Menu
2020-08-08T11:33:29-03:00
Estadão Conteúdo
Mesmo com juro baixo

Com R$ 28 bilhões, poupança tem aporte recorde

Esse é o maior volume de depósitos líquidos para um mês de julho em toda a série histórica e o quinto mês consecutivo com depósitos líquidos na poupança

8 de agosto de 2020
11:33
poupança no cofre de porquinho
Imagem: Shutterstock

A captação líquida de recursos na caderneta de poupança em julho foi de R$ 28,144 bilhões - acima dos R$ 27,144 bilhões divulgados na quinta-feira, 6. O Banco Central alterou na sexta-feira, 7, os dados referentes à poupança no mês passado, divulgados originalmente um dia antes, em função de correção feita nos números informados à instituição.

Com isso, esse é o maior volume de depósitos líquidos para um mês de julho em toda a série histórica, iniciada em 1995, e também foi o quinto mês consecutivo em que houve registro de depósitos líquidos.

Em março, quando a pandemia do novo coronavírus fez com que o isolamento social se intensificasse, com reflexos sobre a atividade econômica, as famílias já haviam depositado R$ 12,169 bilhões líquidos na poupança. Em abril, foram R$ 30,459 bilhões.

Em maio, R$ 37,201 bilhões. Em junho, R$ 20,534 bilhões. Essa corrida para a caderneta é justificada pela postura das famílias em relação à crise e pelas ações do governo para manter a renda da população.

Nos últimos meses, o BC vem citando, por meio de documentos oficiais, que existe o risco de que a pandemia aumente a "poupança precaucional" no Brasil. Em outras palavras, o BC vê o risco de que as famílias, com medo do desemprego e da redução da renda, aumentem depósitos em aplicações como a caderneta de poupança, para formar um "colchão" em caso de emergências. Isso é visto com ressalvas, porque mais dinheiro na poupança significa menos consumo - e ainda mais dificuldades para as empresas brasileiras.

O pagamento do auxílio emergencial à população de baixa renda, no valor de R$ 600, é outro fator que contribuiu para o aumento dos depósitos na poupança nos últimos meses. Os depósitos começaram a ser feitos em 9 de abril e parte deles segue depositado na poupança, por precaução.

Os números de julho mostram que os depósitos brutos na caderneta foram de R$ 292,303 bilhões, enquanto os saques atingiram R$ 264,159 bilhões. Com isso, chegou-se à captação líquida de R$ 28,144 bilhões. No ano até julho, a poupança acumulou depósitos líquidos de R$ 112,579 bilhões.

Chama a atenção o fato de que a poupança vem recebendo depósitos líquidos nos últimos meses a despeito de sua rentabilidade estar cada vez menor. Atualmente, a poupança é remunerada pela taxa referencial (TR), que está em zero, mais 70% da Selic (a taxa básica de juros). A Selic, por sua vez, está em 2,00% ao ano, no menor patamar da história. Na prática, a remuneração atual da poupança é de 1,4% ao ano - um porcentual que pode nem mesmo compensar a inflação corrente.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

EUA X China

Trump X TikTok: empresa chinesa tenta impedir proibição de downloads

Decisão judicial pode barrar restrição, que passaria a valer a partir de meia-noite deste domingo nos Estados Unidos.

A 38 dias da eleição

Trump anuncia nomeação de Barrett para a Suprema Corte

Nomeação ainda precisa ser confirmada pelo Senado, que hoje tem maioria Republicana.

Últimos ajustes

Guedes se reúne com líder do governo na Câmara para discutir Reforma Tributária

Segundo o deputado Ricardo Barros, na segunda-feira a proposta já estará fechada para uma rodada de discussão com os líderes da base governista no Congresso.

Em 2020

Pandemia tira R$ 12 bilhões em investimentos

Investimentos públicos em infraestrutura deverão ser 10% menores em relação ao estimado antes da pandemia de covid-19.

Entrevista

“A crise econômica será severa e prolongada”, diz de Bolle

Em novo livro, economista defende que é preciso romper com padrões estabelecidos de estratégia econômica – como o teto de gastos – para responder aos desafios trazidos pelo novo coronavírus.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements