Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2020-10-07T20:50:13-03:00
SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

2020 tá difícil? Então prepare-se para os próximos 5 anos

7 de outubro de 2020
20:20 - atualizado às 20:50
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A pandemia de coronavírus e suas consequências econômicas já renderam a 2020 muitas comparações às mais famosas distopias da literatura e do cinema, fora os memes e piadinhas sobre como no futuro as coisas podem ficar ainda piores. Eu sempre me lembro do tuíte do @marcurelio:“

‘Na época do corona…’
[pausa longa]
[olhar perdido]
‘Ê, época boa! Se eu soubesse o que ia vir depois, teria aproveitado mais…’
[mastiga a barata, pensativo]”

Brincadeiras cínicas à parte, se antes já era difícil tentar prever o futuro - com o mundo em franca desaceleração econômica, a ascensão de líderes populistas e uma nova realidade de juros e inflação extremamente baixos - agora a visão ficou ainda mais embaralhada.

A gestora global Pimco - uma das maiores do mundo, com quase US$ 2 trilhões sob gestão - aceitou o desafio e publicou, nesta quarta, seu relatório “Secular Outlook”, em que projeta o cenário para investimentos nos próximos três a cinco anos.

A visão da gestora não é a das mais otimistas. Eu poderia comparar o mundo projetado pela Pimco a uma das já citadas distopias, mas fazer isso a essa altura do campeonato seria um pouco cafona.

Basta dizer que, para a Pimco, os próximos anos não devem ser muito melhores do que 2020 do ponto de vista do desafio em torno dos investimentos.

Os riscos ligados a fatores climáticos, populismo, protecionismo, nacionalismos e avanços tecnológicos devem ser exacerbados, e o investidor talvez precise baixar um pouco as expectativas quanto à rentabilidade dos ativos: os retornos serão mais baixos mesmo, e se lançar ao risco de peito aberto pode ser pior.

O Ivan Ryngelblum explica a tese da Pimco nesta matéria. Recomendo muito a leitura!

MERCADOS 

 A volatilidade deu o tom das negociações hoje. O Ibovespa começou o dia seguindo o bom humor externo, mas o temor com as contas públicas fez o índice se descolar das bolsas americanas, fechando em leve queda. O dólar subiu 0,5%, a R$ 5,62.

 As ações da resseguradora IRB Brasil tiveram mais um dia de queda intensa na B3, depois da baixa de mais de 17% ontem. O movimento começou por causa da decisão do UBS BB de rebaixar a recomendação para os papéis da companhia de compra para venda.

 A Sequoia, companhia de logística, e-commerce e tecnologia, estreou em baixa de pouco mais de 1% na B3. A empresa já havia precificado os papéis abaixo da faixa indicativa no IPO. 

INVESTIMENTOS 

 O ano de 2020 até que não está tão ruim para o mercado de capitais. O volume captado em ofertas de ações até setembro de 2020 supera em 20,5% a cifra do mesmo período do ano passado. Já o número de IPOs realizados e previstos é o maior desde o ano recorde de 2007.

O Brasil não tem espaço para financiar um programa de renda básica com mais gastos, diz a Verde. Na sua última carta aos investidores, a gestora de Luis Stuhlberger publicou um estudo detalhado sobre os impactos do auxílio emergencial na economia e nas contas do governo.

EMPRESAS 

 A Smiles apresentou sinais de retomada. A empresa informou que o faturamento total aumentou em 24 pontos percentuais (p.p.) entre o segundo e o terceiro trimestre. A companhia não revelou valores. 

 A Oi inaugurou hoje sua primeira operação comercial de internet móvel de quinta geração (5G), no Plano Piloto de Brasília. A empresa se junta às rivais Claro, Vivo e TIM, que estão começando a ativar a rede em outras cidades do país.

ECONOMIA

 O Parlamento Europeu manifestou reprovação à ratificação do acordo comercial entre União Europeia e Mercosul por preocupações com a política ambiental do governo de Jair Bolsonaro.

COLUNISTAS 

 A magnitude e a frequência dos erros e acertos no mercado - dos ganhos e das perdas - fazem diferença para o investidor. O caminho percorrido pelos fundos de investimento é tão importante quanto o resultado final que o gestor obtém. Na sua coluna de hoje, o Bruno Merola narra três situações que comprovam isso.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies