Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-27T19:32:20-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
em meio à pandemia

Financiamento imobiliário cresce 58% em 2020 e bate recorde histórico

Expansão do crédito imobiliário em 2020 foi puxada, principalmente, pela liberação de financiamentos para a pessoa física fazer a compra de moradias

27 de janeiro de 2021
14:58 - atualizado às 19:32
imóveis em São Paulo
Imagem: Shutterstock

Os financiamentos imobiliários para a compra e a construção de imóveis em 2020 somaram R$ 123,97 bilhões em 2020, crescimento de 57,5% na comparação com 2019, segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

O resultado foi o maior da história, superando o montante de R$ 112,9 bilhões visto em 2014. Os números consideram apenas os financiamentos com recursos originados nas cadernetas de poupança.

A expansão do crédito imobiliário em 2020 foi puxada, principalmente, pela liberação de financiamentos para a pessoa física fazer a compra de moradias.

O crédito para aquisição de imóveis subiu 60% em 2020 ante 2019, para R$ 93,9 bilhões. O montante foi o maior já registrado pelo setor. Deste total, R$ 66,5 bilhões foram para a compra de residências usadas, enquanto R$ 27,5 bilhões para novas unidades.

Já os empréstimos destinados à empresas, para a construção de empreendimentos, cresceram 50% no mesmo período e totalizaram R$ 30,1 bilhões.

O valor, entretanto, não foi um recorde para o setor, que atingiu o pico em 2011 (R$ 35,2 bilhões) e 2013 (R$ 32,2 bilhões), anos que são lembrados como "boom" da construção.

Caixa lidera

A Caixa Econômica Federal fez jus ao seu apelido de "banco da habitação" e liderou a concessão de financiamentos imobiliários no último ano. A estatal concedeu R$ 53,7 bilhões em empréstimos para a compra e a aquisição de moradias em 2019, 102% mais do que em 2019.

O montante também representa 43,3% do total de financiamentos concedidos no Brasil no último ano, considerando apenas a modalidade que adota recursos das cadernetas de poupança - principal linha do mercado. Ficam de fora da conta as operações com recursos do FGTS, onde a Caixa é, praticamente, a única instituição financeira a atuar.

O ritmo de liberação de crédito pela Caixa no último ano foi bem maior do que o visto entre os bancos privados, que fizeram bastante propaganda para divulgar reduções de taxas e novas opções de indexadores nos contratos.

O segundo no ranking do financiamentos imobiliário em 2020 foi o Bradesco, com R$ 24,5 bilhões em empréstimos, expansão de 37,6% ante 2019. Esse movimento lhe garantiu uma participação de mercado de 19,7%.

O terceiro lugar ficou com o Itaú Unibanco, com R$ 23,3 bilhões, expansão de 41% nos empréstimos. Sua fatia de mercado foi de 18,8%.

Na sequência vêm Santander (R$ 15,6 bilhões, alta de 26%) e Banco do Brasil (R$ 3,6 bilhões, alta de 6%).

A inadimplência no crédito imobiliário ficou em 1,6% em 2020. Apesar da crise econômica e pandemia, a inadimplência dos mutuários ficou dentro da faixa verificada na última década, quando oscilou entre 1,4% (2014 e 2018) e 2,1% (2010).

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

de olho na inovação

Amazon sinaliza interesse por criptomoedas em anúncio de emprego

Empresa procura “um líder de produto experiente para desenvolver a estratégia e o roadmap de produtos e moedas digitais

balanço em foco

Lucro da Hypera Pharma aumenta 18% no segundo trimestre

Cifra chegou a R$ 470,6 milhões no período; companhia obteve alta de 43,5% na receita líquida, a R$ 1,5 bilhão

seu dinheiro na sua noite

Quebrando recordes na corrida dos ETFs

A pira foi acesa em Tóquio: os Jogos Olímpicos estão oficialmente abertos — e eu estou empolgadíssimo. Não sei vocês, mas eu adoro as Olimpíadas, principalmente os esportes não muito convencionais. Claro, é legal assistir futebol, vôlei e basquete, mas eu gosto mesmo é de ver as modalidades que nunca passam na TV. Duelo de […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Inflação salgada pressiona juros, mas dados americanos amenizam alta do dólar — já a bolsa não escapou da queda

Em semana recheada de ruídos políticos e incertezas, o Ibovespa acumulou uma queda de 0,72%. Já o dólar à vista subiu 1,86%, a R$ 5,2105

de olho no ir

Alta da arrecadação não dá ‘total liberdade’ para reduzir impostos, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt considerou também que a reforma do IR ainda está em aberto, com muito para se discutir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies