Menu
2020-08-24T16:30:33-03:00
Estadão Conteúdo
MELHORA NOS INDICADORES

Indústria da Construção tem recuperação em julho e retomada da confiança, diz CNI

Indicadores como confiança e intenção de investir estão acima da média histórica e a Utilização da Capacidade Operacional voltou para um patamar semelhante ao verificado no período pré-pandemia.

24 de agosto de 2020
16:29 - atualizado às 16:30
máscara indústria coronavírus
Imagem: shutterstock

A indústria da construção mostrou recuperação da atividade em julho, consolidando a retomada do setor após o tombo histórico registrado em abril, quando a crise causada pela pandemia de covid-19 atingiu o seu ápice. De acordo com a Sondagem da Indústria da Construção de julho, divulgada nesta segunda-feira, 24, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), indicadores como confiança e intenção de investir estão acima da média histórica e a Utilização da Capacidade Operacional voltou para um patamar semelhante ao verificado no período pré-pandemia.

A pesquisa mostra recuperação também nos índices de atividade e do número de empregados do setor. "Os índices de evolução do nível de atividade e do número de empregados apresentaram melhor evolução no mês de julho em relação a junho, a despeito da pandemia de covid-19. As altas fizeram ainda com que os índices voltassem a superar suas médias históricas, o que indica desempenho mais favorável que o usualmente refletido pelo índice", registra a sondagem.

O índice de nível de atividade da construção chegou a 48,1 pontos em julho, o que representa alta de 3,8 pontos em relação ao mês anterior. O índice de evolução do número de empregados passou de 43,4 pontos em junho para 46,8 pontos em julho.

A Utilização da Capacidade Operacional passou de 55% em junho para 58% em julho. Segundo a CNI, com essa alta, o indicador recupera grande parte da queda de março e abril e ainda fica um ponto porcentual acima do registrado em julho de 2019 e superior à média para o mês entre 2015 e 2017.

Expectativas

O Índice de Confiança do Empresário da Construção (ICEI-Construção) teve aumento de 7,7 pontos, atingindo 54 pontos em agosto. Essa foi a quarta alta consecutiva do índice, após as quedas de março e abril. Com esse crescimento em agosto, o índice ficou acima da linha divisória dos 50 pontos, confirmando a retomada da confiança dos empresários do setor.

A CNI destaca que os índices de expectativa superaram a linha divisória de 50 pontos, que separa perspectivas de queda das de alta, pela primeira vez desde a queda de abril.

Os indicadores de expectativas de compras de insumos e matérias-primas e do número de empregados registraram 52,8 e 52,3 pontos, após crescimento de 3,3 e 2,9 pontos, respectivamente. Os índices de expectativas do nível de atividade e de novos empreendimentos e serviços alcançaram 54,3 pontos e 53,2 pontos, respectivamente, alta de 4,2 e 5,2 pontos em agosto.

A intenção de investimento reflete também a expectativa positiva para o futuro. O indicador teve alta de 4,7 pontos em agosto, atingindo 39,5 pontos. Esse patamar se aproxima dos níveis pré-pandemia, que registrava um índice acima de 40 pontos. A média histórica desse indicador é de 34,1 pontos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Queda bilionária

BC tem perda de R$ 5,081 bi com swap cambial em fevereiro

O BC obteve ainda um ganho de R$ 9,699 bilhões com a rentabilidade na administração das reservas internacionais no mês passado.

pandemia em alta

Alta de casos de covid-19 e restrições em SP derrubam ações de varejistas e shopping centers

Governo paulista decide fechar comércio não essencial após estado bater recorde no número diário de mortes

via de mão dupla

PEC do auxílio tem de ter contrapartida, diz Funchal

“Se essa PEC não andar com as contrapartidas, o vulnerável que vai ter o benefício hoje será o desempregado dos próximos anos”, diz Funchal.

Mudanças a caminho

Se PEC for aprovada, 14 Estados já podem congelar salário de servidor

Pela proposta, as medidas de ajuste seriam acionadas sempre que as despesas obrigatórias primárias excedessem 95% das receitas correntes.

Décimo Andar

[Vídeo] O que aconteceu (e acontecerá) com os fundos imobiliários?

Tijolos, argamassa, tinta e cimento. É nisso que investem pessoas que tem fundos imobiliários? Não exatamente. Os empreendimentos como shoppings, escritórios e lojas é que geram valor a esses materiais. E com a pandemia de covid-19, diversos desses estabelecimentos acabaram entregando as chaves, o que provocou um certo desconforto no setor imobiliário. Acompanha o comentário […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies