🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Cautela elevada

Ibovespa abaixo de 70 mil pontos e dólar nas máximas: o retrato de mais uma semana tensa nos mercados

O Ibovespa fechou a semana com perdas acumuladas de mais de 5%, em meio ao pessimismo dos investidores em relação à economia global. O dólar foi a R$ 5,32

Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa e as bolsas globais ensaiaram um movimento de recuperação na semana passada: embalados pelos pacotes de estímulo anunciados por governos e bancos centrais, os investidores aumentaram suas posições no mercado acionário — o índice brasileiro, por exemplo, saltou quase 10%.

Esse movimento, no entanto, foi efêmero: nenhuma medida econômica foi capaz de neutralizar o pessimismo gerado pelo avanço do coronavírus — e pela constatação dos primeiros estragos que a pandemia gerou ao nível de atividade global.

Como resultado, o Ibovespa voltou a assumir um tom negativo, fechando o pregão desta sexta-feira (3) em baixa de 3,76%, aos 69.537,56 pontos. Na semana, as perdas acumuladas chegaram a 5,30%; desde o começo de 2020, a queda já totaliza 39,87%.

  • Confira o vídeo abaixo com os destaques dos mercados nesta sexta-feira:

Nos Estados Unidos, o clima não foi muito diferente: Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq também tiveram desempenhos negativos, fechando a semana com recuos acumulados de 2,7%, 2,08% e 1,72%, nesta ordem. Na Europa, os últimos dias foram igualmente ruins nas principais praças acionárias.

O mercado de câmbio não ficou para trás, fazendo companhia às bolsas. O dólar à vista subiu 1,15% hoje, encerrando a R$ 5,3270 — é a terceira sessão consecutiva em que a moeda americana renova os recordes nominais de fechamento. No ano, a divisa salta 31,94%.

Toda essa onda de cautela ocorreu mesmo com o forte alívio visto no mercado de commodities, com o petróleo se recuperando nesta semana. Mas nem mesmo esse impulso foi capaz de melhorar os ânimos dos investidores na semana.

Um milhão de contaminados

Em primeiro plano, aparece o avanço do coronavírus pelo mundo: de acordo com levantamento feito pela universidade americana Johns Hopkins, mais de 1,08 milhão de pessoas já foram infectadas pela doença, com 58 mil mortes.

E, nesta semana, ficou evidente que os Estados Unidos estão se tornando rapidamente a nova área crítica da Covid-19: apenas na quinta-feira (2), mais de mil americanos faleceram por causa do vírus; além disso, o país é o novo recordista em casos confirmados.

Nesta semana, o presidente Donald Trump disse que as próximas semanas serão 'muito difíceis' — a projeção oficial da Casa Branca já fala em mais de 200 mil mortos no país.

Nesse cenário, os EUA começam a adotar uma postura mais dura para combater a disseminação da doença, com medidas mais rígidas de isolamento social e restrição de circulação de pessoas — o que, naturalmente, traz um impacto firme à economia do país.

Indicadores de atividade industrial e do setor de serviços dos EUA em março mostraram uma queda substancial, mas o dado mais relevante foi conhecido hoje: o país cortou 701 mil empregos em março, segundo dados publicados nesta sexta-feira (3) pelo Departamento do Trabalho. Com o resultado, a taxa de desemprego avançou de 3,4% para 4,4%.

Por mais que uma piora nos indicadores de emprego fosse esperada, esse aumento no desemprego ocorreu num ritmo mais elevado que o projetado por analistas, aumentando o pessimismo em relação ao futuro da economia americana.

Ainda no exterior, chamou a atenção o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) composto da zona do euro — um indicador de atividade da região —, que recuou de 51,6 em fevereiro para a mínima histórica de 29,7 em março, segundo pesquisa final divulgada hoje pela IHS Markit.

Cautela doméstica

No Brasil, o PMI composto caiu para 37,6 pontos em março, de 50,9 em fevereiro. A retração foi puxada pelo setor de serviços que, em março, caiu para 34,5, de 50,4 em fevereiro.

São dados negativos, mas que não foram o destaque da semana. O indicador mais relevante foi o aumento na taxa de desemprego, para 11,6% no trimestre encerrado em fevereiro, com mais de 12 milhões de pessoas sem trabalho.

Ou seja: mesmo antes da crise do coronavírus, a economia brasileira já estava sofrendo — o que cria um prognóstico bastante ruim a respeito do que virá nos próximos meses.

Além disso, a deterioração cada vez maior no cenário político doméstico também é motivo de cautela entre os investidores. De um lado, aparece o presidente Jair Bolsonaro; do outro, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e quase toda a classe política — incluindo governadores, prefeitos e as lideranças na Câmara e no Senado.

Divergências a respeito da conduta do governo federal em meio à crise têm provocado enorme mal-estar em Brasília e aumentam a percepção de que não há um plano unificado de ação para combater o coronavírus — o que dificulta ainda mais o cenário para a saúde pública e para a economia.

Alívio no petróleo

Mas, apesar de todo o pessimismo, a semana contou com pelo menos uma boa notícia: a possível trégua entre Arábia Saudita e Rússia no front da guerra de preços do petróleo.

A reaproximação começou ontem, com o presidente dos EUA, Donald Trump, sinalizando que sauditas e árabes estariam mantendo contato e discutindo um eventual corte na produção da commodity — o ponto de desacordo entre os países e que culminou nessa disputa.

E, hoje, foi confirmado que a Opep+ — grupo formado pelos países da Organização de Países Exportadores de Petróleo e seus aliados — irá discutir na segunda-feira (6) a respeito de uma redução de pelo menos 6 milhões de barris na produção global.

O noticiário trouxe enorme alívio às cotações do petróleo: na quinta-feira, tanto o Brent quanto o WTI saltaram mais de 20%; hoje, os dois contratos fecharam em alta de mais de 10%.

Apesar disso, vale ressaltar que as cotações da commodity seguem em níveis muito inferiores aos vistos há um ano. O barril do petróleo segue sendo negociado ao redor dos US$ 30 — em abril de 2019, os preços oscilavam entre os US$ 60 e US$ 70.

Compartilhe

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: semana das big techs divide espaço com inflação e PIB dos EUA e congelamento de despesas; fique por dentro

22 de julho de 2024 - 7:01

Ganha destaque a próxima divulgação do Boletim Focus, com expectativas em relação a mudanças após o anúncio de R$ 15 bi em contingenciamento de despesas do governo

ENTREVISTA EXCLUSIVA

Bradesco Asset revela cinco apostas em ações para lucrar na bolsa brasileira — e um setor para manter distância

22 de julho de 2024 - 6:04

Ao Seu Dinheiro, Rodrigo Santoro Geraldes conta que a gestora também possui quatro apostas na carteira de ações fora do Ibovespa

FRIGORÍFICOS

Problemas para a BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3)? Brasil suspende exportações de carne de aves para 44 países — e a China é um deles

20 de julho de 2024 - 12:19

O Ministério da Agricultura decidiu voluntariamente paralisar as exportações de carnes de aves e seus produtos, com restrições que variam de acordo com os mercados

DÁ O PLAY!

Agora vai? Por que a bolsa brasileira despertou em julho e o que esperar das ações agora

20 de julho de 2024 - 11:00

Ibovespa já acumula alta de 3% em julho, depois de quase perder os 120 mil pontos no último mês; mas as ações finalmente vão decolar, ou será mais um voo de galinha?

BOLSA NA SEMANA

Por que as ações do Pão de Açúcar (PCAR3) desabaram 13% e lideraram as perdas do Ibovespa na semana — enquanto Usiminas (USIM5) subiu 5%?

20 de julho de 2024 - 9:22

As ações do Pão de Açúcar atraíram os holofotes dos investidores na semana após uma sangria na bolsa brasileira. Veja o que está por trás da queda dos papéis

PERSPECTIVAS PARA OS PROVENTOS

Com R$ 2 bilhões entrando no caixa, a Eletrobras (ELET3) vai distribuir mais dividendos? Veja o que diz o Goldman Sachs

19 de julho de 2024 - 19:46

O banco acredita que a oferta irá aumentar a liquidez da companhia e potencialmente abrir espaço para proventos mais elevados no futuro

RANKING DA QUANTUM

Os reis das ‘penny stocks’: Americanas (AMER3), Oi (OIBR3) e outras ações com a maior sequência de pregões no patamar de centavos

19 de julho de 2024 - 16:41

Um estudo da Quantum mostra que companhias que enfrentaram processos de recuperação judicial dominam o ranking de penny stocks

GESTÃO EXPLICA

Fundo imobiliário com mais de 150 mil cotistas anuncia os menores dividendos em mais de dois anos; por que os proventos do ALZR11 estão em queda?

19 de julho de 2024 - 13:07

O histórico de distribuições de 2024 mostra que os valores depositados pelo FII recuaram cerca de 11,2% desde janeiro

REAÇÃO DAS BOLSAS

Apagão cibernético: ação da CrowdStrike, empresa que causou a pane nos sistemas da Microsoft e derrubou serviços no mundo todo, despenca em NY

19 de julho de 2024 - 12:08

Vale relembrar que, mais cedo, uma atualização nos sistemas da CrowdStrike causou uma pane generalizada nos sistemas da Microsoft

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar