 9 pontos, segundo pesquisa Genial/Quaest

6 de outubro de 2022 - 19:25

O petista ainda segue liderando as intenções de voto na região onde sempre foi líder absoluto nas pesquisas, mas avanço do rival é um movimento significativo

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa emplaca mais uma alta, a disparada da Mobly (MBLY3) e o Nobel de Literatura; confira os destaques do dia

6 de outubro de 2022 - 18:51

Ao longo desta semana, o Ibovespa e os principais índices de Wall Street estão seguindo caminhos distintos.  Enquanto na B3 a alta do petróleo e a repercussão positiva do primeiro turno das eleições seguem levando a bolsa a patamares cada vez mais próximos dos 120 mil pontos, Nova York continua de olho na inflação e […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa pega carona com o petróleo mais uma vez e vai na contramão de NY; dólar também avança

6 de outubro de 2022 - 18:35

Embora o dólar tenha acompanhado a tensão internacional, o Ibovespa voltou a ir na contramão de Nova York com a ajuda do petróleo

UM PÉ NO TÚMULO

Fundo imobiliário MFII11 volta ao ramo de cemitérios com compra de participação em consórcio de serviços funerários

6 de outubro de 2022 - 18:26

O FII detém 35% do Consórcio Cortel São Paulo, responsável pela gestão, operação, manutenção e exploração de cinco cemitérios na capital paulista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies