Menu
2021-01-28T10:14:41-03:00
Estadão Conteúdo
Piorou

Confiança da Indústria da FGV cai 3,6 pontos em janeiro ante dezembro

Em janeiro, 14 dos 19 segmentos industriais pesquisados registraram queda da confiança.

28 de janeiro de 2021
10:14
indústria-brasileira
Indústria brasileira - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

O Índice de Confiança da Indústria caiu 3,6 pontos em janeiro ante dezembro, para 111,3 pontos, o primeiro resultado negativo após oito meses consecutivos de expansão, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (28).

Leia também:

"O resultado é reflexo de uma percepção menos favorável dos empresários sobre a situação atual dos negócios e perspectivas menos otimistas para a produção prevista para os próximos três meses que parece estar relacionada com o fim dos benefícios emergenciais e avanço da pandemia no país", avalia a coordenadora das sondagens do Ibre/FGV, Viviane Seda Bittencourt, que acrescenta que o indicador de tendência dos negócios para os próximos seis meses sinaliza que os empresários confiam mais que a situação deve melhorar no segundo semestre.

Apesar do movimento negativo, Viviane Bittencourt destaca que a indústria segue em patamar alto em termos históricos, com destaque para o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI), que avançou 0,6 ponto porcentual, a 79,9%, maior patamar desde novembro de 2014 (80,3%).

Em janeiro, 14 dos 19 segmentos industriais pesquisados registraram queda da confiança. O resultado negativo do mês ocorre influenciado por uma piora da satisfação dos empresários em relação à situação atual e de uma diminuição do otimismo em relação às perspectivas para os próximos três e seis meses. O Índice de Situação Atual (ISA) caiu 3,6 pontos para 116,3 pontos, e o Índice de Expectativas (IE) diminuiu 3,3 pontos para 106,3 pontos, menor nível desde setembro de 2020 (105,9 pontos).

Os indicadores que medem o nível dos estoques e a situação atual dos negócios recuaram 4,0 pontos para 125,3 pontos e 108,6 pontos, respectivamente. Houve queda tanto da parcela de empresas que avaliam os estoques como insuficientes (de 14,6% para 12,9%) e alta das que avaliam os estoques como excessivos (de 6,5% para 7,8%). Já no indicador que mede a situação atual dos negócios houve redução da parcela de empresas que julgam a situação como boa (de 38,3% para 35,6%) e aumento da parcela que a vê fraca (de 14,1% para 14,7%).

Dos indicadores que compõem o IE, a produção prevista para os próximos três meses foi o que mais contribuiu para a queda da confiança em janeiro ao cair 8,6 pontos, passando de 110,4 para 101,8 pontos, menor nível desde julho de 2020 (99 pontos). Houve recuo da parcela de empresas que preveem uma produção maior, de 40,8% para 38,3%, e aumento das que projetam queda na produção, de 13,2% para 17,4%. Já os indicadores de emprego previsto e tendência dos negócios variaram -2,5 ponto e 1,3 ponto, respectivamente.

Esta edição da confiança da indústria coletou informações de 1.056 empresas entre os dia 4 e 25 deste mês. A próxima divulgação será no dia 26 de fevereiro, sendo que a prévia será revelada no dia 22 de fevereiro.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O melhor do seu dinheiro

O preço do diesel e o cobertor curto

Na briga do presidente Jair Bolsonaro para tentar baixar o preço dos combustíveis e do gás de cozinha no país, não foi só a Petrobras que apanhou. Pode ser que sobre também para os bancos. E na bolsa, as ações das instituições financeiras já sofreram um bocado nesta segunda-feira por causa disso. Tudo ia bem […]

FECHAMENTO

Brasília força Ibovespa a pisar no freio e bolsa quase zera ganhos após avançar mais de 2%; dólar fica estável

No exterior, as bolsas tiveram dias de ganho expressivo, com os mercados repercutindo de forma positiva a aprovação do pacote de estímulos americano e uma nova opção de vacina

Proposta na mesa

Aumento de tributação aos bancos está sendo discutido para compensar a desoneração do diesel

A lógica proposta seria da CSLL subir para compor a compensação dos tributos com o intuito de zerar a tributação do diesel e do gás de cozinha, tendo um custo total de quase R$ 3,6 bilhões.

Concentrado

Foco de Biden é a aprovação do pacote de US$ 1,9 trilhão, diz Casa Branca

O texto foi avalizado pela Câmara dos Representantes no fim de semana e ainda precisa ser analisado pelo Senado.

Casamento do ano?

Fusão de Hapvida e Intermédica deve revolucionar setor de saúde, apontam analistas; ações sobem mais de 5%

Para analistas, união das companhias não deve encontrar grandes dificuldades para conseguir aprovação do Cade, com o ponto mais crítico sendo, possivelmente, Minas Gerais, onde ambas concentram 16% do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies