Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-30T09:49:51-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
efeito coronavírus

Confiança de serviços cai 11,6 pontos em março

Queda acumulada no primeiro trimestre de 2020 já chega a 13,4 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice recuou 4,5 pontos

30 de março de 2020
9:49
Comércio
Imagem: Fotos Públicas

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) caiu 11,6 pontos na passagem de fevereiro para março, para 82,8 pontos, na série com ajuste sazonal, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV).

Com o resultado, a queda acumulada no primeiro trimestre de 2020 já chega a 13,4 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice recuou 4,5 pontos.

"A confiança de serviços, que já vinha apresentando resultados fracos nos primeiros meses do ano, despenca sob impacto do coronavírus. O resultado já mostra que mesmo em março o setor enfrentou dificuldades e o volume de serviços foi afetado. Mas o recuo realmente expressivo foi registrado nas expectativas dos empresários, sugerindo que o setor está muito assustado com este momento de muita incerteza e projeta mais dificuldades ainda para os negócios nos próximos meses", avaliou Rodolpho Tobler, economista Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/GV), em nota oficial.

Em março houve piora em todas as 13 principais atividades pesquisadas. O Índice de Situação Atual (ISA-S) recuou pelo terceiro mês seguido. A queda de 5,0 pontos derrubou o indicador a 85,2 pontos, o menor nível desde dezembro de 2017 (84,7 pontos). O Índice de Expectativas (IE-S) despencou 18,1 pontos, para 80,8 pontos. É o menor patamar desde junho de 2016, segundo a FGV.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) do setor de serviços caiu 0,9 ponto porcentual em março, para 82%, após duas altas consecutivas.

Nos primeiros três meses do ano, todos os índices-síntese do setor de serviços recuaram em comparação com último trimestre de 2019. O mesmo se deu na comparação interanual dos índices, destacando-se pela variação negativa de dois dígitos, principalmente do IE-S que despencou 15,6 pontos entre março do ano passado e março do ano atual.

"O resultado trimestral confirma o momento difícil que o setor enfrenta e que o cenário que se desenha para os próximos meses é de maior dificuldade considerando o aumento de incerteza provocado pela pandemia", analisa Tobler.

Em termos setoriais, a maior contribuição para queda do ICS no primeiro trimestre do ano veio dos serviços de Transportes cuja confiança recuou 14,8 pontos após aumento de 0,8 ponto no trimestre anterior.

Os serviços de Informação e Comunicação e os serviços Profissionais também acumularam quedas acima de dois dígitos após registrarem resultados positivos no quarto trimestre de 2019. Para os serviços prestados às Famílias e Outros Serviços, no entanto, o declínio foi mais suave com recuos de 4,2 pontos e 7,5 pontos no período atual.

A coleta de dados para a edição de março da Sondagem de Serviços foi realizada entre os dias 03 e 25 do mês de março.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Nada de penny stock

Na Saraiva (SLED3 e SLED4), uma medida para aliviar a pressão da CVM — mas que não tira a corda do pescoço

A Saraiva (SLED3 e SLED4) quer fazer um grupamento de ações na proporção de 35 para 1, saindo da casa dos centavos — mas perdendo liquidez

Seu Dinheiro no sábado

O que esperar para os seus investimentos até 2024?

Como parte das comemorações de três anos do Seu Dinheiro, montamos um conteúdo especial para discutir o cenário de investimentos até 2024

PAPO CRIPTO #004

Bitcoin (BTC) pode chegar aos US$ 100 mil ainda este ano, tudo depende dos EUA, afirma André Franco ao Papo Cripto

As gamecoins como o Axie Infinity devem movimentar ainda mais o mercado até o final do ano

ATENÇÃO, ACIONISTA

Hapvida (HAPV3) vai recomprar até 100 milhões de ações; papéis acumulam queda de 17% no ano

A operadora de saúde anunciou hoje que dará início a um programa de recompra de papéis com duração de até 18 meses

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies