Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-04T12:19:52-03:00
Estadão Conteúdo
Venda on-line

Consumidor já compra imóvel ‘às cegas’

Venda de imóvel on-line vem crescendo, com alguns negócios já sendo fechados sem qualquer visita presencial

4 de julho de 2021
12:19
leilão imóveis
Imagem: Shutterstock

Mais de um ano de pandemia e de isolamento social quebraram muitos tabus dos brasileiros em relação ao comércio online. Se antes havia algum tipo de receio de comprar um item de vestuário e se frustrar - porque a roupa não caía bem, por exemplo -, hoje até imóvel é vendido digitalmente. Detalhe: sem que o comprador tenha visitado fisicamente o apartamento antes de bater o martelo.

A mudança no comportamento do consumidor é muito recente, mas significativa a ponto de chamar atenção até mesmo das imobiliárias virtuais. Levantamento feito pela Apê11, startup especializada na compra e venda de imóveis pela internet, mostra que 63% das propostas para aquisição recebidas em maio foram totalmente digitais, sem a interação humana. Destas, 12% viraram negócios fechados - e a metade sem que o comprador tivesse posto o pé no imóvel ao menos uma vez.

"O resultado foi uma surpresa: imóvel vendido pelo e-commerce como café em pó ou calça jeans", compara o sócio-diretor da Apê11, Leonardo Azevedo. Esse comportamento de compra ganha relevância especialmente porque a casa é a aquisição mais importante para a maioria das pessoas. A empresa começou a funcionar em 2019 e sempre teve como meta digitalizar ao máximo a transação. "Mas éramos um pouco céticos de que a operação pudesse ser 100% digital", admite.

As propostas 100% digitais começaram a aparecer em fevereiro deste ano e, na época, representavam 21% do total. Daí para frente, só cresceram.

A proposta é uma oferta firme, onde constam o valor, a forma de pagamento e a origem do dinheiro. O caminho normal das negociações digitais é, após o primeiro contato virtual por meio de fotos e vídeos, que o comprador inicie o diálogo com o corretor e visite fisicamente o imóvel antes de fechar a oferta.

Também o QuintoAndar, startup de locação e venda de imóveis, captou nos últimos meses o avanço do e-commerce de imóveis sem a visita presencial. Uma em cada quatro cidades onde a startup atua com vendas teve algum caso de negócio fechado sem visitação. A maioria foi na capital paulista.

Além do empurrão dado pelo isolamento social, Arthur Malcom, head de compra e venda do QuintoAndar, diz que a transparência de dados sobre os imóveis para locação disponíveis na sua plataforma abriu caminho para negócios de compra e venda totalmente digitais.

"O cliente que compra para investir quer muito menos visitar o apartamento e muito mais entender o potencial de retorno do negócio", diz o executivo.

Perfis

Apesar de este tipo de compra ser mais viável para investidores, focados na renda de aluguel e na valorização do próprio ativo, há também outros perfis de compradores que buscam esse tipo de transação.

Azevedo cita o comprador que procura uma moradia e teve alguma relação de proximidade com o imóvel, como um parente que morou no condomínio. Há aqueles que passam na frente de um prédio em construção, sem o estande de vendas, e compram pela localização.

Imobiliárias digitais não revelam números absolutos de transações sem visita física, mas indicadores dão pistas do perfil dos interessados. No primeiro semestre, 74% dessas transações da Apê11 foram para moradia e 26%, investimento. No QuintoAndar, dos imóveis negociados sem visita prévia, 92% envolveram apartamentos e estúdios/quitinetes.

Claudio Hermolin, vice-presidente de intermediação imobiliária do Secovi-SP, diz que não tem dados sobre esse novo tipo de venda. "É algo recente, não há um volume grande." Mas essa forma de transação deve continuar no pós- pandemia, diz. A razão é que as pessoas acreditam cada vez mais na transparência de dados que veio com a tecnologia e na visita virtual.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Garantindo a oferta

Crescem ofertas de ações com reserva antecipada

As ancoragens normalmente conseguem atrair mais investidores, numa espécie de chancela prévia, com potencial impacto positivo no preço da ação.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies