Menu
2020-08-13T13:16:07-03:00
Estadão Conteúdo
DEBANDADA NO MINISTÉRIO

‘Agenda de Guedes está enfraquecida’, diz Alexandre Schwartsman

Para o economista, há um descompasso claro entre a visão do presidente e a do ministro e Bolsonaro que desmoraliza a bandeira liberal com a qual se elegeu.

13 de agosto de 2020
13:16
Paulo Guedes
Paulo Guedes na abertura oficial do Fórum de Investimentos Brasil. - Imagem: Brasil Investment Forum

A debandada no Ministério da Economia, segundo as palavras do próprio ministro Paulo Guedes, mostra a fragilidade da chamada ala fiscalista do governo, para o ex-diretor do Banco Central e consultor Alexandre Schwartsman. Para o economista, há um descompasso claro entre a visão do presidente e a do ministro e Bolsonaro que desmoraliza a bandeira liberal com a qual se elegeu. A seguir, trechos de sua entrevista ao Estadão.

O próprio ministro Paulo Guedes disse que ocorre uma 'debandada' no Ministério da Economia. Foi excesso de sinceridade?

Tenho a impressão de que ele tentou fazer do limão uma limonada, tocar um certo terror na opinião pública, para ver se aumentava dentro do governo o apoio ao que ele quer fazer, sendo que esse apoio está nitidamente se reduzindo. É uma tentativa meio canhestra de tentar soar o alarme de que o negócio está ficando feio nas contas públicas. Já que o ministro vai perder, os secretários estão saindo e isso é um sintoma de enfraquecimento da agenda dele.

Bolsonaro se elegeu abraçado na agenda liberal. No entanto, os secretários deixam o governo como um sinal do afastamento dessa agenda. O presidente foi um liberal de ocasião?

Nem de ocasião. Ele foi oportunista, como qualquer político. Bolsonaro precisava de alguém para dar uma 'polida' em suas credenciais, para ganhar votos em um certo espectro da população brasileira. Tem gente na Faria Lima, representantes do mercado, que ainda acredita nessa imagem. Eu nunca acreditei, posso falar com tranquilidade sobre isso, mas basta olhar para o histórico do presidente. Na reforma da Previdência, ele lamentou quando ela foi aprovada. Bolsonaro pediu mais desculpas pela reforma da Previdência do que pelos mortos por covid-19.

O eleitor que apostou na proposta liberal deve ficar órfão?

Vai demorar mais 20 anos para que um presidente se eleja novamente com uma plataforma liberal. Bolsonaro desmoraliza o liberalismo, mais do que qualquer presidente de esquerda. E Guedes também. O presidente, por ser tosco; e o ministro, por ser raso. Eu não tenho nenhuma grande oposição a uma postura fiscalmente mais dura, à privatização e à abertura comercial. O que muita gente também notou ainda durante a campanha é que faltava um entendimento de como a política real funciona, para além das vontades ideológicas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

negócio em foco

BofA vê negócio entre Linx e Totvs com sinergias de R$ 3,8 bi

Acionistas da Linx receberiam diretamente 40% do valor das sinergias da fusão com Totvs, diz banco

seu dinheiro na sua noite

Vitória do Ibovespa (no segundo tempo)

“O time no segundo tempo ganhou de 2 a 1.” Foi assim que Fernando Diniz, o técnico do São Paulo, reagiu depois da derrota por 4 a 2 para a LDU no meio da semana e que praticamente eliminou a equipe da Libertadores. Diniz preferiu ignorar os 3 a 0 que o time levou na […]

Que modorra!

Bolsa passa por correção, mas zera perdas na reta final do pregão; dólar retoma alta

Principal índice de ações da B3 passou por correção e ignorou durante a maior parte do dia o impulso do setor de tecnologia à bolsa de Nova York

setor público

Reforma administrativa economiza R$ 400 bi até 2034, aponta estudo

Mesmo restringido a reforma apenas a novos servidores, o setor público poderia economizar pelo menos R$ 24,1 bilhões em 2024 com a aprovação das mudanças no seu RH, liberando o governo para investir mais em saúde, educação e segurança pública, segundo centro de estudos

retomada em pauta

Recuperação está longe de concluída, diz presidente do Fed do Kansas

Esther George fez a declaração durante discurso sobre os bancos comunitários, no qual enfatizou o papel destes para dar estabilidade na crise e apoiar a recuperação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements