Menu
Marink Martins
Mind the Gap
Marink Martins
Dados da Bolsa por TradingView
2020-07-23T10:52:33-03:00
Mind the gap

Ações da insanidade: setores de tecnologia nos EUA e no Brasil beiram a loucura

Se quiser ver a frente, melhor estar preparado quando a bolha estourar

23 de julho de 2020
10:52
Tela de celular com aplicativos de Facebook, Apple, Amazon, Netflix e Google
FAANG: as gigantes de tecnologia do mercado americano - Imagem: Shutterstock

Quero falar com você sobre um seleto grupo de ações, o qual denomino o grupo da insanidade.

Faço referência ao monitoramento de uma tela com as seguintes características: ações que se valorizaram bastante nos últimos meses/anos e empresas com baixíssima lucratividade (se é que apresentam lucros, muitas delas ainda não mostraram).

Para monitorarmos como essas empresas se encaixam, como se enquadram no mercado em relação a múltiplos e valuations, resta a nós olhar o seu valor na bolsa, comparar com seus faturamentos e fazer uso da expressão do momento, “Total Addressable Market”.

Esta expressão significa avaliar o potencial de crescimento, quais são as possibilidades de penetração e o tamanho do mercado que a empresa pode acessar.

Lá atrás, na época da bolha do Nasdaq, entre 1999 e 2000, período que sempre faço referência em meus comentários, uma das expressões do momento era a quantidade de “Page Views”

Falava-se muito de uma determinada empresa e sobre o número de visualizações das páginas da companhia, ou seja, o volume de acessos.

Era uma época em que ainda estávamos muito ligados a métricas de sites.

Manicômio de múltiplos

Hoje, evoluímos, o mercado cresceu muito. No entanto, tem algo que se mantém: a natureza humana.

A natureza especulativa de criar bolhas sempre nos acompanhou e sempre seguirá conosco em nossa jornada.

Voltando para o grupo da insanidade, vou compartilhar com você as empresas dessa lista, somente algumas, mas existem muitas hoje em dia.

A primeira é a Tesla, empresa de carros elétricos. A segunda é a Shopify, empresa canadense de forte atuação no comércio eletrônico.

Tem ainda a Uber, que todos nós conhecemos, a Peloton que, de forma irônica, é uma grande bicicleta ergométrica com um iPad na frente conectada a outras bicicletas com iPads na frente.

Aqui no Brasil, temos a Magazine Luiza, a B2W, a Via Varejo e o Mercado Livre, atuante no país e em outros mercados da América Latina.

O Mercado Livre, por exemplo, negocia a múltiplos de 20 vezes o seu faturamento: a empresa vale US$ 50 bilhões e sua receita bruta, em 2019, foi de US$ 2,5 bilhões. Um múltiplo esticado.

Essa Peloton, empresa de bicicleta ergométrica, tem um múltiplo de 35 vezes. Cá entre nós, é a própria insanidade em pessoa (jurídica, naturalmente).

A mágica do zero custo

O mais importante desse comentário que busco fazer aqui é compartilhar um trecho de uma entrevista que foi concedida por Scott McNealy (na época, CEO da Sun Microsystems).

Essa empresa atua no mercado de computação e brilhou nos anos 1980, 1990 e no começo do milênio.

A ação da Sun, que em 1998 valia por volta de US$ 6, atingiu máxima durante o auge da bolha do Nasdaq de US$ 64. Dois anos depois, estava de volta aos US$ 6.

Na ocasião, da entrevista concedida à revista BusinessWeek, o Scott McNealy disse o seguinte, respondendo a investidores que reclamavam do colapso ocorrido com as ações e apontando a distorção existente quando as ações eram negociadas em US$ 64, cerca de 10 vezes o volume de vendas (e veja que aqui no texto dei exemplos de 20 vezes vendas, 35 vezes vendas).

“Com o preço das ações negociando 10 vezes vendas, para que eu consiga devolver seu capital em 10 anos, preciso fazer o seguinte: tenho que te pagar praticamente 100% da receita por 10 anos seguidos através da distribuição de dividendos. Mas aí, o custo dos produtos que vendo tem que ser zero, o que – convenhamos – é algo muito difícil para uma empresa atuando na fabricação de computadores”

Complementando, Scott McNealy aponta:

“Isso assume também que eu não tenha despesas operacionais, complicado administrando uma empresa com 39 mil empregados. Também partimos da preposição de que não pago impostos, o que é muito difícil. Mas isso também assume que você, investidor, não paga impostos sobre os dividendos recebidos, o que nos EUA é ilegal. Também partimos do pressuposto de que eu consiga manter constante minha taxa de crescimento, mesmo não gastando nada com P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) pelos próximos 10 anos, pois estou distribuindo tudo para você. Consegue perceber o quão ridículas são todas essas premissas?”

Em conclusão, Scott McNealy completa:

“Você não precisava de maiores informações, você não precisava de notas explicativas. O que você tinha em mente ao comprar as ações pagando 10 vezes vendas?”

Tecnologia brasileira e dólar forte como falácias

A fala do Scott McNealy é extremamente relevante para o que se passa no mercado hoje, em especial no varejo digital brasileiro, que é o símbolo da tecnologia.

Convenhamos: a gente não tem um setor de tecnologia no Brasil. Mas os brasileiros adoram, com o desejo mimético, replicar as ideias americanas.

Os investidores fizeram isso lá atrás com Globocabo, fizeram com Inepar e, agora, fazem isso com Magazine Luiza, com Via Varejo, com B2W: é da natureza do brasileiro.

Quando isso vai parar? Quem sou eu para dizer. Mas acho que essa fala do Scott McNealy deve fazer com que você reflita a respeito disso. Você pode optar por ficar fora.

Contudo, o mundo mudou. O mundo é diferente daquele de 2002 quando Scott McNealy concedeu essa entrevista.

Não só falando do mundo de uma forma geral mas, em particular, os EUA mudaram. À época, havia um certo respeito pela moeda americana. Respeito esse que, em um mundo polarizado como esse que vivemos, talvez esteja indo embora.

É bem provável que esteja em curso, tomando emprestado um conceito do acadêmico Luigi Zingales, professor da Universidade de Chicago, de latinização dos EUA.

É possível que, para se manter no poder, os políticos (em particular Trump) vão fazer o que for necessário, mesmo arriscando o futuro dos seus jovens eleitores.

Digo que é possível que essa busca desenfreada por ativos de risco seja um sintoma de uma nação que começa a não acreditar mais em sua moeda.

O longo ciclo de valorização relativa do dólar parece estar terminando.

Sendo assim, no curtíssimo prazo, a única garantia seja de uma maior volatilidade em todos esses ativos.

Portanto, prepare-se.

Aproveito para indicar que leia neste link os melhores fundos de ouro que são confiáveis e lucrativos para você montar sua proteção e multiplicação financeira. Você pode ter acesso a este material aqui

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: exterior mantém fôlego mesmo com ‘Super Quarta’ e bolsa brasileira deve ficar de olho em precatórios e reforma do Imposto de Renda

A divulgação da política monetária do BC americano deve movimentar os negócios, enquanto no cenário local, a autoridade brasileira pode elevar ainda mais a Selic

Portfólio integrado

Vitreo vai permitir importação de investimentos de fundos para aplicativo de consolidação da carteiras e Real Valor

A corretora será a primeira a disponibilizar a integração automática com o aplicativo de sincronização de ativos

NO ÚLTIMO MINUTO

Unidade da Evergrande promete pagar em dia juros devidos para amanhã

Anúncio proporciona alívio em meio a temores de calote, mas ações da incorporadora seguem em queda na bolsa de Hong Kong

AINDA SEM ACORDO COM REPUBLICANOS

Na Câmara, democratas aprovam suspensão de teto de dívida nos EUA

Projeto segue agora para o Senado; aprovação é fundamental para evitar o chamado fechamento do governo, mas impasse coloca medida em risco

nova selic hoje

BC deve manter “plano de voo” e elevar taxa básica de juros em 1 ponto, para 6,25% ao ano; saiba o que esperar do Copom

Declaração recente de Campos Neto conteve apostas maiores que a de um ponto; crise hídrica e desaceleração da China podem aparecer em comunicado de decisão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies