Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-30T16:19:34-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Manhã positiva

Ibovespa tem leve alta, lado a lado com as bolsas globais; dólar sobe a R$ 5,17

O Ibovespa sustenta um ligeiro desempenho positivo, num comportamento em linha com o visto nas bolsas dos EUA. Apesar da preocupação com o coronavírus, os mercados recebem bem a mudança de postura do presidente americano, Donald Trump, mostrando-se mais favorável ao distanciamento social para combater a pandemia

30 de março de 2020
10:32 - atualizado às 16:19
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A semana começou mais calma para o Ibovespa e os demais mercados acionários do mundo. Apesar da preocupação com o coronavírus, as ações mais enérgicas dos governos para conter o avanço da pandemia ajudam a neutralizar parte da cautela nas bolsas, imprimindo um ritmo ligeiramente positivo às negociações.

Por volta de 16h20, o Ibovespa avançava 1,72%, aos 74.694,02 pontos — ao longo da sessão, o índice oscilou entre os 73.184,22 pontos (-0,33%) e os 75.429,74 pontos (+2,73%). Na Europa, as principais praças se dividiram entre perdas e ganhos; nos Estados Unidos, o tom é positivo em Wall Street.

No mercado de câmbio, contudo, o tom é mais defensivo: no mesmo horário, o dólar à vista avançava 1,50%, a R$ 5,1788 — a moeda americana também se valoriza em relação às demais divisas de países emergentes.

  • Eu gravei um vídeo para explicar a dinâmica das bolsas nesta segunda-feira (30). Veja abaixo:

O forte crescimento nas ocorrências de coronavírus ao longo do fim de semana preocupa os investidores: de acordo com levantamento da universidade americana John Hopkins, já são mais de 735 mil casos e 35 mil mortes por causa da doença.

No Brasil, o ministério da Saúde já contabilizava 4.256 pessoas infectadas até domingo, com 136 óbitos em função da covid-19. São Paulo é o epicentro da doença no país, com 98 mortes.

Apesar desses números alarmantes, os investidores recebem positivamente as sinalizações cada vez mais enfáticas dos principais líderes globais em defesa do isolamento social. Até mesmo Donald Trump, que vinha resistindo à tese, já começa a defender períodos mais prolongados de distanciamento, de modo a conter a propagação do vírus.

Os primeiros impactos econômicos da doença já começam a ser sentidos no mundo — o que pode ter acelerado a mudança de postura de Trump e outros líderes. O índice de sentimento econômico da zona do euro sofreu em março a maior queda da história; por aqui, a confiança do setor de serviços despencou 11,6 pontos no mês passado.

Ainda no Brasil, o boletim Focus mostrou uma revisão brusca nas projeções para a economia em 2020. Agora, a estimativa é de baixa de 0,48% no PIB neste ano — na semana passada, a expectativa era de alta de 1,48%.

Mas, apesar desses números, o mercado permanece focado nas sinalizações de Trump e outros líderes globais, o que sustenta um tom positivo nas bolsas nesta segunda-feira. O cenário tumultuado, contudo, provoca um aumento na demanda por dólares, numa típica estratégia de proteção por parte dos investidores.

Economia vacilante, juros em queda

Com a percepção de que a economia brasileira será fortemente afetada pela crise do coronavírus, aumentam as apostas em novos cortes na Selic e na manutenção da taxa básica de juros em níveis baixos por um período prolongado, de modo a dar sustentação à atividade doméstica.

E, nesse cenário, os principais DIs operam em queda nesta manhã, tanto na ponta curta quanto na longa:

  • Janeiro/2021: de 3,49% para 3,39%;
  • Janeiro/2022: de 4,37% para 4,18%;
  • Janeiro/2023: de 5,65% para 5,38%;
  • Janeiro/2025: de 6,97% para 6,76%.

Klabin em destaque

No front corporativo, destaque para as units da Klabin (KLBN11), em alta de 6,88%. Mais cedo, a empresa anunciou a compra da unidade de papel ondulado e embalagens da International Paper Brasil, por R$ 330 milhões — uma movimentação que foi elogiada por analistas.

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa no momento:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
ELET3Eletrobras ON23,45+11,24%
MRFG3Marfrig ON9,24+8,45%
FLRY3Fleury ON21,07+6,95%
KLBN11Klabin units16,01+6,88%
MGLU3Magazine Luiza ON41,64+6,77%

Confira também as maiores quedas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
RENT3Localiza ON29,31-6,42%
UGPA3Ultrapar ON12,50-4,58%
ECOR3Ecorodovias ON10,10-4,45%
HAPV3Hapvida ON43,63-4,11%
NTCO3Natura ON27,48-3,75%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Prévia da estatal

Petrobras (PETR4) anuncia produção do terceiro trimestre hoje, mas os dados da ANP já antecipam o que vem por aí; confira

Os dados chegam ao mercado em um momento de fortes críticas à política de preços da companhia e ameaças de desabastecimento

Exile on Wall Street

Quem não tem teto de vidro? As implicações das ameaças ao teto de gastos sobre seus investimentos

Ameaça ao teto fiscal exige atenção redobrada sobre a necessidade de diversificação e algumas proteções para a carteira – e há possíveis bons hedges para o momento

bitcoin (BTC) hoje

É recorde! Bitcoin (BTC) atinge nova máxima histórica com o novo rali das criptomoedas

A aprovação do ETF nos EUA impulsionou a alta do bitcoin, mas a principal criptomoeda do mercado pode subir ainda mais, segundo analistas

MERCADOS HOJE

Ibovespa engata recuperação, mas segue sob pressão do risco fiscal; dólar tem alívio após leilão do BC, mas juros futuros disparam

A agenda local está esvaziada nesta semana, mas os investidores aguardam por um desfecho para a PEC dos precatórios

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: estaria o governo querendo furar o teto?

Ignorando o bom humor internacional de ontem, nós brasileiros vivemos nossa própria realidade, muito afetados com o vaivém de Brasília, que prejudicou bastante os mercados e que promete prejudicar ainda mais nos próximos dias

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies