Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-10T17:17:51-03:00
Estadão Conteúdo
Monopólio ameaçado

Concorrência vem aí? Decisão da CVM abre espaço para possíveis rivais da B3

A autarquia autorizou a Mark2Market (M2M), plataforma de gestão de operações financeiras, a atuar como central depositária de títulos

10 de junho de 2021
14:29 - atualizado às 17:17
B3 bolsa Ibovespa dólar
Imagem: Shutterstock

Uma decisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu a porta para que a B3, hoje monopolista no mercado brasileiro de Bolsa de Valores, ganhe concorrentes.

A autarquia autorizou a Mark2Market (M2M), plataforma de gestão de operações financeiras para empresas, a atuar como central depositária de títulos - recebíveis agrícolas, num primeiro momento, mas a atuação poderá no futuro incluir também ações.

A empresa acredita que, com uma estrutura de depósito e liquidação de títulos bem desenvolvida, poderá vir a prestar serviços a uma potencial Bolsa concorrente da B3 - uma antiga demanda dos participantes do mercado.

Rumores derrubam ações

Em pouco mais de uma semana, a empresa B3 encolheu R$ 8 bilhões em valor de mercado, a despeito dos sucessivos recordes do mercado acionário brasileiro.

O movimento reflete também os rumores de que a XP poderia montar a própria Bolsa, reforçados pela saída de José Berenguer, presidente do Banco XP, do conselho da B3. A plataforma estaria montando um mercado de criptomoedas, mas deixou a sensação de perseguir mais do que isso.

Em paralelo, a CVM deu a chancela para a M2M operar como depositária de valores mobiliários - estrutura essencial para a operação de qualquer Bolsa.

"Vimos que tínhamos metade do mercado de CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio) entre o final de 2017 e o começo de 2018. Decidimos conversar com o regulador para ver se era a hora de termos uma infraestrutura de mercado", disse Rodrigo Amato, fundador e CEO da M2M.

Naquele momento, a Cetip, que fazia depósito de títulos de renda fixa, se unia à BM&F, dona da Bovespa, para dar origem à B3, que concentrou as duas atividades.

Planos ambiciosos

A CVM autorizou a M2M a atuar como depositária em dezembro; na terça-feira, considerou que a empresa está pronta para operar a plataforma. A central depositária é a estrutura que "guarda" os ativos negociados em um mercado.

A companhia acredita que, no futuro, poderia fazer o mesmo com ações, e Amato diz ter sido sondado por players nacionais e estrangeiros em busca desse serviço.

A M2M, que fatura R$ 4,5 bilhões por ano, tem produtos que ajudam a gerenciar as operações financeiras de clientes como Natura, Localiza e Klabin.

Para dar esse próximo passo, a M2M vai investir R$ 5 milhões, quase integralmente em tecnologia, após receber R$ 10,8 milhões de rodada de investimentos liderada pela gestora de venture capital KPTL. A empresa acredita que a integração ajudará a atrair parte dos clientes para o serviço de depósito de títulos.

Barreiras

A sócia da Interlink Consultoria, Amarílis Prado Sardenberg, observa que a ideia de que a B3 tem o monopólio do mercado é equivocada, do ponto de vista da regulação, pois a CVM e o Banco Central, as duas entidades que regulam entidades administradoras de mercado, não preveem a existência de uma única Bolsa.

Para ela, a inexistência de uma rival para a B3, hoje, é reflexo de uma questão de mercado, e não regulatória.

Um especialista que preferiu não se identificar ponderou que os requisitos ampliam a vantagem de quem já está estabelecido no mercado. Para amenizar essa realidade, disse ele, a CVM obrigou a empresa que presta serviços de depósito e liquidação a compartilhar a infraestrutura com terceiros.

"A CVM tem audiência pública em aberto para mudar as regras de Bolsas e eliminar barreiras que não são impedimento, mas aumentam os custos (de entrada)", diz.

Procurada, a B3 não comentou no prazo para o fechamento desta edição. De forma pública, a empresa costuma dizer que é verticalizada, diferentemente do que ocorre em mercados internacionais.

Adicionalmente, a B3 fechou, em 2019, acordo com a ATS, que ambicionava montar uma segunda Bolsa no País, para dar a ela acesso à sua central depositária.

As regras da CVM impedem que empresas do mercado financeiro, como bancos e corretoras, tenham mais do que 10% de infraestruturas de mercado - o que restringiria eventual atuação da XP, por exemplo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

CRYPTO NEWS

Cada vez mais países devem formar reservas de Bitcoin ao longo de 2022; entenda como você pode aproveitar

Você provavelmente já viu uma imagem similar a esta abaixo. Ela mostra o conceito da curva de adoção, em S, de uma nova tecnologia ou produto. A curva em formato de sino é um reflexo da curva em S, mostrando o tamanho, ao longo do tempo, dos públicos que aderem a tal inovação. Malcolm Gladwell […]

NOVAS BAIXAS

Dois secretários e um diretor do Ministério da Economia pedem demissão do cargo; saiba quem são os substitutos

Um dos secretários vai para a Funpresp-Exe e o outro, para o Legislativo. Receita Federal diz que saída de seu diretor ocorreu a pedido do servidor

CONCESSÃO RECORDE

Caixa bate recorde em 2021 ao conceder R$ 140,6 bi em crédito habitacional e diz não esperar mais altas nos juros no financiamento imobiliário; entenda

O executivo afirmou que a Caixa segue os juros futuros com vencimento em oito anos para definir as taxas

RADIOCASH

Investidor superestima a China no curto prazo e subestima no longo prazo, diz Rodrigo Zeidan, professor da New York University Shangai

Em bate-papo com Jojo Washman, sócio-fundador da Vitreo, e com a jornalista Roberta Scrivano, ele também classifica a China como capitalista e fala do poder das fintechs no país

Operação de venda

Nubank está caro? Empiricus recomenda short no roxinho e vê potencial de queda de 70% de NUBR33

Casa de análise recomenda posição vendida nos BDRs do banco digital e considera seu valuation atual “inaceitável”. Potencial de queda do papel seria de 70%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies