Menu
2020-01-27T19:51:51-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
DE OLHO NO CORONAVÍRUS

‘Índice do medo’ atinge patamar visto no auge da guerra comercial e sobe mais de 25%

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos

27 de janeiro de 2020
17:06 - atualizado às 19:51
Vírus coronavírus China Ibovespa
Imagem: Shutterstock

De olho na velocidade de propagação acelerada do novo tipo de coronavírus pela China e outras cidades do mundo, os investidores acenderam o alerta e estão mais cautelosos. Hoje (27), o índice que mede "o medo" do investidor e a sensibilidade do mercado por meio das opções do S&P 500, o VIX, alcançou patamares de negociação vistos no período mais tenso da guerra comercial entre Estados Unidos e China.

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos. Mas no fim do pregão o VIX recuou um pouco e terminou o dia cotado em 18,23 pontos, uma alta de 25,21%.

Por conta das incertezas com relação à economia chinesa e à economia mundial, outro ativo que também viu sua cotação subir nos últimos dias foi o ouro.

Hoje, o SPDR Gold (GLD), que é o principal ETF referenciado em preços de ouro, fechou o dia cotado em US$ 148,99, o que representa uma alta de 0,66%.

Porém, na máxima intradiária o ETF de ouro chegou a bater os US$ 149,32, cotação que não era vista desde abril de 2013.

Por outro lado, de olho no exterior, o principal índice acionário brasileiro terminou a segunda-feira com queda acentuada de 3,29%, cotado em 114.481,84 pontos.

Nos Estados Unidos, o Dow Jones (-1,57%), o S&P 500 (-1,58%) e o Nasdaq (-1,89%) caíram em bloco no pregão de hoje. Acompanhe a nossa cobertura de mercados.

O mercado de câmbio, por sua vez, não ficou para trás e o dólar à vista terminou o dia pressionado, com alta de 0,60%, cotado em R$ 4,2098.

Os impactos na economia

Ao analisar os impactos na economia da China, o temor dos investidores está ligado às estratégias do país para conter a propagação do surto. A expectativa é que as proibições de viagens e o menor movimento em grandes centros comerciais provoquem uma queda acentuada nas viagens e nas vendas do varejo.

Outro ponto que preocupa é que o surto ocorre no momento em que a China ainda enfrenta o impacto da guerra comercial com os Estados Unidos.

E se a economia chinesa crescer a um ritmo menor do que o esperado, os países europeus que dependem das exportações chinesas também poderão ser afetados.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Mercado de capitais

FGTS embolsa quase R$ 900 milhões com venda de ações da Alupar em oferta

O fundo que reúne o dinheiro dos trabalhadores com carteira assinada tinha uma participação de 12% no capital do grupo de geração e transmissão de energia

O melhor do Seu Dinheiro

Tiradentes e as bolhas financeiras, o balanço da Netflix e outros destaques do dia

Joaquim José da Silva Xavier percebeu que alguma coisa estava fora da ordem ali pelos idos de 1789. A extração de ouro estava em franco declínio, mas a Coroa portuguesa não parava de exigir o quinto sobre tudo o que saía das Minas Gerais. Mais ou menos na mesma época, ideias surgidas na Europa que pregavam […]

Foi ruim mas foi bom

Guedes defende acordo e diz que agora Orçamento ficará “exequível”

O presidente Jair Bolsonaro tem até amanhã para sancionar o Orçamento de 2021, que foi aprovado com despesas obrigatórias subestimadas para acomodar uma quantidade maior de emendas parlamentares

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies