Menu
Marink Martins
Mind the Gap
Marink Martins
2020-06-11T14:02:56-03:00
Mind the Gap

Cuidado com o efeito “Superman”: A psicologia por trás da sua tomada de decisão

O especialista vai compartilhar com você direto da fonte do conhecimento de Kahneman questões sobre excesso de confiança nos mercados e consequências para investimentos.

11 de junho de 2020
13:47 - atualizado às 14:02
shutterstock_121409479
Fonte: Shutterstock -

Hoje quero falar com você sobre uma regra de bolso, que pode ser útil para combater excessos de confiança quando se atua no mercado de ações.

Primeiro deixa eu te falar: existem relatos de taxistas que atuam nas proximidades da Chicago Mercantile Exchange, a famosa bolsa de Chicago.

Eles dizem ser muito fácil detectar se um trader teve um dia bom ou um dia ruim. Neste caso, a diferença entre um pregão de ganhos ou de perdas.

Quando ganham, os traders são normalmente falantes, alegres, andam com o peito estufado e deixam boas gorjetas, exibindo ali, inconscientemente, seus elevados níveis de autoconfiança.

Já quando perdem, quase não falam, preferem viajar sozinhos e, na maior parte das vezes, só pagam o necessário, retratando, inconscientemente, os altos níveis de cortisol no sangue.

Para quem está de fora, é sempre mais fácil detectar mudanças no comportamento alheio. Ou, em outras palavras, olhando por cima é que se percebe o todo.

Nadando conforme a maré

Estas histórias são interessantes pelo paralelo com o trabalho de Michael Lewis, conhecido por ter escrito o livro-reportagem “A Grande Aposta” (The Big Short).

Em seu livro “O Projeto Desfazer” (The Undoing Project), um dos mais celebrados escritores americanos traz um insight brilhante.

No texto, Lewis faz um mergulho no trabalho dos psicólogos Amos Tversky e Daniel Kahneman, pais da Teoria da Perspectiva.

Neste trabalho, o autor foca em uma das conclusões que Kahneman, Nobel em Economia em 2002, observou no mercado de ações durante o desenvolvimento da teoria psicológica sobre tomada de decisões.

Lewis nos chama atenção a um fato conhecido, mas que vale sempre lembrar, principalmente em momentos de euforia: quando estamos com "o vento a favor" nos mercados, tendemos a operar demais e, muitas vezes, de forma compulsiva.

Mas, por qual razão isso se torna um problema? Eu vou responder para você mais adiante.

Competição, custos e heurísticas 

Por enquanto, podemos facilmente comprovar este fato pelo aumento do volume negociado nas bolsas em ciclos de alta.

Como a maioria dos investidores está sempre "comprada" quando a bolsa sobe, todo mundo ganha e, consequentemente, gira-se muito mais. Em resposta, ocorre aumento nos volumes registrados nestes ciclos.

Dito isso, uma regra de bolso, ou heurística como Daniel Kahneman gosta de denominar, é ter conhecimento constante tanto do tamanho de suas posições no mercado quanto do volume médio negociado por dia.

Caso esteja com uma posição maior do que usual e esteja girando com mais frequência, fique atento, pois estes podem ser importantes sinais de que você possa estar superestimando sua capacidade competitiva no mercado.

Observe que a B3 é uma das bolsas mais caras do mundo, com elevados emolumentos. Logo, quanto mais você opera, maiores são seus custos.

Para finalizar, quero contar uma história. Tive a oportunidade de atuar por uma corretora holandesa com forte atuação na B3 como Market Maker (expressão utilizada para investidores que fornecem liquidez ao mercado)

Desde 2010, a bolsa vem sendo dominada pela utilização de algoritmos que executam ordens através de servidores em "co-location".

Desta forma, devido ao elevado volume operado, estes investidores possuem maior vantagem competitiva de forma que, para nós mortais, só nos resta manter uma postura de humildade.

Foi-se o tempo do "blefe" e do operador ágil, que se distinguia por sua habilidade de fazer uma "borboleta" (operação com opções em três pontas) de forma rápida.

Para não se afogar, nunca esqueça a regra de bolso: observação constante no tamanho de suas posições e no volume médio negociado.

Hoje, girar demais quase sempre leva a perdas!

Aproveito para convidar você a participar de uma reorganização financeira de perder o fôlego com a Dara Chapman. O link para inscrição é este (gratuito).

Um grande abraço,

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

pandemia

Covid-19: Brasil passa das 210 mil mortes causadas pela pandemia

Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registraram 452 óbitos pela covid-19

seu dinheiro na sua noite

Antes tarde do que mais tarde

Com o uso emergencial de duas vacinas contra o coronavírus aprovado no Brasil, ainda que com muito atraso em relação a outros países (incluindo emergentes), o brasileiro pode enfim vislumbrar a possibilidade de um retorno à vida normal. Está certo que ainda vai demorar, e provavelmente veremos o resto do mundo voltar à normalidade, enquanto […]

Fechamento

Vacina empolga, mas incertezas ainda são muitas e limitam os ganhos do Ibovespa; dólar fica estável

Embora o início da vacinação tenha criado um princípio de euforia, as incertezas ainda são muitas e nublam o cenário

atenção, acionista

Itaúsa anuncia o pagamento de juros sobre capital próprio adicionais

Base do pagamento é a posição acionária final do dia 22 de janeiro; provento tem retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,01768 por ação

insatisfações com a estatal

Petrobras sai em defesa de sua política de preços

Estatal listou uma série de respostas para justificar eventuais aumentos concedidos ou que possam vir a ser feitos este ano, diante de preços de petróleo em franca recuperação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies