Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-09-11T12:51:44-03:00
Estadão Conteúdo
Alta dos alimentos

‘Não adianta notificar produtor e varejo’, diz coordenador da FGV

Em relação à redução da alíquota de importação do produto para diminuir a alta de preços (outra medida adotada pelo governo), o especialista adverte que pode ser um jogo de efeito nulo, se o câmbio continuar a se desvalorizar

11 de setembro de 2020
12:51
Frutas expostas em supermercado em São Paulo
Frutas expostas em supermercado em São Paulo - Imagem: J.F. Diorio/Estadão Conteúdo

André Braz, coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e economista do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), diz que a decisão do governo de notificar produtores, supermercadista e ameaçar com multas por aumentos abusivos de preços dos alimentos da cesta básica, especialmente do arroz, que subiu quase 20% este ano para o consumidor, "não serve para nada". "Já aprendemos essa lição no passado", argumenta.

Quando houve intervenção e desrespeito às leis de mercado, o resultado foi mais escassez e alta de preço, lembra.

Em relação à redução da alíquota de importação do produto para diminuir a alta de preços (outra medida adotada pelo governo), o especialista adverte que pode ser um jogo de efeito nulo, se o câmbio continuar a se desvalorizar. Ele acredita que o ponto básico é reduzir as incertezas domésticas para que o dólar se estabilize e os preços das commodities agrícolas formados no mercado internacional parem de subir em reais. A seguir, trechos da entrevista.

A alta da inflação preocupa?

Não preocupa porque não é uma alta generalizada. Ela está concentrada nos preços de alimentos e a alimentação responde por 20% dos preços ao consumidor. Os outros 80% seguem muito bem comportados, até com queda. A preocupação que temos com a alta de alimentos é como ela afeta as populações mais carentes. Essa é uma preocupação social.

Quando a inflação dos alimentos deve voltar à normalidade?

No curto prazo, é difícil que volte à normalidade. A alimentação deve continuar respondendo majoritariamente pela inflação de 2020. Devemos encerrar o ano com inflação de dois dígitos para alimentos e a maior influência no índice geral. Mas, mesmo assim, a expectativa é chegar em dezembro com uma inflação média abaixo do piso da meta, que é 2,5%. Isso mostra que o efeito não é generalizado e concentrado em alimentos.

A alta dos preços de alimentos pode mudar o cenário da política monetária na reunião do Copom da próxima semana?

O desafio para a política monetária não existe neste momento. O juro básico deve continuar onde está. Não há nenhuma novidade que force o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) a tomar uma decisão diferente em relação aos rumos da Selic (a taxa básica de juros).

A decisão do governo de notificar produtores e varejistas e ameaçá-los com multa pelo aumento de preços resolve?

Não serve para nada. Já aprendemos essa lição no passado. Tivemos os fiscais do Sarney (José Sarney, presidente da República entre 1985 e 1990), uma turma que ia para rua. Tivemos congelamento de preço de energia. Nada disso surtiu efeito. Muito pelo contrário. Isso criou rigidez e desabastecimento. Quando você tabela ou limita as leis de mercado, os produtores são desestimulados a continuar naquele segmento. Em geral, o resultado é escassez de produto e aumento de preço. Não se deve intrometer nas leis de mercado.

Reduzir tarifa de importação de alimento tem efeito prático na inflação?

Pode não ter efeito prático, porque se o dólar continuar desvalorizando, o que se tirou de imposto pode, eventualmente, ter de importar o produto mais caro. Mas, em geral, quando se baixa imposto, cria-se um pouco mais de competitividade e acaba favorecendo alguma redução ou pelo menos o preço para de subir por algum tempo. O ideal seria fazer isso para os itens da cesta básica e não considerar somente o arroz.

A redução do auxílio emergencial para R$300 pode conter a demanda por alimentos?

Tira um pouco o fôlego das famílias. Vamos ter muita sorte se o período do fim do auxílio casar com a retomada da atividade. É o que está havendo agora com a flexibilização do isolamento. Na medida que o comércio volta à normalidade, gera-se mais emprego e renda. Talvez isso compense um pouco o recuo do auxílio emergencial.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Federal reserve

Dirigente do Fed vê economia próxima de atingir nível para início de tapering

Evans disse a instituição irá concentrar esforços no sentido de gerar inflação sustentável que seja consistente com sua meta oficial

Exile on Wall Street

Felipe Miranda: uma recomendação simples e direta para comprar agora; confira

Às vezes, a gente conta história, se mete a falar de filosofia, apresenta uma teoria com o intuito de demonstrar um ponto. E, às vezes, não tem nada disso. Seguimos a via mais direta nesta segunda-feira. Se aparecer uma oportunidade simples e eficiente, você deve aproveitá-la sem tergiversar.  Difícil entender a preferência de algumas pessoas […]

Mercados Hoje

Recuperação do petróleo e do minério de ferro puxam Ibovespa para o campo positivo, mas NY limita os ganhos

A semana está recheada de números importantes para o mercado, mas a segunda-feira começa no vermelho para o Ibovespa

Bitcoin (BTC) hoje

O que mexe com o preço do bitcoin (BTC) hoje: criptomoedas se recuperam após susto com China e analista da Bloomberg ajusta expectativas para o mercado até o final do ano

Assim como ó gosto duvidoso em sequências de filmes, a história da China contra o bitcoin não anima mais os fãs

Boletim focus semanal

Com nova elevação para o IPCA, mercado financeiro projeta inflação em 8,45% neste ano, aponta Boletim Focus

A previsão para 2021 está acima da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC, de 3,75% com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies