Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-09-02T19:46:38-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
análise

Por que a Bolsa sobe apesar da queda recorde do PIB? Os 5 pontos que animam o mercado financeiro

Percepção dos agentes financeiros é de que o pior já passou e que a economia brasileira não deve seguir as piores projeções do ápice da crise; abaixo você confere cinco tópicos importantes para o mercado sobre o PIB

1 de setembro de 2020
13:59 - atualizado às 19:46
Bolsa de valores de São Paulo
Bolsa de valores de São Paulo - Imagem: Shutterstock

O Ibovespa sobe mais de 2% nesta terça-feira (1), após a divulgação da queda de 9,7% do PIB brasileiro no segundo trimestre. Apesar da disparidade entre economia e bolsa (a alta é de quase 30% desde março), detalhes dos números do IBGE justificam parte do otimismo do mercado.

Abaixo você confere cinco pontos positivos (ou menos ruins) que influenciaram a percepção do mercado sobre o PIB do período:

1. Auxílio emergencial

A queda do consumo das famílias foi de 12,5% no segundo trimestre, segundo o IBGE. Mas teria sido maior se não fosse o auxílio emergencial criado por governo e Congresso. “Isso injetou liquidez na economia”, disse Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE.

Cerca de 4,4 milhões (6,5%) de domicílios no Brasil sobreviveram, em julho, apenas com a renda do auxílio emergencial, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

O auxílio começou a ser pago em abril, e foi estabelecido em três parcelas de R$ 600. Em junho, o programa foi prorrogado por mais duas parcelas, no mesmo valor. Nesta terça-feira, o governo oficializou outra extensão com mais quatro parcelas de R$ 300 até o final do ano.

Ao mesmo tempo que o auxílio sustenta parte importante da economia, o mercado teme o descontrole da dívida do país - os gastos foram impulsionados com as medidas demandadas pela pandemia em um "Orçamento de guerra".

2. Avanço do agropecuária

Historicamente um setor forte para a economia brasileira, a agropecuária também ajudou a evitar uma queda ainda maior da economia brasileira. O setor avançou 1,6% na comparação anual, embora o PIB tenha caído 5,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

A economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, chama a atenção para a valorização do dólar - que beneficia as companhias exportadoras do setor. "A nossa Bolsa também tem muitas dessas empresas, que são atreladas a economia real", diz.

Também explica o avanço da agropecuária o fato de que as economias no exterior começaram o processo de reabertura antes do que no Brasil. Empresas do setor se viram beneficiadas enquanto o país ainda passava pelo auge da pandemia.

3. Otimismo com setor imobiliário

De acordo com os dados do IBGE, na comparação anual as atividades imobiliárias avançaram 1,4% - alta de 0,5% contra o trimestre anterior. A alta pode ser explicada, segundo Abdelmalack, pelo otimismo que se tinha com o setor de imóveis no ano passado. "Era visto como um dos drivers de crescimento da economia", diz.

O mercado estava em um lento processo de recuperação da crise anterior, mas via nos juros baixos a principal razão para acreditar que 2020 seria um bom ano.

Em tese, a Selic baixa pode atrair o investidor que busca maiores retornos e também reduz o custo dos financiamentos imobiliários - pois os juros do crédito também tendem a diminuir.

Vale ressaltar que a condição do juro baixo se mantém, e pode ser um dos motores de retomada econômica nos próximos meses. Ontem, o Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP) revelou que o mercado imobiliário na cidade de São Paulo voltou a crescer em julho.

As vendas de apartamentos novos atingiram 4,3 mil unidades no mês - avanço de 45,5% em relação ao mês anterior e de 21,1% sobre o mesmo período do ano passado.

4. Retomada mais rápida que o esperado

No auge do pessimismo dos analistas, o tombo da economia brasileira estimado para este ano chegou a 9,1% em junho, para o Fundo Monetário Internacional (FMI). No dia 26 daquela mês, o Focus, do Banco Central, apontava baixa de 6,4%.

Mas a publicação, que compila projeções de cerca de uma centena de instituições financeiras a cada semana, tem mostrado que o mercado está mais próximo de acreditar em uma recuperação em "V" - de tombo e rápida retomada.

O diretor da corretora Mirae, Pablo Spyer, lembra que o dado do PIB é como um retrovisor, e o investidor olha para frente. "Os indicadores antecedentes de atividade econômica - entre eles, consumo de energia elétrica, tráfego de veículos pesados nas estradas, consumo de papelão ondulado - têm subido progressivamente desde abril", diz.

Nesta segunda-feira, o IHS Markit divulgou um dado que corrobora os exemplos do economista: o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial brasileiro atingiu nova máxima histórica em agosto, aos 64,7 pontos.

Quando acima dos 50 pontos, o PMI indica melhora nas expectativas dos empresários, com base em nível de produção, novas encomendas, entre outros.

5. Esperança nas reformas

Se antes da pandemia o mercado financeiro tinha as reformas como um dos guias para o otimismo, passado o ápice da crise o mantra retorna com um selo de ainda mais urgência.

Para o responsável pela área de renda variável da Vera Investimentos, Fabio Galdino, o governo também deveria estar com uma política "consistente" para a geração de emprego.

"Mas precisa olhar em especial para a reforma administrativa - o governo precisa equalizar seus custos", afirma, elencando em seguida a reforma tributária.

A reforma administrativa ainda não foi enviada ao Congresso, já a primeira fase da reforma tributária foi enviada pelo governo em julho - embora já existissem PECs em discussão entre deputados e senadores.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies