Menu
2020-06-07T20:47:11-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Abandonando o barco

Após falas polêmicas, empresário Carlos Wizard desiste de assumir cargo no ministério da Saúde

Carlos Wizard, que assumiria a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, desistiu do cargo após declarações polêmicas nos últimos dias

7 de junho de 2020
20:47
Carlos Wizard
O empresário Carlos Martins, presidente das Wizard, escola de idiomas, durante entrevista na sede do jornal O Estado de S. Paulo. - Imagem: Nilton Fukuda / Estadão Conteúdo

O empresário Carlos Wizard Martins, recentemente escalado para fazer parte do quadro do ministério da Saúde, sequer chegou a integrar a pasta oficialmente. Na noite deste domingo (7), ele anunciou que não assumirá mais a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos — ele tomaria posse nesta segunda (8).

Em nota, Wizard agradeceu o ministro interino, Eduardo Pazuello, dizendo que optou por se dedicar de forma "solidária e independente" a trabalhos sociais em Roraima.

A desistência ocorre um dia após o empresário ter questionado a veracidade dos dados referentes ao surto de coronavírus que eram repassados por equipes de saúde de Estados e municípios. Segundo Wizard, as supostas fraudes serviriam para inflacionar o repasse de recursos federais.

Ele ainda disse que o governo 'não pretendia desenterrar mortos' — declarações que desencadearam uma enxurrada de críticas nas redes sociais e geraram notas de repúdio por parte de diversas secretarias de saúde estaduais e municipais.

O ministério da Saúde tem estado nos holofotes desde o fim da semana passada, quando a divulgação do boletim diário de contaminados e mortos por causa da coronavírus começou a ser divulgado cada vez mais tarde. Além disso, a própria publicação dos números foi alterada, com menos informações sendo passadas à população — um procedimento que fez o Ministério Público Federal abrir investigação.

Histórico

Carlos Wizard tem uma trajetória de sucesso no setor privado, tendo fundado a rede Wizard de ensino de línguas em 1987. Ele continuaria investindo no setor, adquirindo os grupos Yázigi, Microlins e Skill nas décadas seguintes — o conglomerado foi vendido para a britânica Pearson em 2013, por R$ 2 bilhões.

Desde então, Wizard comprou 100% das marcas Topper e Rainha, fundando a BR Sports. Em 2016, ele trouxe ao Brasil a rede Taco Bell de comida mexicana — na outra ponta do setor de alimentação, ele é dono da Mundo Verde, grupo dedicado à venda de produtos naturais.

No setor de educação, Wizard hoje possui 35% da rede de escolas de idiomas Wise Up.

Veja abaixo a íntegra da nota publicada pelo empresário neste domingo:

Informo que hoje (7/junho) deixo de atuar como Conselheiro do Ministério da Saúde, na condição pro bono. Além disso,...

Posted by Carlos Wizard on Sunday, June 7, 2020
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Dia de decisão

Fed mantém juros e ritmo de estímulos, mas fala de Powell pesa nos mercados

Presidente do Federal Reserve vê um longo caminho até que a economia americana se recupere dos impactos do coronavírus

desigualdade de gênero

Fundos têm que investir em empresas com mulheres no conselho, diz Luiza Trajano

No Brasil, 8% das posições em conselhos de administração, instância estratégia de uma companhia, são ocupadas por mulheres

Reação

Dias melhores virão para a Cielo? Saiba o que o mercado espera para a empresa depois do lucro acima do esperado

Empresa de maquininhas de cartão registra o primeiro aumento no lucro trimestral em três anos e ações disparam na B3. Mas os analistas ainda não recomendam a compra dos papéis

em meio à pandemia

Financiamento imobiliário cresce 58% em 2020 e bate recorde histórico

Expansão do crédito imobiliário em 2020 foi puxada, principalmente, pela liberação de financiamentos para a pessoa física fazer a compra de moradias

balanço

Contas externas têm saldo negativo de US$ 12,5 bi em 2020, diz BC

Brasil viu as importações de produtos caírem, enquanto as exportações se mantiveram em níveis elevados, puxadas pela venda de alimentos para outros países

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies