Menu
2020-05-18T18:55:03-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Alívio intenso

Euforia no exterior faz o Ibovespa ter o melhor pregão em mais de um mês; dólar cai a R$ 5,72

O Ibovespa fechou em alta de mais de 4% e retomou o nível dos 81 mil pontos, pegando carona no otimismo externo. O dólar caiu mais de 2% e voltou a R$ 5,72

18 de maio de 2020
18:08 - atualizado às 18:55
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Uma onda de otimismo tomou conta dos mercados globais nesta segunda-feira (18). Crise econômica, tensões com o coronavírus, atritos geopolíticos? Não, nada disso importou: o avanço nos testes de uma vacina contra a Covid-19, somado a um possível novo pacote de auxílio financeiros nos EUA, fez os mercados respirarem aliviados, no exterior e no Brasil.

O Ibovespa, por exemplo, abriu em alta firme e, em poucos minutos, retomou os 80 mil pontos. Ao fim da sessão, o índice ainda foi além: fechou em forte alta de 4,69%, aos 81.194,29 pontos — o melhor desempenho em termos percentuais desde 6 de abril.

O mercado de câmbio também teve um dia de alívio: o dólar à vista terminou em baixa de 2,03%, aos R$ 5,7206, e chegou à menor cotação desde 6 de maio. No mês, contudo, a divisa ainda acumula ganhos de 5,18%.

  • Eu gravei um vídeo para explicar o a dinâmica dos mercados nesta segunda-feira. Veja abaixo:

O noticiário internacional trouxe uma série de elementos que injetaram confiança nos investidores e se sobrepuseram aos fatores de risco que permanecem no horizonte. E, em primeiro plano, apareceu o avanço num possível tratamento para o coronavírus.

A Moderna, empresa americana de biotecnologia, anunciou mais cedo que todos os 45 voluntários que participaram dos testes com uma nova vacina que está em desenvolvimento produziram anticorpos que podem ajudar na proteção contra a doença.

A novidade faz as ações da Moderna dispararem 19,96% em Wall Street e aumentou as esperanças quanto ao surgimento de um tratamento mais eficaz contra a Covid-19 — e essa perspectiva serviu para diminuir a aversão ao risco nos mercados globais.

Além disso, os agentes financeiros também repercutiram a entrevista dada na noite de domingo (17) pelo presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell: entre outros pontos, ele disse que a instituição "não está sem munição" para combater os impactos econômicos da pandemia.

Por fim, os investidores também comemoraram a aprovação, pela Câmara dos EUA, de mais um pacote de auxílio financeiro para o país no montante de US$ 3 trilhões — e, na Europa, as iniciativas cada vez mais firmes de reabertura econômica também serviram para melhorar o humor dos ativos globais.

Assim, a combinação desses elementos acabou permitindo a recuperação firme das bolsas globais: na Europa, as principais praças subiram mais de 4% e, nos EUA, o Dow Jones (+3,85%), o S&P 500 (+3,15%) e o Nasdaq (+2,44%) também tiveram ganhos intensos, ajudando a dar força ao Ibovespa.

Fatores de risco

Mas, apesar do tom positivo visto nesta segunda, ainda há diversos pontos de turbulência no exterior. A própria entrevista de Powell trouxe informações preocupantes: o presidente do Fed admitiu que a recuperação dos EUA pode se arrastar até 2021 e que a que a economia poderia "facilmente" ter uma contração de 20% a 30%.

Além disso, o pacote de auxílio emergencial de US$ 3 trilhões nos EUA ainda não é certo: a pauta recebeu sinal verde da Câmara, de maioria democrata, mas ainda precisa ser aprovada pelo Senado, de maioria republicana — o que coloca uma boa dose de incerteza quanto à tramitação do tema.

E, em termos internacionais, ainda há a escalada nas tensões entre EUA e China, que sinalizam o reaquecimento da guerra comercial — as potências dão a entender que podem dar início a uma nova onda de sobretaxações, em meio às acusações quanto à responsabilidade pela pandemia de coronavírus.

Nada disso, contudo, foi capaz de diminuir o otimismo dos investidores, que assumiram uma postura menos defensiva nesta segunda-feira.

Brasília em foco

No lado doméstico, os investidores continuaram acompanhando de perto os desdobramentos do noticiário político e a deterioração nas relações entre governo e Congresso, temendo que, nesse ambiente belicoso, os esforços para o ajuste fiscal e a continuidade das reformas econômicas seja deixado de lado.

Ainda assim, considerando o otimismo generalizado visto no exterior, as preocupações locais acabaram ficando em segundo plano nesta segunda-feira — e mesmo o mercado de juros futuros também conseguiu passar por um alívio.

Em meio ao recuo mais firme do dólar à vista e às projeções cada vez mais fracas para a economia brasileira em 2020 — o boletim Focus agora trabalha com um cenário de retração de 5,12% do PIB do país neste ano —, os DIs fecharam em baixa, refletindo as apostas em novos cortes na Selic para dar sustentação à atividade doméstica:

  • Janeiro/2021: de 2,56% para 2,53%;
  • Janeiro/2022: de 3,51% para 3,42%;
  • Janeiro/2023: de 4,72% para 4,58%.

Alívio para as aéreas

No Ibovespa, as ações das companhias aéreas e de empresas ligadas ao setor de viagens dominaram a ponta positiva, em meio à leitura de que uma eventual vacina contra o coronavírus poderia reaquecer a indústria do turismo global.

Azul PN (AZUL4) fechou em forte alta de 29,87%, a R$ 14,39 — CVC ON (CVCB3) e Gol PN (GOLL4) também despontaram entre as maiores altas do índice. A queda do dólar também ajuda as aéreas, que têm uma fatia relevante da dívida em dólar.

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta segunda-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
AZUL4Azul PN14,39+29,87%
CVCB3CVC ON12,58+19,24%
BRKM5Braskem PNA26,95+14,97%
GOLL4Gol PN12,43+14,46%
MRVE3MRV ON15,48+13,82%

No lado oposto, as ações de companhias exportadoras apresentaram as maiores baixas do índice — você pode ler mais sobre o desempenho desses papéis nesta matéria. Confira as cinco maiores quedas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BEEF3Minerva ON12,96-9,94%
SUZB3Suzano ON41,18-8,55%
KLBN11Klabin units20,00-7,96%
MRFG3Marfrig ON13,11-6,62%
JBSS3JBS ON21,79-6,60%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

desafio dos 21 dias

Lição #15: Taleb x Markowitz: como diversificar a sua carteira

Na Lição #15 do Desafio dos 21 dias, Felipe trouxe aos seus seguidores dois conceitos diferentes de diversificação. De um lado, está um de seus gurus nos investimentos, Nassim Taleb. Do outro, o famoso economista americano Harry Markowitz. Os dois prezam por carteiras diversificadas, mas quem defende a melhor ideia? Para conferir as lições anteriores […]

Lava Jato

Nova fase da Lava Jato mira venda de informações privilegiadas e propinas

Denominada Sem Limites IV, operação apura supostos crimes de corrupção passiva e organização criminosa e de lavagem de dinheiro relacionados a esquema mantido na antiga Diretoria de Abastecimento da Petrobras

MAIS UMA PRA BOLSA

Grupo Big quer ficar ainda mais ‘big’ após IPO

Varejista pretende levantar recursos para expandir operações e vender as participações da Advent e do Walmart US

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Privatizações

Guedes reforça necessidade de acelerar privatizações

Guedes mais uma vez garantiu que as reformas voltaram a andar: ‘Estamos trabalhando juntos para modernizar importantes marcos regulatórios e para votar reformas estruturais’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies