Menu
2021-05-09T10:10:16-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Pesquisa da FGV

Presente mais caro: inflação do Dia das Mães é a maior dos últimos quatro anos

Levantamento da FGV mostra que a inflação no Dia das Mães é a maior desde 2017; eletrodomésticos e passagens aéreas tiveram maiores saltos

9 de maio de 2021
10:10
Presente dia das mães inflação
Imagem: Shutterstock

Se você ficou com a impressão de que o presente de Dia das Mães está mais salgado — ou até mesmo comprou algo mais simples, para não pesar no orçamento —, saiba que sua percepção não está errada: segundo a FGV, a inflação para a data é a maior dos últimos quatro anos.

O levantamento foi feito a partir de uma cesta com 32 produtos e serviços. Em média, os preços estão 4,1% maiores que no Dia das Mães do ano passado — esse aumento, no entanto, é menor que a inflação acumulada nos últimos 12 meses, de 6,71%.

No lado dos produtos, o salto mais expressivo foi visto nos eletrodomésticos: as máquinas de lavar ficaram 12,39% mais caras em 12 meses; ventiladores e circuladores de ar saltaram 10,5%; computadores e acessórios subiram 9,55%; e aparelhos de TV estão com preços 7,52% maiores.

"Os custos tiveram um papel importante", avalia Matheus Peçanha, pesquisador do FGV IBRE. "As commodities metálicas tiveram aumentos na casa dos 80% em 2020, custo muito relevante na produção dos eletrodomésticos, das bijuterias e bicicletas".

Os preços de outros presentes comuns para a data também subiram mais que a inflação nos últimos 12 meses:

  • Roupas de cama, mesa e banho: +9,17%;
  • Bijuterias: +7,36%
  • Bicicletas: +7,15%.

Mas nem tudo ficou mais caro: bens semiduráveis, como calçados femininos, recuaram 0,23%; artigos de maquiagem (-1,15%), roupas femininas (-1,49%) e livros (-3,68%) também tiveram deflação.

Serviços no Dia das Mães

No lado dos serviços, há algumas distorções: por causa da pandemia, inúmeras categorias ficaram com os preços praticamente estáveis em relação ao Dia das Mães do ano passado — caso dos ingressos de cinema, shows e teatro.

Outro efeito ligado à Covid-19 é a forte alta nas passagens aéreas, com alta de 26,09%. Vale lembrar que, em maio do ano passado, o setor estava praticamente paralisado e, consequentemente, os bilhetes eram vendidos com preços muito abaixo do normal.

Ainda na cesta de serviços, os preços dos restaurantes (+3,82%), salões de beleza (+3,21%) e academias (+2,06%) avançaram; no lado oposto, excursões (-0,28%) e hotéis (-1,77%) estão com preços mais em conta.

"A inflação de custos foi a tônica da elevação de preços da cesta", diz Peçanha. "No caso dos restaurantes, o preço dos alimentos teve um impacto muito grande para o reajuste desse serviço, mesmo em um ambiente de demanda menos aquecida".

Inflação Dia das Mães FGV
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

atenção, acionista

Vale eleva valor de dividendo a ser em pago em 30 de junho para R$ 2,189 por ação

No dia 17 de junho, a empresa tinha informado o pagamento de R$ 2,177 de dividendo por ação; demais condições da distribuição não serão alteradas

de olho na inovação

Moeda digital é nova forma de representação da moeda já emitida, diz Campos Neto

Segundo ele, ela não se confunde com os criptoativos, como o bitcoin, que não têm característica de moeda, mas sim de ativos

em audiência

Yellen diz esperar apoio do G-20 para proposta de imposto corporativo global

Grupo das 20 maiores economias do mundo se reúne em julho e deve debater o assunto

retomada

PIB da Argentina sobe 2,6% no 1º trimestre

Na comparação com igual período do ano passado, o avanço foi de 2,5%

disparada das ações

Vítima da crise de 2008, Brasil Brokers (BBRK3) vira alvo de especulação na bolsa

Papéis subiram mais de 80% apenas nesta quarta-feira, mas empresa diz desconhecer razão para o movimento; BR Brokers registra sucessivos prejuízos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies