Menu
2020-07-02T15:32:07-03:00
Estadão Conteúdo
40,5% de queda em relação a 2019

Venda de veículos novos cresce 113,6% em junho ante maio, diz Fenabrave

O volume registrado em junho, se comparado a igual mês do ano passado, apresenta queda de 40,5%

2 de julho de 2020
15:32
Honda carros veículos
Imagem: Shutterstock

A venda de veículos novos cresceu 113,6% em junho em relação a maio, com o emplacamento de 132,8 mil unidades, em soma que considera veículos leves e pesados. Os números foram divulgados nesta quinta-feira, 2, pela Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

O volume registrado em junho, se comparado a igual mês do ano passado, apresenta queda de 40,5%.

No acumulado do primeiro semestre, foram 808,8 mil veículos licenciados, recuo de 38,2% sobre a primeira metade do ano passado.

Nos resultados por segmento, destaca-se a venda de caminhões, que pela primeira vez desde o início da pandemia do novo coronavírus apresentou crescimento em um mês na comparação com igual mês do ano passado. Foram vendidas 8,7 mil unidades em junho, alta de 12,3% em relação a junho de 2019 e de 85% sobre o número de maio.

Único a crescer na comparação interanual em junho, o segmento de caminhões foi menos afetado pela pandemia, pois conseguiu manter alguma demanda de transportes durante a crise, em especial de produtos essenciais. Contudo, no primeiro semestre o mercado ainda amarga queda, com a venda de 37,6 mil unidades, baixa de 19,7%.

No mercado de veículos leves, que agrega automóveis e comerciais leves, as vendas somaram 122,7 mil unidades em junho, alta de 116,8% na comparação com maio, mas retração de 42,5% em relação a junho do ano passado. De janeiro a junho, foram licenciadas 763,2 mil unidades, recuo de 38,9%.

No caso dos ônibus, a venda atingiu 1,3 mil unidades no sexto mês do ano, alta de 58% sobre o resultado de maio, porém com contração de 34,1% ante o número de junho do ano passado. No primeiro semestre, a venda de ônibus acumula 7,8 mil unidades emplacadas, queda de 36,5% na comparação com igual período de 2019.

Revisões

A Fenabrave passou a prever queda de 37,1% para o mercado de veículos leves novos em 2020, conforme anunciado nesta quinta-feira. A projeção anterior, feita antes da pandemia do novo coronavírus, era de alta de 9%.

Se a estimativa da Fenabrave se confirmar, 2020 terminará com 1,672 milhão de emplacamentos de veículos leves, que agregam automóveis e comerciais leves.

Também houve revisão para o mercado de caminhões. A estimativa passou de alta de 24% para retração de 18,6%. Com a nova projeção, o segmento tende a terminar o ano com a venda de 82,8 mil unidades. A previsão para ônibus foi alterada de avanço de 16% para recuo de 39,1%, para 16,5 mil unidades.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies