Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-05-09T10:10:16-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Pesquisa da FGV

Presente mais caro: inflação do Dia das Mães é a maior dos últimos quatro anos

Levantamento da FGV mostra que a inflação no Dia das Mães é a maior desde 2017; eletrodomésticos e passagens aéreas tiveram maiores saltos

9 de maio de 2021
10:10
Presente dia das mães inflação
Imagem: Shutterstock

Se você ficou com a impressão de que o presente de Dia das Mães está mais salgado — ou até mesmo comprou algo mais simples, para não pesar no orçamento —, saiba que sua percepção não está errada: segundo a FGV, a inflação para a data é a maior dos últimos quatro anos.

O levantamento foi feito a partir de uma cesta com 32 produtos e serviços. Em média, os preços estão 4,1% maiores que no Dia das Mães do ano passado — esse aumento, no entanto, é menor que a inflação acumulada nos últimos 12 meses, de 6,71%.

No lado dos produtos, o salto mais expressivo foi visto nos eletrodomésticos: as máquinas de lavar ficaram 12,39% mais caras em 12 meses; ventiladores e circuladores de ar saltaram 10,5%; computadores e acessórios subiram 9,55%; e aparelhos de TV estão com preços 7,52% maiores.

"Os custos tiveram um papel importante", avalia Matheus Peçanha, pesquisador do FGV IBRE. "As commodities metálicas tiveram aumentos na casa dos 80% em 2020, custo muito relevante na produção dos eletrodomésticos, das bijuterias e bicicletas".

Os preços de outros presentes comuns para a data também subiram mais que a inflação nos últimos 12 meses:

  • Roupas de cama, mesa e banho: +9,17%;
  • Bijuterias: +7,36%
  • Bicicletas: +7,15%.

Mas nem tudo ficou mais caro: bens semiduráveis, como calçados femininos, recuaram 0,23%; artigos de maquiagem (-1,15%), roupas femininas (-1,49%) e livros (-3,68%) também tiveram deflação.

Serviços no Dia das Mães

No lado dos serviços, há algumas distorções: por causa da pandemia, inúmeras categorias ficaram com os preços praticamente estáveis em relação ao Dia das Mães do ano passado — caso dos ingressos de cinema, shows e teatro.

Outro efeito ligado à Covid-19 é a forte alta nas passagens aéreas, com alta de 26,09%. Vale lembrar que, em maio do ano passado, o setor estava praticamente paralisado e, consequentemente, os bilhetes eram vendidos com preços muito abaixo do normal.

Ainda na cesta de serviços, os preços dos restaurantes (+3,82%), salões de beleza (+3,21%) e academias (+2,06%) avançaram; no lado oposto, excursões (-0,28%) e hotéis (-1,77%) estão com preços mais em conta.

"A inflação de custos foi a tônica da elevação de preços da cesta", diz Peçanha. "No caso dos restaurantes, o preço dos alimentos teve um impacto muito grande para o reajuste desse serviço, mesmo em um ambiente de demanda menos aquecida".

Inflação Dia das Mães FGV
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

PEC DOS COMBUSTÍVEIS

Tesouro pode perder até R$ 240 bilhões com PEC dos Combustíveis e inflação pode ir para 1% — mas gasolina ficará só R$ 0,20 mais barata; confira análise

Se todos os estados aderirem à desoneração, a perda seria de cifras bilionárias aos cofres públicos, de acordo com a XP Investimentos

Seu Dinheiro no Sábado

E a bolsa ainda pulsa: os grandões do Ibovespa brilham e puxam o índice — mas e as demais empresas?

Além do ciclo aquecido das commodities e da entrada de recursos estrangeiros, também vale lembrar o desconto nos ativos domésticos

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) aprofunda queda da semana e é negociado aos US$ 35 mil hoje pela primeira vez em seis meses; criptomoeda já caiu 17% em sete dias

Especialista dá dicas de como sobreviver ao momento de “sangria” do mercado de criptomoedas — e o que não fazer no desespero

Dê o play!

A bolsa ainda pulsa, mas será um último suspiro? O podcast Touros e Ursos discute o cenário para o Ibovespa

No programa desta semana, a equipe do Seu Dinheiro discute o cenário para o Ibovespa e os motivos que fazem a bolsa brasileira subir

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O respiro da bolsa brasileira, o tropeço do bitcoin e o vazamento de dados do PIX: confira as principais notícias do dia

Para quem não aguentava mais ver a bolsa brasileira apanhando enquanto Wall Street renovava recordes, este início de ano está sendo o momento da revanche. Ou melhor, de o Ibovespa “correr atrás do prejuízo”. Nesta terceira semana de janeiro, o principal índice da B3 mais uma vez contrariou o exterior e enfileirou altas, enquanto as […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies