Menu
2020-08-25T16:40:30-03:00
Ricardo Gozzi
Mercados hoje

Ibovespa cai acompanhando índice Dow Jones e cautela local

Abaixo da expectativa, índice de confiança do consumidor norte-americano azeda o humor em Wall Street; cautela local acentua movimento

25 de agosto de 2020
10:28 - atualizado às 16:40
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa opera em queda nesta terça-feira acompanhando o recuo do índice Dow Jones. A bolsa brasileira até abriu em alta hoje, mais uma vez na esteira da persistente melhora do apetite por risco nos principais mercados de ações pelo mundo, mas o movimento não se sustentou.

Os sinais de que os Estados Unidos e a China estariam dispostos a cumprir os termos da primeira fase do acordo comercial fechado no início do ano animaram os investidores pela manhã. Com isso, as bolsas de valores fecharam quase todas no azul na Ásia e passaram a maior parte do tempo em alta na Europa antes de virarem no fim da sessão.

Em Wall Street, os principais índices de ações dos EUA passaram a cair depois da divulgação de dados abaixo da expectativa sobre a confiança dos consumidores norte-americanos.

O Nasdaq e o S&P-500 aos poucos recuperam terreno, mas o Dow Jones é especialmente impactado pela notícia de que a ExxonMobil deixará de compor o índice a partir da semana que vem.

Por aqui, a cautela dos investidores com o cenário local prevalece, acentuando o movimento na B3. Por volta das 16h40, o Ibovespa operava em queda de 0,29%, aos 102.001 pontos.

Enquanto o desempenho de bluechips como Petrobras e Vale deixa a desejar, os papéis da Klabin e da Suzano caem acompanhando a depreciação do dólar, uma vez que ambos haviam registrado forte alta em sessões recentes na esteira da forte apreciação da moeda norte-americana.

O setor de varejo, por sua vez, é impulsionado pelo bom desempenho das ações da Marisa em reação ao balanço do segundo trimestre.

Já as ações ON e PN da Eletrobras atravessam a segunda sessão seguida de ganhos elevados com a notícia de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, teria planos de incluir oficialmente a empresa na lista de privatizações.

Incerteza sobre pacote econômico limita apetite por risco

Ao longo da sessão de hoje, porém, pesa sobre o ânimo dos investidores a notícia sobre o adiamento do anúncio de um aguardado pacote de medidas econômicas e sociais prometido pelo governo.

Na semana passada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o programa seria anunciado hoje. Ontem, no entanto, o governo teria desistido do anúncio do pacotão.

Guedes vinha chamando o programa de 'Big Bang', mas, segundo informações do jornal O Globo, a elaboração do conjunto de propostas não foi concluída a tempo e as medidas devem ser divulgadas separadamente.

Segundo o Estadão, a divulgação foi adiada por um impasse quanto ao valor do benefício do Renda Brasil, que deve substituir o auxílio emergencial e expandir o Bolsa Família. Segundo a publicação, o presidente Jair Bolsonaro não aceitaria um valor menor do que R$ 300, como propunha Guedes.

Com o mercado preocupado com a situação das contas públicas, os agentes financeiros estão atentos aos desdobramentos do programa.

A principal dúvida entre os investidores é se o ministro Paulo Guedes vai conseguir atender às demandas sociais sem furar o teto de gastos e comprometer ainda mais a já complicada situação fiscal brasileira.

Apesar do adiamento do anúncio de um programa mais abrangente, um de seus itens – a reformulação do Minha Casa, Minha Vida – foi oficializado hoje. Sob o nome de Casa Verde Amarela, o programa habitacional foi lançado por meio de medida provisória com uma política de juros ainda mais baixos que a de seu antecessor.

IPCA-15 aponta para juro real negativo

No campo dos indicadores econômicos, o IPCA-15 desacelerou para 0,23% em agosto na leitura mensal, de 0,30% em julho. Em 12 meses, o IPCA-15 acumula avanço de 2,28%.

“Considerando a taxa Selic a 2% ao ano, a taxa de juros real de -0,28%”, adverte André Perfeito, economista-chefe da Necton Corretora.

Entre outros aspectos, prossegue ele, tal leitura sugere que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) não deve cortar mais a Selic.

Dólar e juro

Depois de passar boa parte da sessão em alta, o dólar passou a cair com força a partir do início da tarde acompanhando a tendência externa de desvalorização da moeda norte-americana em meio à retomada do apetite por risco lá fora.

O movimento acabou acentuado por uma realização de lucros no mercado de câmbio depois de o real ter atingido recentemente os níveis mais baixos desde o fim de maio, observaram analistas.

Tais fatores relegaram ao segundo plano a perspectiva de estabilidade da Selic e a incerteza política.

Por volta das 16h40, a moeda norte-americana caía 1,13%, cotada a R$ 5,5287.

Já os contratos de juros futuros passaram a sessão inteira em alta, ainda que o movimento tenha perdido força no decorrer da sessão, refletindo o cenário político nebuloso e as perspectivas fiscais para o Brasil.

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2022: de 2,740% para 2,750%;
  • Janeiro/2023: de 3,880% para 3,930%;
  • Janeiro/2025: de 5,710% para 5,880%;
  • Janeiro/2027: de 6,730% para 6,790%.
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

EUA X China

Trump X TikTok: empresa chinesa tenta impedir proibição de downloads

Decisão judicial pode barrar restrição, que passaria a valer a partir de meia-noite deste domingo nos Estados Unidos.

A 38 dias da eleição

Trump anuncia nomeação de Barrett para a Suprema Corte

Nomeação ainda precisa ser confirmada pelo Senado, que hoje tem maioria Republicana.

Últimos ajustes

Guedes se reúne com líder do governo na Câmara para discutir Reforma Tributária

Segundo o deputado Ricardo Barros, na segunda-feira a proposta já estará fechada para uma rodada de discussão com os líderes da base governista no Congresso.

Em 2020

Pandemia tira R$ 12 bilhões em investimentos

Investimentos públicos em infraestrutura deverão ser 10% menores em relação ao estimado antes da pandemia de covid-19.

Entrevista

“A crise econômica será severa e prolongada”, diz de Bolle

Em novo livro, economista defende que é preciso romper com padrões estabelecidos de estratégia econômica – como o teto de gastos – para responder aos desafios trazidos pelo novo coronavírus.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements