🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
maria vai com as outras?

‘BC deve relutar em reduzir juros’ diz chefe do Centro de Estudos Monetários da FGV

Para José Júlio Senna, não há garantia de que o corte de 0,5 ponto porcentual nos juros nos Estados Unidos tenha continuidade e o mais provável é que o Banco Central brasileiro não faça o mesmo na próxima reunião.

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
4 de março de 2020
9:35 - atualizado às 9:49
proteção
Imagem: Shutterstock

Para José Júlio Senna, chefe do Centro de Estudos Monetários do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), não há garantia de que o corte de 0,5 ponto porcentual nos juros nos Estados Unidos, feito pelo Federal Reserve (Fed), tenha continuidade e o mais provável é que o Banco Central brasileiro não faça o mesmo na próxima reunião, nos dias 17 e 18 deste mês.

Com a redução, uma resposta aos impactos do coronavírus na economia, as taxas de juros americanas passaram para a faixa de 1% a 1,25%. Senna, que também foi diretor da Dívida Pública e Mercado Aberto do Banco Central (1985), diz acreditar que há limite para os cortes da Selic, os juros básicos, hoje em 4,25% ao ano. A seguir, trechos da entrevista.

A decisão do Fed, de corte de juros, surpreende?

Foi uma surpresa. Tudo começa com o comunicado que foi feito na última sexta-feira. Está longe de ser uma coisa comum o Fed fazer um comunicado tão firme entre duas reuniões. Isso não foi feito só pela cabeça do presidente da instituição, Jerome Powell. Mesmo assim, seria de se esperar um movimento efetivo como o de hoje? Acho que não.

O que levou a essa decisão?

O que estava acontecendo era uma piora bastante significativa das condições financeiras nos Estados Unidos. As Bolsas americanas caíram entre 10% e 12% na semana do comunicado. Como os Estados Unidos são vistos com um porto seguro, o dólar se fortaleceu. Muito provavelmente, o banco central americano também percebeu que houve uma piora de certos spreads de juros e de juros de longo prazo. Um banco central não tem controle direto sobre as condições financeiras, mas esse cenário acabou contribuindo para a decisão.

O corte de juros nos EUA faz sentido agora?

Cortar juros, em si, é sempre uma decisão controversa. Neste caso, o fato concreto é que na entrevista coletiva, Powell teve dificuldade em explicar como houve uma mudança de atitude tão repentina. Há uma semana, eles haviam dito que o estado da política monetária americana era satisfatório. Essa mudança de rumo ajudou a trazer um pouco desse clima ruim. Tanto que as Bolsas começaram a cair em seguida.

Há uma justificativa, então, para o corte de juros?

Sim, a justificativa para o Fed ter agido é transparente. O que a gente não sabe é se haverá uma continuidade da política de corte de juros nos Estados Unidos. Ainda é cedo para saber. Essa é a questão mais importante. Em outros episódios, em que houve uma reunião extraordinária, não foi incomum ter uma continuidade. A diferença é que nesses casos havia um quadro recessivo e de desemprego em alta, como em 2008. Mas a situação da economia americana agora não é essa. O próprio presidente do Fed destacou que a geração de empregos é robusta.

E os EUA têm se saído melhor do que outros países desenvolvidos, certo?

Sim. Só para comparar, enquanto as economias da zona do euro e do Japão se arrastam, a dos EUA está indo bem. Essa situação não está mudando com a crise do coronavírus, por mais preocupante que ela seja. Mas pode ser que a crise se agrave e o Fed tenha de fazer novos cortes. Política monetária é assim mesmo, você vê o que está acontecendo e toma uma decisão.

Então, pode ter sido só um ajuste nos juros, sem continuidade?

Sim. Tenho sérias dúvidas se esse processo terá continuidade. O Fed tentou passar a ideia de que fez um ajuste mais forte do que o que tem sido comum, mas pode ser que não esteja no radar deles fazer outro corte de juros por agora.

O movimento nos Estados Unidos pode ter impacto no Brasil? O Banco Central pode estender o corte da Selic, os juros básicos?

Primeiro, é preciso lembrar que o BC tem uma preocupação importante com o câmbio, embora não o diga. Ele tem tido sucesso em manter a inflação baixa, há um apoio da política de governo desde a época em que foi implementado o teto de gastos, em 2016, e uma preocupação com o ajuste fiscal. A política do BC tem dado suporte à condução da política monetária.

E, mesmo com a depreciação do real, a inflação não se altera.

Sim, o repasse das altas do dólar para os preços tem sido mais contido, porque a atividade econômica ainda está deprimida. Agora, existem limites para o corte de juros - e esse limite não é o céu. Depreciações cambiais muito fortes, como a que estamos presenciando agora, podem atrapalhar esse processo. Se os juros forem ajustados muito para baixo, a pressão sobre o dólar aumentará.

Então, não necessariamente haverá um nove corte da Selic agora, na próxima reunião, dos dias 17 e 18?

Acredito que o BC deva relutar um pouco em reduzir os juros. Na entrevista coletiva, o presidente do Fed não respondeu se havia uma ação coordenada em outros bancos centrais para corte de juros, mas também não quer dizer que não haja. Se outros BCs seguirem o movimento do Fed, o Banco Central do Brasil pode ter de fazer o mesmo, embora tenha mostrado muito cuidado na administração dos juros até agora.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo.

Compartilhe

SOBE MAIS UM POUQUINHO?

Campos Neto estragou a festa do mercado e mexeu com as apostas para a próxima reunião do Copom. Veja o que os investidores esperam para a Selic agora

15 de setembro de 2022 - 12:41

Os investidores já se preparavam para celebrar o fim do ciclo de ajuste de alta da Selic, mas o presidente do Banco Central parece ter trazido o mercado de volta à realidade

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

OUTRA FACE

O que acontece com as notas de libras com a imagem de Elizabeth II após a morte da rainha?

9 de setembro de 2022 - 10:51

De acordo com o Banco da Inglaterra (BoE), as cédulas atuais de libras com a imagem de Elizabeth II seguirão tendo valor legal

GREVE ATRASOU PLANEJAMENTO

Banco Central inicia trabalhos de laboratório do real digital; veja quando a criptomoeda brasileira deve estar disponível para uso

8 de setembro de 2022 - 16:28

Essa etapa do processo visa identificar características fundamentais de uma infraestrutura para a moeda digital e deve durar quatro meses

FAZ O PIX GRINGO

Copia mas não faz igual: Por que o BC dos Estados Unidos quer lançar um “Pix americano” e atrelar sistema a uma criptomoeda

30 de agosto de 2022 - 12:08

Apesar do rali do dia, o otimismo com as criptomoedas não deve se estender muito: o cenário macroeconômico continua ruim para o mercado

AMIGO DE CRIPTO

Com real digital do Banco Central, bancos poderão emitir criptomoeda para evitar “corrosão” de balanços, diz Campos Neto

12 de agosto de 2022 - 12:43

O presidente da CVM, João Pedro Nascimento, ainda afirmou que a comissão será rigorosa com crimes no setor: “ fraude não se regula, se pune”

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

PRATA E CUPRONÍQUEL

Banco Central lança moedas em comemoração ao do bicentenário da independência; valores podem chegar a R$ 420

26 de julho de 2022 - 16:10

As moedas possuem valor de face de 2 e 5 reais, mas como são itens colecionáveis não têm equivalência com o dinheiro do dia a dia

AGRADANDO A CLIENTELA

Nubank (NUBR33) supera ‘bancões’ e tem um dos menores números de reclamações do ranking do Banco Central; C6 Bank lidera índice de queixas

21 de julho de 2022 - 16:43

O banco digital só perde para a Midway, conta digital da Riachuelo, no índice calculado pelo BC

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar