Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-05-13T14:36:07-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
que beleza

Natura &Co reverte prejuízo e apresenta lucro de R$ 175,7 milhões no 4º tri

Empresa de cosméticos atribui desempenho ao crescimento das vendas digitais em todas as marcas, compensando os efeitos da covid-19

5 de março de 2021
7:38 - atualizado às 14:36
Fachada de uma loja da Natura
Fachada de uma loja da Natura - Imagem: Divulgação

A multinacional brasileira de cosméticos Natura &Co (NTCO3) registrou lucro de R$ 175,7 milhões no quarto trimestre de 2020, revertendo o prejuízo de R$ 176,1 milhões observado no mesmo período do ano anterior.

Este resultado não inclui o efeito de Alocação de Preço de Compra (PPA, na sigla em inglês), que envolve a aquisição da Avon. Considerando o PPA, houve lucro de R$ 22,3 milhões em 2019, o que fez o resultado do último trimestre de 2020 saltar 687,5%.

Segundo a Natura &Co, o resultado foi impulsionado pelo crescimento das vendas digitais em todas as marcas, compensando em grande parte os efeitos da pandemia causada pelo novo coronavírus.

Esse resultado fez com que as ações da Natura (NTCO3) atingissem o patamar de R$ 50,48, uma alta expressiva de 6,45%, por volta das 12h20.

Ações da Natura, por volta das 12h20. Fonte: TradingView

A receita líquida do grupo avançou 24,3% no intervalo entre outubro e dezembro do ano passado, sobre o mesmo período de 2019, para R$ 12 bilhões. Excluindo o efeito do câmbio, a alta foi de 6,4%. Considerando o PPA, a receita líquida do último trimestre foi de R$ 4,6 bilhões, o que fez o indicador saltar 157,9% no período.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) do quarto trimestre somou R$ 1,2 bilhão, uma alta de 21,3% sobre o mesmo intervalo de 2019.

“O forte desempenho de Natura &Co no quarto trimestre se deveu sobretudo ao crescimento do social selling [revendedoras] e do e-commerce, com alta de 79% das vendas digitais totais do grupo no período, sendo que todas as marcas registraram o maior nível de vendas no e-commerce da história”, diz trecho de comunicado divulgado pela companhia.

Um dos destaques, segundo ela, foi o faturamento on-line da Aesop, que cresceu 190% no quarto trimestre, passando a representar quase 30% de sua receita, o dobro do observado no ano anterior. A marca The Body Shop passou a se concentrar mais nos canais digitais e venda direta, que combinados cresceram mais de 130% no período, representando 40% das suas vendas totais.

A Natura &Co divulgou também que as vendas por meio de revendedoras continuaram a ganhar espaço, com aumento das compras por meio das revistas digitais de quase 90% na Avon em todo o mundo.

Em relação à incorporação da Avon, a Natura & Co, que completou um ano, destacou que as sinergias resultantes da integração atingiram US$ 25,5 milhões no quarto trimestre e US$ 73,3 milhões no ano, acima de suas estimativas.

*Com informações da Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NA B3

Ações do setor de saúde foram as que menos sofreram em agosto

Levantamento da Teva Índices mostra que os papéis do comércio e da construção foram os mais castigados no mês passado

NÃO AGRADOU

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis defende manutenção do modelo de exclusividade no mercado de revenda de derivados de petróleo

Tempo de entrega menor

Randon terá linha férrea própria no interior de SP

Linha férrea partirá de dentro da fábrica e percorrerá 1,5 km transportando vagões, reboques e semirreboques a um ramal principal na mesma cidade; expectativa é de que a obra fique pronta em 2023

Entrevista exclusiva

Após vender Hortifruti para Americanas, Partners Group quer investir US$ 300 milhões e lançar fundo para o varejo no Brasil

Com um total de US$ 120 bilhões sob gestão, responsável pela gestora suíça no Brasil e América Latina fala ao Seu Dinheiro sobre potenciais alvos de aquisição e “concorrência” com IPOs na B3

em busca de recursos

B3 levanta US$ 700 milhões e revisa projeção de alavancagem

Segundo operadora da bolsa brasileira, a emissão faz parte da gestão ordinária dos negócios da companhia e visa diversificar as fontes de captação a condições atrativas de financiamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies