Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2020-04-02T20:07:55-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Uma luz no meio do túnel?

2 de abril de 2020
20:07
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

O mundo apenas começava a se dobrar à pandemia do coronavírus no começo de março quando Arábia Saudita e Rússia iniciaram uma queda de braço particular que derrubou as cotações do petróleo.

A notícia inesperada despertou de vez o pânico entre os investidores. Foi como se tivéssemos acabado de entrar em um túnel e a única luz disponível, acesa quilômetros adiante, fosse apagada.

A falta de acordo entre os países produtores de petróleo foi apenas a primeira de uma série de desarranjos na ordem da economia global provocada pela disseminação do coronavírus.

No meio da escuridão, cada passo é incerto. Mas hoje surgiu uma esperança de que aquela luz lá no meio do túnel seja acesa novamente.

Os investidores reagiram à informação de que sauditas e russos podem chegar a um acordo sobre a produção de petróleo.

A fagulha foi despertada por Donald Trump. O presidente dos EUA publicou no Twitter até o número do corte planejado na produção: 10 milhões de barris.

Como mariposas, os investidores correram em direção à luz antes mesmo da confirmação do acordo. As cotações do petróleo e das ações das empresas produtoras dispararam mundo afora, inclusive as da Petrobras.

A alta dos papéis da estatal ajudou a bolsa brasileira a fechar em alta de 1,81%. Mas o dólar voltou a subir e marcou um novo recorde. Saiba com o Victor Aguiar todos os detalhes da fala de Trump e as notícias que movimentaram os mercados hoje.

10 milhões de desempregados

O tuíte de Donald Trump sobre o petróleo acabou desviando o foco de uma notícia assustadora: o número de pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos disparou e alcançou inacreditáveis 6,648 milhões em uma semana. Incluindo os 3,3 milhões da semana anterior, estamos falando de quase 10 milhões de desempregados em um período de 15 dias. O dado veio bem pior que a expectativa do mercado, como você confere nesta matéria.

Quem fica, quem sai

O agravamento da pandemia do coronavírus não afetou o apetite das pessoas físicas pela bolsa. Pelo contrário, elas foram as grandes compradoras na B3 em meio à queda generalizada das ações no mês passado. Os gringos, por outro lado, deram no pé. Veja todos os números de quem comprou e vendeu na bolsa em março.

Menos PIB, menos Selic

A Itaú Asset está mais pessimista do que há duas semanas. Em novo relatório, a gestora de fundos do bancão ajustou suas projeções ao cenário extremamente recessivo provocado pela pandemia. A estimativa agora é de uma queda de 3,3% do PIB, frente à projeção anterior de -0,3%. Mas o que mais me chamou a atenção foi a expectativa da gestora para a taxa básica de juros. Saiba com o Felipe Saturnino o corte esperado para a Selic até o fim deste ano.

Carros encalhados

Os efeitos do coronavírus na economia real começam a ficar cada vez mais evidentes. Hoje, foi a vez das concessionárias de veículos mostrarem as consequências: foi o menor número de vendas para o mês de março desde 2006. A queda agrava a situação em um mercado que já não vinha de bons resultados no ano, como mostra esta reportagem.

Varejo x indústria

O coronavírus já opôs varejistas e fornecedores em sua — por ora — breve história no Brasil. E, assim, os efeitos do vírus na economia real começam a ser sentidos pelo consumidores em meio à disputa. Enquanto os representantes dos supermercados criticam os aumentos nos preços de produtos da cesta básica, as indústrias dizem que é tudo reflexo de demanda mais alta e custos de logística. Nesta matéria do Estadão você fica sabendo o que ambos os lados argumentam.

Uma ótima noite para você!

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

pandemia

Brasil registra 1.340 mortes por covid-19 em 24h

Resultado ficou atrás apenas do dia 7 de janeiro, quando foram confirmadas 1.524 novos falecimentos

seu dinheiro na sua noite

Tudo caiu – até o forward guidance

Os mercados domésticos ficaram hoje divididos sob a influência de acontecimentos distintos, o que resultou em um comportamento geral incomum: tudo caiu. O Ibovespa perdeu o patamar dos 120 mil pontos e fechou em queda, na contramão das bolsas americanas, animadas pela posse do novo presidente Joe Biden e a nova fornada de estímulos fiscais […]

Análise

Sem o “forward guidance”, Banco Central arranca bola de ferro dos pés

Decisão do BC de abrir mão do compromisso de não mexer com os juros foi acertada, mas a adoção do instrumento mais ajudou ou atrapalhou a economia?

sem "efeito Biden"

Vacinação e risco fiscal derrubam o Ibovespa em dia de festa em NY; dólar também recua

Euforia dos mercados internacionais com o “efeito Biden” foi barrada pelas incertezas domésticas e fez a bolsa brasileira ir na contramão de NY

taxa básica

BC mantém Selic em 2% ao ano, mas retira o ‘forward guidance’

Bolsa pode ter realização de lucros nesta quinta com derrubada de prescrição, diz especialista; decisão de hoje acontece em meio à alta dos preços das commodities e à valorização do dólar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies