Menu
2020-02-12T08:18:15-03:00
Estadão Conteúdo
projeção

S&P prevê que coronavírus prejudicará crescimento da zona do euro e Reino Unido

Projeção é de baixa de 0,1% a 0,2% em 2020, em função de uma queda nas exportações para a China e redução nos investimentos de empresas

12 de fevereiro de 2020
8:17 - atualizado às 8:18
Vírus coronavírus China Ibovespa
Imagem: Shutterstock

Os efeitos do novo coronavírus devem reduzir o crescimento da zona do euro e do Reino Unido em 0,1% a 0,2% em 2020, em função de uma queda nas exportações para a China e redução nos investimentos de empresas, segundo relatório elaborado por economistas da S&P Global Ratings.

A economia alemã, a maior da Europa, parece ser a mais sujeita a transtornos, visto que o setor manufatureiro e a produção de computadores, eletrônicos, equipamentos elétricos, máquinas e carros têm maior exposição, diz o relatório.

Por outro lado, o relatório aponta que a demanda doméstica na Europa - principalmente os gastos com consumo - é muito mais resiliente hoje do que em 2003, quando ocorreu a epidemia de Sars, também iniciada na China.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

E a fila aumenta

BR Partners faz registro de IPO que pode movimentar até R$ 620 milhões

Banco de investimentos fundado por Ricardo Lacerda pretende fazer uma oferta pública de Units, com faixa de preço entre R$ 16 e R$ 19

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies