Menu
Marink Martins
Mind the Gap
Marink Martins
Dados da Bolsa por TradingView
2020-06-18T18:03:28-03:00
ENIGMA INDIANA JONES

O dólar passará de um ciclo de valorização para um de desvalorização?

Marink Martins vai apresentar a você a questão principal que tira o sono dos maiores investidores do mundo.

18 de junho de 2020
18:00 - atualizado às 18:03
Dólar em foco
Imagem: Shutterstock

Hoje quero falar com você sobre uma transição de mercado, no qual o foco muda de questões microeconômicas para preocupações macroeconômicas, justamente o que se passa na cabeça dos investidores agora. 

Antes de falar deste momento atual, gostaria de mencionar alguns atributos relacionados a um período mais tranquilo, quando o foco do mercado está nas empresas.

Nestes momentos, a volatilidade normalmente está mais baixa, assim como a correlação entre setores.

O foco dos agentes se direciona às projeções de fluxo de caixa das empresas e aos múltiplos de P/L (Preço sobre Lucro), retorno investido sobre o capital e custo do capital.  

Podemos utilizar o ano de 2017 como exemplo de um período marcado mais pelas questões microeconômicas. 

No entanto, o momento que vivemos agora é bem diferente...

Senhores passageiros, coloquem seus cintos 

2020 é o “Ano da Turbulência”, quando vemos quase o oposto, com volatilidade elevada e alta correlação setorial.

E, convenhamos, as relações de P/L estão extremamente esticadas nos EUA (aqui no Brasil não é tão diferente), até porque o L (lucro) vem sofrendo muito devido à pandemia. 

Neste instante, essa relação perde um pouco a relevância, porque é como se o foco estivesse saindo dos centros financeiros e caminhado em direção aos centros políticos. 

O mercado sai de Nova York e passa a focar em Washington, sai de São Paulo e transmuta sua atenção à Brasília. 

  • Leia Mais: Dara Chapman abre o jogo: "qualquer um pode ser mais rico. A maioria, de fato, não quer…". De qual time você faz parte? Vai viver sempre em ascensão financeira ou abrir mão? Veja na íntegra.

Isso ocorre porque é lá onde são tomadas decisões relacionadas às políticas fiscal e monetária. Tudo acontece como uma forma de reação à essa pandemia que abalou o mundo.

Nos Estados Unidos, em particular, temos ainda questões relacionadas à eleição presidencial que está por vir, no dia 3 de novembro.

Hoje mesmo, dia que eu escrevo esta newsletter, li algumas notícias de que o Joe Biden lidera a campanha em seis estados considerados “campos de batalha”.

Isso é extremamente relevante: lá em 2012, o Obama ganhou em quatro desses seis estados. O Trump, em 2016, virou o jogo ganhando também em quatro desses seis estados. 

E, até o momento, Joe Biden parece levar nos seis estados. Mas, ainda tem muitas pedras no caminho. É possível que, dependendo da reação econômica, Trump surpreenda novamente.

Mas o que importa nesse momento é que, independente do resultado, é quase certo que está por vir uma elevada volatilidade nos mercados.

Essa mudança do micro para o macro é muito importante, coincidindo com uma transição que eu julgo talvez ser a mais importante do momento, que está tomando muito meu tempo.

A pergunta de um milhão é: será que chegou o momento da transição do dólar de um ciclo de valorização para um de desvalorização?

O início do fim?

Aqui não estou falando da relação entre dólar e real, avalio o comportamento do dólar versus outras moedas internacionais.

O dólar é a reserva de valor global, o ciclo desta moeda é extremamente importante para os mercados. 

Quando o dólar tende a ficar mais forte ocorre, coincidentemente, superior performance das ações americanas em relação a outros ativos.

Vemos, nesses momentos, que os EUA normalmente se destacam: ou com ações de tecnologia (como ocorreu lá nos anos 90), ou através do desempenho dos bancos.

O último ciclo de alta do dólar, que foi marcante na última década, foi praticamente dominado por empresas de tecnologia. 

Há quem acredite, por inúmeras razões, que esse ciclo pode estar terminando...

Primeiro, tomando como referência o poder de paridade de compra, o dólar está à frente de moedas como a libra esterlina e o euro, em termos relativos. 

Outro argumento, e talvez o mais importante, é a magnitude da reação monetária e fiscal dos Estados Unidos, que tem sido avassaladora, deixando muita gente preocupada.

Se nos anos 90 o dólar estava forte, e os EUA caminhavam muito bem, o pano de fundo trazia consigo superávit fiscal (sim, isso ocorreu no fim da década retrasada).

Depois da guerra contra o Iraque e da crise financeira de 2008, os Estados Unidos começaram a ver uma forte deterioração fiscal e isso, naturalmente, impacta o dólar. 

A transição pode estar por vir. Mas, diante de tudo, qual a mensagem que busco passar aqui nessa newsletter?

Uma pergunta fundamental

A mensagem é a seguinte: momentos em que o foco passa para o macro, como o atual, de um lado ocorre alta volatilidade e correlação setorial, mas, do outro, são períodos de movimentos exponenciais nas bolsas. 

Esse movimento, que pode aparecer tanto na alta como na baixa, atualmente ocorre através da valorização exponencial das ações de tecnologia que, para alguns (e eu me incluo neste grupo), é um setor que está esticado, em fim de ciclo.

Podemos estar vendo o início de um ciclo exponencial nessas ações. Aqui, eu falo com relação a Apple, a Microsoft, a Amazon e algumas outras. 

Esse ciclo exponencial, muitas vezes chamado de “última pernada de alta”, tende a ser intenso e resulta em uma capitulação daquele que está vendido, ou daquele que não participou.

E fica a grande questão, que embora não tenha uma resposta, talvez possa te ajudar a transitar durante esse período: se a narrativa de movimento exponencial se materializar e o dólar iniciar seu ciclo de enfraquecimento, trazendo consigo as empresas de tecnologia para baixo, qual será a reação dos mercados emergentes?

Inicialmente veremos uma queda ou será que essa transição pode ser menos impactante, em um movimento de rotação setorial nos EUA com as empresas de tecnologia perdendo valor e outros setores ganhando força, com decorrente valorização das commodities e dos mercados emergentes?

Uma outra possibilidade seria queda mais abrupta do setor de tecnologia, que provavelmente elevaria a volatilidade ainda mais, e faria com que os mercados emergentes, pelo menos no início, começassem a sofrer.

Eu te deixo com essa dúvida, porque é justamente a minha, na qual venho dedicando muitas horas tentando entender e imaginar os possíveis cenários para esse enigma.

Aproveito para pedir sua atenção para O Lançamento do Ano que chegou para mudar sua vida de investidor e investidora para sempre. Conheça aqui.

Eu fico por aqui.

Muito obrigado pela atenção e até a próxima newsletter!

Um grande abraço,

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

MÚSICA NO FANTÁSTICO

Unilever recebe mais um não da Glaxo para oferta de US$ 68 bilhões por divisão que produz Advil; entenda o caso

Se fosse concretizado, o acordo seria o maior em termos globais desde o início da pandemia de covid-19

EFEITOS COLATERAIS

Ômicron e seus investimentos: variante do coronavírus terá efeitos distintos sobre empresas de saúde na bolsa; saiba quais são eles

Planos de saúde devem enfrentar um cenário menos favorável dado o aumento dos índices de sinistralidade e pressão sobre os custos

FOI DADA A LARGADA

Petrobras (PETR4) e Novonor iniciam oficialmente processo para vender participações na Braskem; veja quanto a operação bilionária pode levantar

O pedido de registro para a oferta pública secundária, que será realizada no Brasil e no exterior, foi publicado na madrugada deste sábado (15) na CVM

INCENTIVO À MUDANÇA

Meca das criptomoedas? Estado americano tenta atrair trabalhadores com pagamento em bitcoin (BTC)

Iniciativa acontece em meio a explosão de crescimento no setor de tecnologia, especificamente naquelas habilitadas para blockchain

HEY, BROTHERS!

BBB é ‘fábrica de milionários’: prêmio de R$ 1,5 milhão é fichinha perto da fortuna que ex-participantes constroem; veja como Juliette, Gil do Vigor e outros ficaram ricos após reality

A edição de 2022 do BBB começa na próxima segunda e pode conceder o título de milionário a mais pessoas; veja quem já conseguiu se consagrar com a participação na casa mais vigiada do Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies