Menu
2020-03-12T17:01:42-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Carta do gestor

Com retorno positivo mesmo em meio ao caos do mercado, gestora SPX reduz posição comprada em dólar

SPX Nimitz, principal fundo da casa, realizou ganhos com a alta da moeda americana; conhecida por um certo “pessimismo”, gestora já trabalha com a possibilidade de recessão pela frente, e projeta PIBinho para o Brasil em 2020

12 de março de 2020
16:46 - atualizado às 17:01
Rogério Xavier, gestor da SPX
Rogério Xavier, um dos sócios da gestora SPX. Imagem: Leo Martins

A SPX, do estrelado gestor Rogério Xavier, reduziu, durante o mês de fevereiro, sua conhecida posição comprada em dólar, realizando os ganhos com a valorização recente da moeda americana. Até o fim de fevereiro, o dólar apresentava alta de mais de 10% no ano.

A gestora também zerou sua posição vendida em euro, mas continua vendida em moedas de países emergentes, isto é, ainda aposta na desvalorização dessas divisas.

O principal fundo da casa, o SPX Nimitz, vem apresentando retornos positivos mesmo em meio ao caos que se instaurou nos mercados desde o final de janeiro. Em fevereiro, o fundo entregou aos cotistas um retorno de 1,19%, totalizando 1,34% no ano. A classe de ativos que apresentou o maior ganho foi justamente o câmbio. Em março, as cotas já se valorizam mais de 1,00%.

A SPX e o próprio Rogério Xavier são conhecidos por suas posições geralmente pessimistas. Já o Nimitz é um fundo multimercado (que pode investir em quaisquer classes de ativos e seguir diversas estratégias) com um forte perfil de fundo de hedge, isto é, de proteção patrimonial dos cotistas.

Recessão à vista

Em carta aos cotistas publicada nesta quinta-feira (12), a gestora diz que sua postura para março mudou em relação a fevereiro, e que avalia, agora, a real possibilidade de uma recessão.

"Entramos em março, todavia, de forma bem diferente do que começamos fevereiro, agora avaliando a real possibilidade de uma recessão, o quão profunda e duradoura esta seria, além de quem será o próximo presidente americano."

- Carta de fevereiro da SPX.

A gestora projeta crescimento zero para a Europa em 2020 por conta do avanço do coronavírus. "Entretanto, efeitos adicionais, como o risco pandêmico do vírus e seu impacto em parceiros de comércio e maiores disrupções na cadeia de produção, apontam para maiores riscos de recessão na região", diz a carta.

Para o Brasil, a projeção é de que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça apenas 0,9% neste ano, em razão das revisões para baixo das projeções de crescimento para a China e a Europa, da queda do preço do petróleo e da piora das condições financeiras.

Posições do SPX Nimitz

Além de revelar suas posições no mercado de câmbio, a SPX também contou um pouco sobre suas alocações nos mercados de juros, ações e commodities.

Juros

A gestora, que trabalhava anteriormente com a possibilidade de alta na taxa básica de juros (Selic) ainda neste ano, agora projeta um corte de 0,25 ponto percentual na próxima reunião, marcada para terça e quarta-feira da próxima semana (17 e 18 de março).

"No Brasil, após a última reunião do Copom, o Banco Central sinalizou a interrupção do ciclo de afrouxamento monetário. Com o avanço do coronavírus e suas implicações para a atividade econômica, o Banco Central do Brasil (BCB) alterou sua comunicação. Diante disso, avaliamos que a disposição do BCB de continuar a cortar juros aumentou", diz a carta.

A gestora diz, porém, se manter cautelosa em relação aos juros locais, uma vez que novas reduções na Selic tendem a pressionar ainda mais o câmbio, valorizando o dólar e, possivelmente, pressionando a inflação - o que poderia ensejar uma nova elevação nas taxas. Em razão disso, a SPX se mantém com "pequenas posições direcionais" no mercado de juros.

Ações

A SPX acredita que, após as quedas recentes, os preços das ações de empresas estrangeiras ficaram mais atrativos, mas que espera uma revisão negativa nas expectativas de lucros.

A gestora se diz "levemente comprada, com a visão de que o impacto do coronavírus será forte, porém passageiro, e de que os bancos centrais irão responder de maneira mais agressiva, tanto do lado monetário, quanto do lado fiscal".

Quanto à bolsa brasileira, a SPX permanece comprada em ações dos setores financeiro, de utilities (utilidade pública, como as concessionárias de serviços públicos) e consumo.

Commodities

A gestora permanece vendida em metais industriais e comprada em metais preciosos (como é o caso do ouro). No mercado agrícola, a SPX permanece comprada em grãos.

O que a SPX vê adiante

Ao avaliar o cenário, a SPX pondera que a forte queda nos preços do petróleo "traz um novo grau de dificuldade para a indústria de energia, principalmente a de xisto (shale) nos Estados Unidos, que vinha sofrendo para gerar lucros consistentes."

"Embora preços mais baixos de energia ajudem o consumo, antes de vermos esse benefícios na economia, teremos de lidar com os aumentos nas falências e inadimplências (defaults) no mercado de crédito do setor."

- Carta de fevereiro da SPX.

Um dos maiores temores em relação ao avanço do coronavírus e ao recente choque do petróleo é justamente a possibilidade de haver uma crise de crédito.

De um lado, empresas com pouco caixa ou endividadas podem não ter como pagar as contas, dada a dificuldade de gerar receita, com menos gente produzindo e consumindo; do outro, empreendimentos do setor de energia, que se planejaram para um cenário de petróleo com preços mais altos, podem se mostrar negócios inviáveis com o barril a um preço tão inferior.

A íntegra da carta da SPX está disponível aqui.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies