Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-05-20T17:44:15-03:00
Estadão Conteúdo
inflação do aluguel

IGP-M na 2ª prévia de maio desacelera a 0,01%

Índice acumulou elevação de 2,51% no ano de 2020 e alta de 6,22% em 12 meses, segundo a FGV

20 de maio de 2020
9:31 - atualizado às 17:44
prédio aluguel
Imagem: Shutterstock

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) desacelerou a alta a 0,01% na segunda prévia de maio, após ter aumentado 1,00% na segunda leitura de abril. A informação foi divulgada nesta quarta-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado, o índice acumulou elevação de 2,51% no ano de 2020 e alta de 6,22% em 12 meses.

A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem a segunda prévia do IGP-M deste mês. O IPA-M, que representa os preços no atacado, avançou 0,18% em maio, ante um aumento de 1,36% na segunda medição do mês passado. O IPC-M, que corresponde à inflação no varejo, apresentou queda de 0,59% na prévia de maio, depois de uma elevação de 0,28% em igual leitura de abril. Já o INCC-M, que mensura o custo da construção, teve avanço de 0,21% na segunda prévia deste mês, depois da alta de 0,22% apurada na segunda medição de abril.

O IGP-M é usado para reajuste de contratos de aluguel. O período de coleta de preços para cálculo do índice foi de 21 de abril a 10 de maio. No dado fechado do mês de abril, o IGP-M teve elevação de 0,80%.

IPAs

Os preços dos produtos agropecuários mensurados pelo IPA Agrícola recuaram 0,34% no atacado na segunda prévia do IGP-M de maio. Na mesma prévia de abril, houve um aumento de 2,76%.

Já os produtos industriais no atacado medidos pelo IPA Industrial aumentaram 0,38% na segunda prévia de maio, ante elevação de 0,84% na mesma prévia do mês anterior.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os bens finais caíram 0,33% na segunda prévia de maio, depois da queda de 0,02% na mesma prévia de abril.

Os preços dos bens intermediários tiveram redução de 1,39% na prévia de maio, ante uma alta de 0,23% na segunda prévia de abril. Os preços das matérias-primas brutas subiram 2,26% na segunda leitura de maio, após um aumento de 3,93% na mesma prévia de abril.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional

SALTO COM FINANÇAS

Itaú (ITUB4) escala 53 posições em ranking e se torna único brasileiro entre 500 marcas globais mais valiosas; veja lista completa

Além de figurar entre as marcas mais valiosas, o Itaú conquistou uma posição na lista dos 250 principais CEOs ou “guardiões de marca”

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Volatilidade a mil com decisão de juros do Fed, reabertura do fundo da Dynamo e nova aquisição da Petz: veja o que mexeu com o mercado hoje

O bom humor nos mercados era tanto nesta quarta-feira (26) que nem parecia dia de decisão de juros pelo Federal Reserve, o banco central americano. As bolsas americanas e europeias operavam em alta, ainda em clima de recuperação das perdas do início da semana, e o Ibovespa subia mais de 1,5%, ainda puxado pela entrada […]

Por que choras, Elon Musk?

Tesla (TSLA34) entrega balanço de gala, mas escassez de insumos produtivos azeda noite da montadora de Elon Musk e ações despencam em NY

O resultado da montadora veio recheado de recordes no quarto trimestre, mas os investidores concentraram-se em outra linha do balanço

Fechamento Hoje

NY desanda após fala de Powell, mas Ibovespa ainda consegue fechar em alta de quase 1%; dólar sobe na reta final

Decisão de juros do Federal Reserve até que agradou os mercados, mas discurso duro do presidente da instituição virou o humor dos mercados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies