Menu
Exile on Wall Street
Ana Westphalen
2020-10-06T10:54:10-03:00
EXILE ON WALL STREET

Calma, eu posso explicar

Que atire a primeira pedra quem nunca tomou uma decisão de investimento errada

6 de outubro de 2020
10:54
Jarra de moedas representa poupança
Imagem: Shutterstock

“Você vai ficar triste com o que vou dizer. Te decepcionei. Quando me dei conta da situação, a besteira já estava feita. As coisas saíram do controle e acabei agindo por impulso. Foi durante as suas férias, você estava fora e eu não queria te chatear com este assunto. Desculpe, mas tirei meu dinheiro do fundo DI e coloquei na poupança...”

Que atire a primeira pedra quem nunca tomou uma decisão de investimento errada. Só me restou dar risada diante da confissão acima, feita pelo meu amigo Allan, que iniciou no ano passado sua jornada de investidor e há poucos meses constituíra sua reserva de emergência.

Assim como talvez tenha acontecido com você, ele ficou apreensivo ao ver os recursos aplicados no fundo DI apresentando retornos diários negativos. A reação acabou sendo a de resgatar a reserva de emergência e migrar para a poupança, o que lhe garantiu conforto psicológico momentâneo, sob o argumento do “rende pouco, mas rende alguma coisa”.

É claro que incomoda a qualquer um a possibilidade de ter prejuízo, ainda mais quando se trata daquela parcela do patrimônio que se destina a nos socorrer nos momentos de imprevisto. Mas, mesmo diante da dinâmica recente, nós aqui da série Os Melhores Fundos de Investimento reforçamos a convicção de que os fundos DI Simples de taxa zero seguem sendo o melhor destino para sua reserva de emergência.

A lógica não mudou: considerando os principais pilares — liquidez, segurança e rentabilidade –, no caso da reserva de emergência priorizamos sempre os dois primeiros. Nesse sentido, os fundos DI Simples de taxa zero oferecem liquidez diária (você resgata a qualquer momento) e continuam sendo o investimento de menor risco de crédito do mercado brasileiro, já que compram Tesouro Selic, título garantido pelo governo.

Mas é preciso ter em mente que eles não são “à prova de queda”; não existe investimento totalmente livre de risco no mercado. Só não estamos habituados a ver a desvalorização dos títulos públicos atrelados à Selic. Trata-se realmente de um fenômeno atípico — a última vez que aconteceu foi há 18 anos.

Para entender esse movimento, vamos lembrar que o Tesouro Selic (LFT) se propõe a pagar a variação da Selic na data do vencimento do título. Mas, antes desse momento chegar, no dia a dia, o título tem flexibilidade para acomodar ágio ou deságio em suas negociações, o que pode ser acompanhado diariamente. Esse preço varia de acordo com a relação entre oferta e demanda.

A oferta do papel vem aumentando muito nos últimos meses de quarentena. E a agressividade do Tesouro Nacional em colocar volumes expressivos de títulos em leilões diários, em uma tentativa contínua de encurtar seu prazo de endividamento, não é uma boa sinalização.

Quando você percebe que aquele amigo para quem emprestou dinheiro está fazendo bicos e tomando mais empréstimos para fechar as contas do mês, fica com o pé atrás, certo?

Adicionalmente, desde setembro, o aumento da percepção dos riscos fiscais em meio à falta de articulação do governo e da equipe econômica tem levado os títulos públicos a perderem valor no mercado secundário. Isso porque os agentes do mercado consideram que uma remuneração de apenas 2% ao ano é pouco para financiar todo o risco fiscal que está na mesa.

Resultado: o Tesouro Selic está sendo negociado com deságio, ou seja, abaixo do seu valor de face.

Para dar uma ideia, o deságio do Tesouro Selic para o vencimento de 2025 (única LFT vendida no Tesouro Direto atualmente) era próximo de 0,03% no início de setembro. Hoje, está em 0,31%. Pode até parecer uma diferença pequena, mas, em um cenário de Selic a 2% ao ano, é suficiente para machucar o investidor.

Como consequência, os fundos que investem em Tesouro Selic estão tendo um retorno diário abaixo do CDI nas últimas semanas, como você pode conferir no gráfico abaixo, que traz o desempenho dos fundos DI Simples em setembro:

Mas é importante lembrar que, apesar da variação negativa das cotas diárias desses fundos, o investidor não perdeu nada de fato, a menos que tenha resgatado neste momento negativo, realizando o prejuízo ­— como fez o meu amigo Allan, traindo a si mesmo ao sacar e migrar para a poupança, um investimento estruturalmente pior e que só rende a cada 30 dias.

Agora você deve estar se perguntando: até quando o preço do Tesouro Selic vai continuar a cair, afetando a rentabilidade da reserva de emergência? É difícil dizer, mas o Tesouro Nacional tem diminuído a oferta do papel mais recentemente, o que sugere uma normalização. Da nossa parte, estamos acompanhando bem de perto esse movimento, e manteremos você informado sobre novidades aqui.

Um abraço!

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

INVESTIMENTOS

ETF de criptomoedas: conheça o HASH11, a oportunidade de comprar bitcoin e outras 5 criptos na bolsa com um clique

Com esse fundo, é possível ter exposição a criptoativos de maneira simples, segura e regulada. Em entrevista ao podcast RadioCash, executivos da gestora brasileira Hashdex explicam quais os riscos e oportunidades do ETF e desse criptomercado, confira:

Na CCJ da Câmara

Reforma administrativa é bastante moderada e foi fruto de muita conversa, diz Guedes

Depois de muito tempo engavetada, a proposta de reforma administrativa foi enviada ao Congresso no começo de setembro do ano passado e não tem impacto na estabilidade e nos salários dos atuais funcionários públicos

Resultados do trimestre

A guerra dos bancões: qual deles performou melhor?

Comentar resultados de bancos nunca foi tarefa fácil. Seus grandes números exigem uma análise que contemple tudo o que foi divulgado para um resultado verossímil, considerando ainda seu tamanho e receita. Analisar um ano de valores de uma instituição financeira de maneira que eles façam sentido para o mercado exige profundidade. Por isso, hoje a […]

Exile on Wall Street

5 pontos para entender e superar a economia americana na era Biden

Não sei bem a razão. O Dia das Mães sempre me leva a Winnicott e sua prescrição por uma “good enough mother”. As mães, claro, deveriam ser boas aos filhos. Mas apenas suficientemente boas. Se se tornam mães edípicas, excessivamente protetoras e presentes, estragam a prole. A virtude está no meio.   Depois de duas depressões, […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies