Menu
2021-01-27T19:32:20-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
em meio à pandemia

Financiamento imobiliário cresce 58% em 2020 e bate recorde histórico

Expansão do crédito imobiliário em 2020 foi puxada, principalmente, pela liberação de financiamentos para a pessoa física fazer a compra de moradias

27 de janeiro de 2021
14:58 - atualizado às 19:32
imóveis em São Paulo
Imagem: Shutterstock

Os financiamentos imobiliários para a compra e a construção de imóveis em 2020 somaram R$ 123,97 bilhões em 2020, crescimento de 57,5% na comparação com 2019, segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

O resultado foi o maior da história, superando o montante de R$ 112,9 bilhões visto em 2014. Os números consideram apenas os financiamentos com recursos originados nas cadernetas de poupança.

A expansão do crédito imobiliário em 2020 foi puxada, principalmente, pela liberação de financiamentos para a pessoa física fazer a compra de moradias.

O crédito para aquisição de imóveis subiu 60% em 2020 ante 2019, para R$ 93,9 bilhões. O montante foi o maior já registrado pelo setor. Deste total, R$ 66,5 bilhões foram para a compra de residências usadas, enquanto R$ 27,5 bilhões para novas unidades.

Já os empréstimos destinados à empresas, para a construção de empreendimentos, cresceram 50% no mesmo período e totalizaram R$ 30,1 bilhões.

O valor, entretanto, não foi um recorde para o setor, que atingiu o pico em 2011 (R$ 35,2 bilhões) e 2013 (R$ 32,2 bilhões), anos que são lembrados como "boom" da construção.

Caixa lidera

A Caixa Econômica Federal fez jus ao seu apelido de "banco da habitação" e liderou a concessão de financiamentos imobiliários no último ano. A estatal concedeu R$ 53,7 bilhões em empréstimos para a compra e a aquisição de moradias em 2019, 102% mais do que em 2019.

O montante também representa 43,3% do total de financiamentos concedidos no Brasil no último ano, considerando apenas a modalidade que adota recursos das cadernetas de poupança - principal linha do mercado. Ficam de fora da conta as operações com recursos do FGTS, onde a Caixa é, praticamente, a única instituição financeira a atuar.

O ritmo de liberação de crédito pela Caixa no último ano foi bem maior do que o visto entre os bancos privados, que fizeram bastante propaganda para divulgar reduções de taxas e novas opções de indexadores nos contratos.

O segundo no ranking do financiamentos imobiliário em 2020 foi o Bradesco, com R$ 24,5 bilhões em empréstimos, expansão de 37,6% ante 2019. Esse movimento lhe garantiu uma participação de mercado de 19,7%.

O terceiro lugar ficou com o Itaú Unibanco, com R$ 23,3 bilhões, expansão de 41% nos empréstimos. Sua fatia de mercado foi de 18,8%.

Na sequência vêm Santander (R$ 15,6 bilhões, alta de 26%) e Banco do Brasil (R$ 3,6 bilhões, alta de 6%).

A inadimplência no crédito imobiliário ficou em 1,6% em 2020. Apesar da crise econômica e pandemia, a inadimplência dos mutuários ficou dentro da faixa verificada na última década, quando oscilou entre 1,4% (2014 e 2018) e 2,1% (2010).

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Piorou?

Guedes vê perda estrutural em PEC do auxílio

O plenário do Senado manteve o texto da PEC emergencial com o limite de R$ 44 bilhões para a despesa com o pagamento da nova rodada do auxílio para os mais vulneráveis.

DIÁRIO DE BORDO

À procura de um porto seguro para seu dinheiro em tempos turbulentos no Brasil? Veja onde investir

Se “mar calmo nunca fez bom marinheiro”, o que aprendi nesses meus 25 anos de mercado financeiro é que em momentos de ruídos e turbulências precisamos ser ainda mais persistentes e consistentes em nossos investimentos.

Suspeita de crime

CVM confirma processo para investigar suposto ‘insider trading’ na Petrobras

A suspeita de que alguém pode ter lucrado R$ 18 milhões com o vazamento de informações sobre o que ocorreria na estatal vieram à tona no início da semana e mexeram com os ânimos do mercado.

Queda brusca

Produção de veículos recua 3,5% em fevereiro em comparação anual, diz Anfavea

Frente a janeiro, a produção caiu 1,3%, levando o volume acumulado no primeiro bimestre para 396,7 mil unidades.

Gestora sobe o tom

Fundo Verde se protege no câmbio e diz que governo “falhou miseravelmente” em comprar vacinas

O atraso em proteger a população aparece a olhos vistos, e tem consequências óbvias tanto em termos de vidas quanto em termos econômicos, escreveu a gestora de Luis Stuhlberger

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies