Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-16T14:01:06-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
O hambúrguer e o câmbio

Está na hora de comprar ou vender dólar? A resposta pode estar no preço do Big Mac

Se levarmos em consideração o preço do sanduíche mais popular do mundo, a moeda norte-americana deveria valer R$ 3,87, segundo o índice calculado pela The Economist

16 de janeiro de 2021
8:02 - atualizado às 14:01
Big Mac - McDonald's
Imagem: Shutterstock

O dólar está caro ou barato? Se levarmos em consideração o preço do sanduíche mais popular do mundo, a moeda norte-americana deveria valer R$ 3,87 — ou 30% menos do que a cotação de dezembro. Pelo menos é o que indica o índice Big Mac, atualizado nesta semana pela revista The Economist.

O indicador foi criado em 1986 pela publicação britânica como uma forma de avaliar o poder de compra da moeda dos países. Por ser um produto com o mesmo padrão em todos os lugares onde é vendido, o sanduíche do McDonald's acaba se tornando ideal para esse tipo de comparação.

Leia também:

No Brasil, um Big Mac custava R$ 21,90 no fim do ano passado, enquanto um norte-americano pagava US$ 5,66 pelo mesmo sanduíche, o que indica uma taxa de câmbio implícita de R$ 3,87, de acordo com o levantamento da revista.

Com a forte alta do dólar ao longo do ano passado, o real ficou ainda mais barato pelo índice Big Mac. No início de 2020, quando o câmbio estava em R$ 4,14, a desvalorização da moeda brasileira era estimada em 15,3% com base no preço do sanduíche.

Então é hora de vender dólar?

Se considerarmos o indicador da revista britânica um bom parâmetro para o câmbio, o Big Mac brasileiro mais barato em relação ao americano pode ser um sinal de que está na hora de vender dólar.

A tendência de queda da moeda norte-americana, aliás, foi apontada por especialistas no especial do Seu Dinheiro Onde Investir em 2021.

Fonte: The Economist

O dólar forte é um fenômeno global. O índice da Economist revela que apenas os consumidores da Suíça, Suécia e Noruega comem um Big Mac mais caro do que nos Estados Unidos.

Mas a aposta de muitos investidores é que esse ciclo está próximo do fim, ainda mais diante dos estímulos fiscais trilionários — leia-se impressão de dinheiro — promovidos pelo governo norte-americano para conter os efeitos da pandemia da covid-19 na economia.

A expectativa é que a eleição de Joe Biden também enfraqueça o dólar, já que o democrata deve adotar uma política menos protecionista do que o governo de Donald Trump.

Mas a aposta contra o dólar não é recomendada para investidores que não sejam profissionais. Pelo contrário, é sempre bom ter uma parcela da moeda norte-americana na sua carteira.

Ainda que a tendência do dólar seja de queda, eventuais distorções podem se manter durante muito tempo. Como já dizia Keynes, o mercado pode permanecer irracional por mais tempo do que você e eu podemos nos manter solventes.

Basta lembrar que o mesmo índice Big Mac apontou o real sobrevalorizado em relação à moeda norte-americana por oito anos — entre 2007 e 2015.

Embora o real tenha sido uma das moedas que mais perdeu valor no ano passado, outros países emergentes como México, Argentina, Turquia e Índia aparecem com o câmbio mais depreciado, de acordo com o indicador da Economist.

Outro sinal de que o sanduíche do McDonalds pode não estar tão barato assim no Brasil é que, ao ajustar o preço do famoso hambúrguer pelo PIB per capita, o real ainda aparece 20% sobrevalorizado em relação ao dólar.

Em outras palavras, o sanduíche com dois hambúrgueres, alface, queijo, molho especial, cebola e picles num pão com gergelim deveria custar 41% menos por aqui, considerando a realidade da população dos dois países. Confira o estudo completo no site da revista.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

de olho na inovação

Amazon sinaliza interesse por criptomoedas em anúncio de emprego

Empresa procura “um líder de produto experiente para desenvolver a estratégia e o roadmap de produtos e moedas digitais

balanço em foco

Lucro da Hypera Pharma aumenta 18% no segundo trimestre

Cifra chegou a R$ 470,6 milhões no período; companhia obteve alta de 43,5% na receita líquida, a R$ 1,5 bilhão

seu dinheiro na sua noite

Quebrando recordes na corrida dos ETFs

A pira foi acesa em Tóquio: os Jogos Olímpicos estão oficialmente abertos — e eu estou empolgadíssimo. Não sei vocês, mas eu adoro as Olimpíadas, principalmente os esportes não muito convencionais. Claro, é legal assistir futebol, vôlei e basquete, mas eu gosto mesmo é de ver as modalidades que nunca passam na TV. Duelo de […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Inflação salgada pressiona juros, mas dados americanos amenizam alta do dólar — já a bolsa não escapou da queda

Em semana recheada de ruídos políticos e incertezas, o Ibovespa acumulou uma queda de 0,72%. Já o dólar à vista subiu 1,86%, a R$ 5,2105

de olho no ir

Alta da arrecadação não dá ‘total liberdade’ para reduzir impostos, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt considerou também que a reforma do IR ainda está em aberto, com muito para se discutir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies