Menu
2020-05-06T08:49:46-03:00
Estadão Conteúdo
Economia

FGV prevê queda de 8% na produção industrial

O setor pode regredir quase duas décadas em termos de produção e voltar ao nível de 2003.

6 de maio de 2020
8:49
Instalações da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) na cidade de Volta Redonda
Imagem: Marcos Arcoverde/Estadão Conteúdo

Com a economia paralisada por conta da pandemia do novo coronavírus, a expectativa é que a produção industrial este ano caia 8,2%, segundo estimativa de pesquisadores do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), feita a pedido do jornal O Estado de S. Paulo. Se o cenário se concretizar, o setor pode regredir quase duas décadas em termos de produção e voltar ao nível de 2003.

Assim, se o cenário de queda de produção de 8,2% para este ano se concretizar, será o pior resultado da série da PIM, iniciada em 2002, empatando com o resultado de 2015, quando o País entrou em recessão.

Na terça-feira, 5, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que a produção industrial caiu 9,1% em março, na comparação com fevereiro - o pior resultado para o mês desde 2002, pela Pesquisa Industrial Mensal (PIM).

Como os efeitos do isolamento social, necessário para achatar a curva de contágio do novo coronavírus, foram mais fortes a partir de abril, a queda da produção da indústria deve ter sido pior no mês passado, lembra a economista Luana Miranda, pesquisadora de Economia Aplicada do Ibre.

"Vai ser uma recuperação bastante dolorosa para a indústria, que já vinha de dois anos de recessão, após o desastre com o rompimento da barragem em Brumadinho (em 2019) e as perdas no setor de transformação, por conta da crise econômica na Argentina, principal destino de manufaturados brasileiros", diz Luana.

Rafael Cagnin, economista do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), avalia que é preciso trabalhar com um cenário de recuperação lenta e fraca da indústria após a pandemia. "A gente pode ter períodos intermitentes de isolamento social, com desemprego alto e falência de empresas. O que estamos vendo na indústria é um momento parecido com o da greve dos caminhoneiros, em 2018, só que mais imprevisível."

Quando considerado o Produto Interno Bruto (PIB) industrial, que leva em conta mais setores da indústria do que a PIM, a expectativa de queda é menor, mas ainda assim expressiva: de 7% este ano ante 2019, segundo projeção da consultoria MacroSector para o jornal O Estado de S. Paulo.

Não houve uma queda dessa magnitude desde 1990, época do confisco da poupança pelo plano Collor, quando a taxa caiu 8,2%.

Antes da pandemia a expectativa era de aumento de 2% do PIB industrial, após uma alta de 0,5% no ano passado.

"Se nada for feito, a indústria brasileira vai ser minúscula daqui a alguns anos. Ela já praticamente não consegue competir com os equivalentes internacionais. Faltam planejamento e liderança para uma virada de jogo", avalia Fábio Silveira, sócio-diretor da MacroSector.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

homem negro espancado

Carrefour tomba 6% e lidera quedas do Ibovespa após protestos e pedidos de boicote pela morte de João Alberto de Freitas

Homem negro foi assassinado por dois seguranças de um estabelecimento da rede de supermercados em Porto Alegre. Ato gerou pedidos de boicotes por artistas e usuários de redes sociais, além de manifestações em frente e dentro de lojas do Carrefour

SANGUE FRIO E CAPACITADO

‘Pessoa física deu show este ano’, diz presidente da B3

Investidor pessoa física aproveitou baixa do mercado e se posicionou para alta, enquanto institucionais e estrangeiros saíam do mercado, diz Finkelsztain

raio-x do setor

Lançamentos de imóveis no país caem no 3º tri, diz CBIC; vendas sobem

O estoque de imóveis disponíveis para venda chegou a 173.601 unidades em setembro, corte de 13% em relação ao mesmo período do ano passado.

Na briga pelo cliente

Na onda da taxa zero, Vitreo lança home broker com tarifa zerada

Isenção de taxa de corretagem é somente para aqueles que que executarem a ação utilizando uma boleta simplificada no site ou no aplicativo.

regulação dos aai

Estudo da CVM recomenda fim da exclusividade entre agentes autônomos e corretoras

Análise da xerife do mercado de capitais aponta necessidade de reavaliar exclusividade desse profissional, prevista em instrução da autarquia. Hoje, maioria absoluta dos agentes se encontra sob o guarda-chuva da XP

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies