Menu
Larissa Quaresma
Exile on Wall Street
Larissa Quaresma
Analista de ações e integrante da equipe do Carteira Empiricus
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-14T18:04:20-03:00
Exile on Wall Street

Caso Theranos — fama, imagem e burburinho não dizem nada sobre os ativos; entenda

14 de setembro de 2021
11:40 - atualizado às 18:04
Theranos (1)
Elizabeth Holmes é acusada de uma série de crimes contra funcionários e acionistas / Imagem: Elizabeth Holmes

Neste momento, acontece nos Estados Unidos o julgamento de Elizabeth Holmes, fundadora da famigerada Theranos. A empreendedora é acusada de uma série de crimes contra funcionários e investidores.

A Theranos cresceu e fez fama com base em uma dita revolucionária tecnologia de exame de sangue, que usaria apenas uma gota extraída dos dedos para fazer diagnósticos de saúde complexos. Os resultados incluíam diagnóstico de câncer, disposição genética a uma série de doenças e por aí vai.

O problema foi que a tecnologia não funcionava como vendido, e a empresa na verdade subcontratava uma série de laboratórios que auxiliavam nos exames.

Além disso, os clientes eram obrigados a fazer coletas de sangue tradicionais para “complementar” a análise da Theranos. Em 2018, a empresa foi processada pela SEC (a CVM americana) por fraude contra os investidores e, daí para a frente, foi ladeira abaixo. O caso é ilustrado em detalhes no documentário “A Inventora”, da HBO.

O episódio é especialmente emblemático porque Elizabeth Holmes é mulher, abandonou o curso de Engenharia Química em Stanford para empreender e só usava suéteres pretos de gola alta – te lembra algum outro empreendedor do Vale do Silício? Pois é, qualquer coincidência com Steve Jobs é mera semelhança.

Além disso, Elizabeth Holmes se envolveu afetivamente com um dos executivos da empresa, o que trouxe mais polêmica ao caso.

Do ponto de vista dos investidores, esse foi mais um episódio a lançar luz sobre a diligência necessária ao processo de investimentos.

Houve vários outros: a farmacêutica canadense Valeant virou a queridinha dos investidores ao entregar crescimentos fora de série por diversos trimestres consecutivos e, como sempre, a performance foi atribuída às habilidades superiores da gestão.

A estratégia por trás dos resultados eram preços abusivos cobrados por drogas de doenças raras – o aumento chegou a mais de 1.000% em alguns dos produtos.

Em 2015, um vendedor a descoberto publicou um relatório chamando a empresa de “tóxica” e, a partir daí, a SEC começou a ir atrás. Até Bill Ackman tinha caído nessa fraude.

Tivemos também o caso da Enron, que usou regras contábeis criativas para reconhecer lucros com base na expectativa de execução de projetos futuros. Aliás, essa foi a razão da queda da então auditoria Arthur Andersen.

Fama, burburinho e ainda uma imagem de empresa ESG – mulher no comando, tecnologia socialmente revolucionária – não dizem nada sobre o ativo.

É preciso entender a empresa a fundo. Uma simples pesquisa de campo, fazendo as vezes de um cliente oculto para realizar os exames, já lançaria suspeição sobre a tecnologia empregada. Já fiz isso tantas vezes para Natura, Avon, Via, Magazine Luiza… O processo é inclusive divertido, garanto.

Elizabeth Holmes e as consequências trazidas para mulheres empreendedoras

Um desdobramento de segunda ordem desse episódio foi o escrutínio superior que passou a ser sofrido por mulheres empreendedoras do Vale do Silício.

As mulheres relatam que passaram a sentir suspeição exagerada de investidores, pelo simples fato de serem mulheres à frente de empreendimentos ambiciosos

O episódio da Theranos criou uma resistência irracional por parte dos investidores. Sim, irracional, porque não existe nenhuma correlação de mulheres no comando com a existência de fraude.

Aliás, nos dois outros exemplos que dei, da Valeant e da Enron, as pessoas no comando eram homens. 

Veja, ser mulher e atingir um posto de comando é um feito raro. Poucas chegam lá, e são os números que mostram isso.

O "all time high" de mulheres CEOs na Fortune 500 foi neste ano, em que elas representaram 8,2% da lista das 500 maiores empresas americanas em 2021. 

Quando uma mulher chega lá, a responsabilidade é grande. Porque, além de todo o suor necessário para manter o posto, você se torna um exemplo e uma referência para as gerações vindouras. E isso é muito, muito importante. Minha geração ainda carece de inspirações e provas suficientes de que é possível chegar lá.

Quantos nomes femininos você conhece no campo dos investimentos? Cito aqui: Abigail Johnson, CEO da gigante Fidelity Investments, ou Dawn Fitzpatrick, CIO do family office de George Soros.

Existem algumas outras, mas precisamos de mais. Aposto que o leitor (ou a leitora) não conhecia as duas citadas.

Enfim, esses nomes já nos mostram que é possível chegar lá. Mas, por favor, não cometa fraude.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Na onda do minério

Mercado Livre (MELI34) ultrapassa Vale (VALE3) e se torna a empresa mais valiosa da América Latina

A gigante de comércio eletrônico argentina conquistou o posto após a mineradora brasileira perder R$ 43,6 bilhões em valor de mercado na última semana

Vídeos

Investir em IPOs vale a pena? Saiba as causas dessa febre do mercado

O ano de 2021 está mostrando a força do setor dos IPOs. São diversas empresas que abriram seu capital e fizeram sua oferta primária. Matheus Spiess, analista da Empiricus, explica neste vídeo sobre este cenário. Confira

desaceleração a caminho

Renda fixa: Por que a Evergrande derruba o Ibovespa, mas alivia o mercado de juros

Desempenho é oposto ao que se poderia esperar quando há pânico no mercado, diz especialista; contratos DIs para janeiro de 2022 caem de 7,09% para 7,08%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies