Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-07T14:47:47-03:00
Estadão Conteúdo
o baque da pandemia

Covid-19 faz comércio perder R$ 53,3 bi em faturamento, diz CNC

Estimativa sinaliza uma queda de 46,1% no faturamento do comércio varejista desde a introdução de medidas restritivas até esta terça-feira

7 de abril de 2020
14:47
Comércio
Imagem: Fotos Públicas

Após os dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontarem alta de 1,2% nas vendas do varejo em fevereiro ante janeiro, sem efeitos da covid-19, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estimou perda de R$ 53,3 bilhões no faturamento do comércio desde que a pandemia se consolidou no País, na comparação com o ano passado.

Com isso, as vendas do varejo de março poderão ter o pior desempenho da série histórica da PMC, iniciada no ano 2000, segundo relatório da Divisão Econômica da CNC.

"Não houve registro de interrupção tão drástica das atividades comercias como a que o setor tem experimentado desde o aumento no número de casos de Covid-19 no Brasil. Diante da escalada do número de casos de contágio do novo coronavírus, a edição de decretos regionais determinando o fechamento de estabelecimentos comerciais em atendimento às medidas de isolamento social tem se intensificado no Brasil", diz o relatório.

A estimativa da CNC para março sinaliza uma queda de 46,1% no faturamento do comércio varejista desde a introdução de medidas restritivas até esta terça-feira, dia 7, na comparação com igual período de 2019. A projeção considerou dados de dez Estados, responsáveis por 72,5% do volume de vendas do varejo nacional.

"De acordo com o serviço de georreferenciamento do Google, a mobilidade de pessoas nos estabelecimentos comerciais ao final de março foi reduzida dramaticamente. No varejo de rua, nos shopping centers, livrarias e cinemas houve queda de 71% na circulação de consumidores em todo o Brasil.

As maiores quedas regionais ocorreram nos Estados de Santa Catarina (-80%), Sergipe (-78%) e Alagoas (-77%)", diz o relatório da CNC.

Segundo o estudo da CNC, os dados de georreferenciamento mostram queda no movimento mesmo no varejo essencial, como supermercados, minimercados, mercearias e farmácias. O relatório da entidade também lança dúvidas sobre a capacidade de os serviços de entregas ou o comércio eletrônico aliviarem as perdas de forma relevante.

"Por mais que o varejo eletrônico e os serviços de delivery tenham contribuído para diminuir as perdas nas vendas, a participação das receitas a partir desses serviços ainda é pequena se comparada ao consumo presencial e não tem conseguido compensar em curto espaço de tempo a queda na circulação de consumidores. Além disso, o efeito da própria retração econômica sobre a renda dos consumidores, em especial daqueles que trabalham por conta própria ou exercem informalmente algum tipo de atividade remunerada, certamente contribuiu para o recuo na movimentação e no consumo após o agravamento da Covid-19 no país", diz o relatório.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Prévia da estatal

Petrobras (PETR4) anuncia produção do terceiro trimestre hoje, mas os dados da ANP já antecipam o que vem por aí; confira

Os dados chegam ao mercado em um momento de fortes críticas à política de preços da companhia e ameaças de desabastecimento

Exile on Wall Street

Quem não tem teto de vidro? As implicações das ameaças ao teto de gastos sobre seus investimentos

Ameaça ao teto fiscal exige atenção redobrada sobre a necessidade de diversificação e algumas proteções para a carteira – e há possíveis bons hedges para o momento

bitcoin (BTC) hoje

É recorde! Bitcoin (BTC) atinge nova máxima histórica com o novo rali das criptomoedas

A aprovação do ETF nos EUA impulsionou a alta do bitcoin, mas a principal criptomoeda do mercado pode subir ainda mais, segundo analistas

MERCADOS HOJE

Ibovespa engata recuperação, mas segue sob pressão do risco fiscal; dólar tem alívio após leilão do BC, mas juros futuros disparam

A agenda local está esvaziada nesta semana, mas os investidores aguardam por um desfecho para a PEC dos precatórios

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: estaria o governo querendo furar o teto?

Ignorando o bom humor internacional de ontem, nós brasileiros vivemos nossa própria realidade, muito afetados com o vaivém de Brasília, que prejudicou bastante os mercados e que promete prejudicar ainda mais nos próximos dias

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies