Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-16T14:01:06-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
O hambúrguer e o câmbio

Está na hora de comprar ou vender dólar? A resposta pode estar no preço do Big Mac

Se levarmos em consideração o preço do sanduíche mais popular do mundo, a moeda norte-americana deveria valer R$ 3,87, segundo o índice calculado pela The Economist

16 de janeiro de 2021
8:02 - atualizado às 14:01
Big Mac - McDonald's
Imagem: Shutterstock

O dólar está caro ou barato? Se levarmos em consideração o preço do sanduíche mais popular do mundo, a moeda norte-americana deveria valer R$ 3,87 — ou 30% menos do que a cotação de dezembro. Pelo menos é o que indica o índice Big Mac, atualizado nesta semana pela revista The Economist.

O indicador foi criado em 1986 pela publicação britânica como uma forma de avaliar o poder de compra da moeda dos países. Por ser um produto com o mesmo padrão em todos os lugares onde é vendido, o sanduíche do McDonald's acaba se tornando ideal para esse tipo de comparação.

Leia também:

No Brasil, um Big Mac custava R$ 21,90 no fim do ano passado, enquanto um norte-americano pagava US$ 5,66 pelo mesmo sanduíche, o que indica uma taxa de câmbio implícita de R$ 3,87, de acordo com o levantamento da revista.

Com a forte alta do dólar ao longo do ano passado, o real ficou ainda mais barato pelo índice Big Mac. No início de 2020, quando o câmbio estava em R$ 4,14, a desvalorização da moeda brasileira era estimada em 15,3% com base no preço do sanduíche.

Então é hora de vender dólar?

Se considerarmos o indicador da revista britânica um bom parâmetro para o câmbio, o Big Mac brasileiro mais barato em relação ao americano pode ser um sinal de que está na hora de vender dólar.

A tendência de queda da moeda norte-americana, aliás, foi apontada por especialistas no especial do Seu Dinheiro Onde Investir em 2021.

Fonte: The Economist

O dólar forte é um fenômeno global. O índice da Economist revela que apenas os consumidores da Suíça, Suécia e Noruega comem um Big Mac mais caro do que nos Estados Unidos.

Mas a aposta de muitos investidores é que esse ciclo está próximo do fim, ainda mais diante dos estímulos fiscais trilionários — leia-se impressão de dinheiro — promovidos pelo governo norte-americano para conter os efeitos da pandemia da covid-19 na economia.

A expectativa é que a eleição de Joe Biden também enfraqueça o dólar, já que o democrata deve adotar uma política menos protecionista do que o governo de Donald Trump.

Mas a aposta contra o dólar não é recomendada para investidores que não sejam profissionais. Pelo contrário, é sempre bom ter uma parcela da moeda norte-americana na sua carteira.

Ainda que a tendência do dólar seja de queda, eventuais distorções podem se manter durante muito tempo. Como já dizia Keynes, o mercado pode permanecer irracional por mais tempo do que você e eu podemos nos manter solventes.

Basta lembrar que o mesmo índice Big Mac apontou o real sobrevalorizado em relação à moeda norte-americana por oito anos — entre 2007 e 2015.

Embora o real tenha sido uma das moedas que mais perdeu valor no ano passado, outros países emergentes como México, Argentina, Turquia e Índia aparecem com o câmbio mais depreciado, de acordo com o indicador da Economist.

Outro sinal de que o sanduíche do McDonalds pode não estar tão barato assim no Brasil é que, ao ajustar o preço do famoso hambúrguer pelo PIB per capita, o real ainda aparece 20% sobrevalorizado em relação ao dólar.

Em outras palavras, o sanduíche com dois hambúrgueres, alface, queijo, molho especial, cebola e picles num pão com gergelim deveria custar 41% menos por aqui, considerando a realidade da população dos dois países. Confira o estudo completo no site da revista.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

RAIO-X DO ORÇAMENTO

Fundo eleitoral, emendas do relator e reajuste dos servidores: 3 pontos do Orçamento para 2022 que mexem com a bolsa esta semana

Entre emendas parlamentares superavitárias e reajuste dos policiais federais, o Orçamento deve ser publicado no Diário Oficial na segunda-feira (24)

PEC DOS COMBUSTÍVEIS

Tesouro pode perder até R$ 240 bilhões com PEC dos Combustíveis e inflação pode ir para 1% — mas gasolina ficará só R$ 0,20 mais barata; confira análise

Se todos os estados aderirem à desoneração, a perda seria de cifras bilionárias aos cofres públicos, de acordo com a XP Investimentos

Seu Dinheiro no Sábado

E a bolsa ainda pulsa: os grandões do Ibovespa brilham e puxam o índice — mas e as demais empresas?

Além do ciclo aquecido das commodities e da entrada de recursos estrangeiros, também vale lembrar o desconto nos ativos domésticos

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) aprofunda queda da semana e é negociado aos US$ 35 mil hoje pela primeira vez em seis meses; criptomoeda já caiu 17% em sete dias

Especialista dá dicas de como sobreviver ao momento de “sangria” do mercado de criptomoedas — e o que não fazer no desespero

Dê o play!

A bolsa ainda pulsa, mas será um último suspiro? O podcast Touros e Ursos discute o cenário para o Ibovespa

No programa desta semana, a equipe do Seu Dinheiro discute o cenário para o Ibovespa e os motivos que fazem a bolsa brasileira subir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies