Menu
2020-08-09T21:55:39-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
retomada

Inflação avança 0,36% em julho, puxada por gasolina e energia elétrica

Taxa divulgada hoje é a maior para um mês de julho desde 2016, segundo o IBGE; acumulado do ano é de 0,46%

7 de agosto de 2020
9:30 - atualizado às 21:55
luz energia elétrica lâmpada
Imagem: Shutterstock

A inflação de julho ficou em 0,36%, influenciada, principalmente, pelos preços da gasolina e da energia elétrica, segundo dados do IPCA divulgados nesta sexta-feira (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Gasolina e energia elétrica foram os dois itens de maior impacto no mês e passaram por reajustes. A taxa divulgada hoje é a maior para um mês de julho desde 2016, quando registrou 0,52%. Em comparação com o mês anterior, o aumento foi de 0,10 ponto percentual.

No acumulado do ano de 2020, o indicador é de 0,46%, enquanto nos últimos 12 meses é de 2,31%. O mercado financeiro estima que o IPCA deve encerrar o ano a 1,63%, segundo a edição mais recente do Focus, do Banco Central.

Alta de transportes

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, seis apresentaram alta em julho. O maior impacto vem de Transportes, que teve alta de 0,78% e contribuiu com 0,15 p.p. Entre os itens, a gasolina foi o que colaborou com o maior impacto individual (0,16 p.p.) no IPCA do mês, com alta de 3,42%.

“A gasolina continua revertendo o movimento que teve nos meses de abril e maio. Já havia subido em junho e voltou a subir em julho. Além disso, houve uma queda menos intensa das passagens aéreas em comparação com maio e junho”, detalha Pedro Kislanov, gerente da pesquisa.

Óleo diesel (4,21%), etanol (0,72%) e gás veicular (0,56%) também subiram, levando o grupo dos combustíveis a um resultado de 3,12%. Também houve alta no subitem metrô (0,94%), em função do reajuste de 8,70% nas passagens no Rio de Janeiro (3,31%), vigente desde 11 de junho. Ainda no grupo, houve queda nos subitens transporte por aplicativo (-8,17%) e passagem aérea (-4,21%), ambos com impacto de -0,01 p.p. no índice do mês.

Preço da energia elétrica

O grupo Habitação teve alta de 0,80% nos preços, uma aceleração em relação ao resultado de junho (0,04%) e contribuiu com 0,13 p.p para o índice. Nele, a segunda maior contribuição individual para o IPCA do mês (0,11 p.p.), o item energia elétrica variou 2,59%. Das 16 regiões pesquisadas, 13 apresentaram aumento, reflexo de reajustes tarifários em várias capitais.

Em São Paulo, onde houve um reajuste de 3,60% em uma das concessionárias, a alta no item foi de 4,49%. Já em Fortaleza, a alta foi de 5,29%, graças a um reajuste de 3,20%. Em Porto Alegre, cuja alta foi de 2,37%, houve reajuste de 5,23% em uma das concessionárias. Salvador, Recife e Belo Horizonte também tiveram aumento na tarifa de energia. Já Curitiba teve redução de 0,94% e a taxa do item caiu 2,92%.

Em Fortaleza e São Paulo, além dos reajustes, houve aumento da alíquota de PIS/COFINS. Já em Curitiba, a alíquota foi reduzida, além da redução tarifária. Vale lembrar que, no dia 26 de maio, a ANEEL anunciou que a bandeira verde, em que não há cobrança adicional na conta de luz, será mantida até dezembro.

Ainda no grupo Habitação, as variações dos subitens taxa de água e esgoto (0,02%) e gás encanado (-0,01%) derivam, respectivamente, da mudança de estrutura tarifária implementada em Brasília (0,46%), e da redução de 0,27% nas tarifas na cidade de São Paulo (-0,02%).

Já o grupo Artigos de residência (0,90%) apresentou a maior alta entre os grupos, embora tenha desacelerado em relação ao mês anterior (1,30%). Os destaques, mais uma vez, foram os artigos de tv, som e informática (2,87%), que contribuíram com 0,02 p.p. no IPCA de julho. Os preços dos eletrodomésticos e equipamentos (1,01%) também subiram. Em ambos, explica Kislanov, a questão cambial afeta diretamente os preços. Já os itens de mobiliário (-0,22%) seguem em queda, embora menor que a do mês de junho (-1,33%).

Alimentação tem estabilidade; vestuário cai

O grupo Alimentação e bebidas ficou próximo da estabilidade, variando 0,01%. A alimentação para consumo no domicílio apresentou alta de 0,14%, com o maior impacto positivo (0,09 p.p.) sendo das carnes, cujos preços subiram 3,68%.

Outros alimentos importantes na cesta das famílias, como o leite longa vida (3,79%), o arroz (2,20%) e as frutas (1,09%) também aumentaram. No lado das quedas, destacam-se a batata-inglesa (-24,79%), maior contribuição individual negativa no IPCA de julho, com -0,06 p.p., além da cenoura (-20,67%) e do tomate (-16,78%). No item alimentação fora do domicílio, queda de 0,29%, influenciada pelo resultado do subitem lanche (-0,86%).

Entre os grupos que apresentaram quedas nos preços, o destaque foi Vestuário, que apresentou a maior taxa negativa de julho, com -0,52%. Foi o 3º mês consecutivo de queda do grupo, que em maio registrou -0,58%, e em junho, -0,46%. “Pode estar relacionado à baixa demanda por conta da pandemia”, afirma Kislanov. Os demais grupos ficaram entre a queda de 0,12% em Educação até a alta de 0,51% em Comunicação.

Alta em todas as regiões

No que diz respeito aos índices regionais, todas as 16 áreas pesquisadas tiveram alta nos preços em julho. O menor índice ficou com a região metropolitana de Vitória (0,21%), especialmente por conta da queda nos preços da batata-inglesa (-38,28%) e do tomate (-21,19%). Já o maior resultado foi observado no município de Rio Branco (0,75%), particularmente em função da alta nos preços da gasolina (7,04%).

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980 e se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 1º a 28 de julho de 2020 (referência) com os preços vigentes no período de 29 de maio a 30 de junho de 2020 (base).

INPC de julho é de 0,44%

O IBGE também divulgou hoje (7) o Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC do mês de julho, que apresentou alta de 0,44%, também o maior resultado para um mês de julho desde 2016, quando o índice foi de 0,64%. No ano, a variação acumulada é de 0,80% e, nos últimos doze meses, o índice apresentou alta de 2,69%. Em julho de 2019, a taxa foi de 0,10%.

Os produtos alimentícios apresentaram alta de 0,14% enquanto os não alimentícios aumentaram 0,53%.As 16 áreas pesquisadas apresentaram aumento, sendo o maior no município de Rio Branco (0,83%), principalmente em função das altas da gasolina (7,04%) e das carnes (4,64%). Já o menor índice ficou com a região metropolitana do Rio de Janeiro (0,26%), por conta, especialmente, das quedas nos preços da batata-inglesa (-29,37%) e do tomate (-28,12%).

O INPC é calculado pelo IBGE desde 1979, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 05 salários mínimos, sendo o chefe assalariado, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 1º a 28 de julho de 2020 (referência) com os preços vigentes no período de 29 de maio a 30 de junho de 2020 (base).

Em virtude do quadro de emergência de saúde pública causado pela Covid-19, o IBGE suspendeu, no dia 18 de março, a coleta presencial de preços nos locais de compra. A partir dessa data, os preços passaram a ser coletados por outros meios, como pesquisas realizadas em sites de internet, por telefone ou por e-mail.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Balanço

Setor público tem superávit primário de R$ 2,953

O resultado primário reflete a diferença entre receitas e despesas do setor público, antes do pagamento da dívida pública

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Divórcio amigável

Itaúsa sinaliza que pode aceitar proposta da XP por ações da corretora

Holding que é uma das principais acionistas do Itaú Unibanco avaliou como positiva a proposta da XP Investimentos pelas ações com “supervoto” da corretora que hoje estão nas mãos do banco

mercados hoje

Ibovespa tenta manter rali em meio à queda em NY; dólar cai de olho em agenda econômica

Índice caminha para terminar novembro em alta de 18%, enquanto moeda norte-americana deve fechar mês caindo 8%

Razões para sorrir

Com estratégia pulverizada ao longo de novembro, Black Friday fez Magalu crescer mais de 100% no digital

Na ressaca da Black Friday, os investidores pesam o desempenho das companhias de varejo nos últimos dias. Por volta das 10h50, as ações do Magalu subiam 2,03%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies