Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-04T22:07:23-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Cenário pandêmico

B3 lucra R$ 4,2 bilhões em 2020, alta de 53%, com volatilidade dos mercados, ofertas de ações e juros baixos no Brasil

Cenário pandêmico acabou beneficiando os resultados da companhia, resultando em volatilidade e juros baixos que impulsionaram investidores e empresas a recorrerem ao mercado de capitais

4 de março de 2021
22:00 - atualizado às 22:07
B3
Sede da B3, localizada no centro da capital paulista. - Imagem: Shutterstock

Uma combinação de forte volatilidade nos mercados financeiros devido à pandemia de covid-19, juros baixos no Brasil e no mundo e inflação controlada contribuiu para o desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro e acabou beneficiando a B3, a operadora da bolsa de valores.

A companhia fechou 2020 com um lucro líquido atribuído aos acionistas de R$ 4,2 bilhões, 53% maior que o resultado de 2019. O desempenho operacional foi positivo em todas as linhas de negócio no ano, com exceção do segmento de infraestrutura para financiamento.

"O aumento expressivo dos volumes negociados em nossas plataformas impulsionou o crescimento de 41,8% das receitas, totalizando R$ 9,3 bilhões em 2020, o qual, combinado com disciplina na gestão de despesas resultou em aumento de 659bps em nossa margem Ebitda, que atingiu 78,7% em 2020", diz o relatório de resultados da companhia, divulgado na noite de hoje.

A geração de caixa de atividades operacionais no período, ajustada pela variação de aplicações financeiras e garantias de operações, totalizou R$ 6,1 bilhões, 23,9% maior que em 2019, "e foi em grande parte distribuída aos nossos acionistas por meio de dividendos, JCP e recompra de ações", diz a B3.

A empresa destaca que, em 2020, o mercado de capitais local teve um salto de relevância na carteira do investidor e se tornou uma fonte cada vez mais relevante de financiamento das companhias.

Em 2020, diz a B3, foram realizadas 53 ofertas públicas iniciais (IPOs) e subsequentes (follow-ons), que captaram mais de R$ 117,7 bilhões, volume 31,8% maior que em 2019. A base investidores de varejo cresceu 93,9%, atingindo 3,2 milhões de contas na central depositária da B3 em dezembro.

O endividamento bruto da B3 encerrou 2020 em aproximadamente R$ 7,0 bilhões, o equivalente a 1,1 vez o Ebitda recorrente (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

Quarto trimestre em linha com as projeções do mercado

A B3 registrou um lucro líquido de R$ 1,1 bilhão no quarto trimestre de 2020, alta de 49,7% ante o resultado do mesmo período do ano anterior. O resultado veio em linha com a expectativa do mercado, segundo dados da Bloomberg. O lucro líquido recorrente totalizou R$ 1,2 bilhão, ganho de 34,1% na comparação anual.

A receita líquida da operadora da bolsa totalizou R$ 2,3 bilhões, alta de 44,4% ante o quarto trimestre de 2019. Segundo a companhia, houve crescimento de receita em todos os segmentos de negócio, com exceção de Balcão.

Já o Ebitda recorrente (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 1,7 bilhão no período, 46,5% a mais que o mesmo período do ano anterior. A margem Ebtida ajustada foi de 78,7%.

Tanto as receitas quanto o Ebitda no quarto trimestre vieram apenas ligeiramente acima do consenso de mercado.

Segundo a companhia, no quarto trimestre ainda havia muitas incertezas em relação à pandemia, mas os avanços na distribuição de vacinas trouxeram alguma retomada econômica, o que se refletiu nos seus negócios nos mercados de capitais e de veículos.

A empresa destacou o retorno do capital estrangeiro ao mercado de ações brasileiro (entrada de R$ 62,9 bilhões no período), bem como o crescimento de 16,9% no volume de vendas de veículos em relação ao terceiro trimestre.

No cenário de juro baixo, a captação das empresas continuou a crescer, sustentada também pela propensão dos investidores locais a buscarem alternativas de diversificação de suas carteiras.

No quarto trimestre, os 16 IPOs e follow-ons representaram volume de R$ 38,8 bilhões, 20,5% acima do quarto trimestre de 2019. Também houve uma retomada na atividade de crédito, principalmente nos últimos meses do ano, com a captação bancária somando R$ 3,5 trilhões no quarto tri, 40,1% acima do mesmo período do ano anterior.

A receita do segmento Listado totalizou R$ 1,7 bilhão no período (crescimento de 54,2% na comparação anual), o equivalente a 68,6% da receita total da companhia, de R$ 2,5 bilhões.

O desempenho do segmento foi beneficiado pelos juros baixos e pela continuidade da volatilidade em decorrência da pandemia de covid-19. No mercado de ações e instrumentos de renda variável, houve crescimento de 67,3% no volume financeiro médio diário negociado (ADTV) no mercado à vista de ações e de 84,9% no volume de contratos futuros de índice de ações.

No mercado à vista, a alta reflete o maior giro de mercado, que atingiu 173,6% no trimestre e, no caso dos contratos futuros de índices, o desempenho é explicado pelo constante crescimento da negociação da versão mini desses contratos, notadamente por investidores pessoas físicas e de alta frequência.

O número médio de investidores ativos na depositária de renda variável cresceu 99,2%, reflexo do aumento do interesse pela diversificação de investimentos em um ambiente de taxa de juros mais baixa.

Investimentos e projeções para 2021

No quarto trimestre, foram realizados R$ 177,2 milhões em investimentos, os quais se referem, principalmente, a atualizações tecnológicas para todos os segmentos da B3, ao desenvolvimento de novos produtos e ao projeto da nova estrutura predial (engenharia, mobiliário e tecnologia) da companhia. Em 2020, os investimentos totalizaram R$ 423 milhões.

Segundo fato relevante divulgado em 10 de dezembro de 2020, a B3 espera investir entre R$ 420 milhões a R$ 460 milhões em 2021, e atingir um endividamento equivalente a 1,5 vez a relação entre dívida bruta e Ebitda.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

NÃO AGRADOU

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis defende manutenção do modelo de exclusividade no mercado de revenda de derivados de petróleo

Tempo de entrega menor

Randon terá linha férrea própria no interior de SP

Linha férrea partirá de dentro da fábrica e percorrerá 1,5 km transportando vagões, reboques e semirreboques a um ramal principal na mesma cidade; expectativa é de que a obra fique pronta em 2023

Entrevista exclusiva

Após vender Hortifruti para Americanas, Partners Group quer investir US$ 300 milhões e lançar fundo para o varejo no Brasil

Com um total de US$ 120 bilhões sob gestão, responsável pela gestora suíça no Brasil e América Latina fala ao Seu Dinheiro sobre potenciais alvos de aquisição e “concorrência” com IPOs na B3

em busca de recursos

B3 levanta US$ 700 milhões e revisa projeção de alavancagem

Segundo operadora da bolsa brasileira, a emissão faz parte da gestão ordinária dos negócios da companhia e visa diversificar as fontes de captação a condições atrativas de financiamento

BR Malls anuncia programa de recompra de ações; veja condições

Operação visa colocar as ações para manutenção em tesouraria com a finalidade de maximizar a alocação de caixa da companhia, gerando valor aos seus acionistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies