Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-14T14:31:32-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
De olho na reforma

Câmara termina votação de destaques da Previdência

O texto final ainda precisa por mais uma análise da Comissão Especial da Previdência, que foi marcada para a noite desta sexta-feira

12 de julho de 2019
7:56 - atualizado às 14:31
img20190710202751745MED
Câmara dos Deputados - Imagem: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

Em sessão aberta desde o começo da tarde de hoje (12), o plenário da Câmara realizou mais um dia de votação dos destaques ao texto-base da reforma da Previdência. Das 14 propostas analisadas ao longo dos últimos dias, cinco foram aprovadas, sendo quatro destaques e um ajuste de redação.

Depois de analisar a emenda nº 43, do PDT, a Casa aprovou, por último, o destaque que favorece a aposentadoria de professores em uma das regras de transição, que exige pedágio de 100% do tempo que ainda falta para se aposentar. Havia acordo entre os parlamentares da base e da oposição para aprovação dessa mudança. Ao todo, foram 465 votos a favor e 25 contra.

Agora a idade mínima exigida dos professores nesta regra de transição - que pode ser seguida pelos trabalhadores da ativa - ficou em 52 anos para mulher (o texto-base previa 55) e 55 anos para homem (o texto-base previa 58).

Além dela, houve mudanças no texto para mulheres, homens, policiais e pensões. Com a nova regra, por exemplo, é possível conseguir 100% da aposentadoria aos 35 anos de contribuição para mulheres. Anteriormente, na proposta aprovada na última quarta-feira, era preciso ter 40 anos de contribuição para ter a integralidade do benefícios.

Outro ponto aprovado foi a pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou ao companheiro e aos seus dependentes. No texto aprovado, a pensão não poderá ser menor do que um salário mínimo, quando se tratar da única fonte de renda formal auferida pelo dependente; e não auferida pelo conjunto de dependentes, segundo estava no texto-base.

Já para os policiais foi criada uma regra alternativa de transição para policias federais da ativa com idades menores: 53 anos (homens) e 52 anos (mulheres). Para isso, é preciso que cumpram pedágio de 100% do tempo que falta para se aposentar (obedecendo os requisitos de 30 anos de contribuição, para homens, e 25 anos, para mulheres). O pedágio significa que eles precisarão trabalhar o dobro do tempo que faltar para a aposentadoria.

E, no caso dos homens, foi reduzida de 20 anos para 15 anos o tempo mínimo de contribuição exigido para homens do regime geral (setor privado) poderem se aposentar. Segundo o que estava escrito no texto-base,  o tempo mínimo para homens aumentaria gradualmente – partindo de 15 anos – e chegaria a 20 anos em 2029. Ainda que a mudança tenha sido feita, o tempo de contribuição para aposentadoria integral foi mantido em 40 anos.

Rejeitados

Em contrapartida, a Casa rejeitou hoje (12) quatro destaques. Um deles buscava reduzir o pedágio de transição na reforma de 100% para 50% do tempo que falta para aposentar - isso vale para servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada. A emenda foi rejeitada por 387 votos a favor e 103 contrários.

O outro falava sobre a manutenção da pensão integral em todos os casos, sem a aplicação das cotas por dependentes. Ao ser colocado em votação, o plenário da Câmara rejeitou a emenda por 328 votos a 156. Segundo as estimativas dos parlamentares da base do governo, o impacto da emenda na economia total da reforma poderia ser de R$ 162 bilhões em dez anos.

Já o terceiro destaque rejeitado queria manter a regra atual para a aposentadoria que prevê o pagamento integral do benefício, colocando como base a média de 80% dos melhores salários ao longo da vida do trabalhador. A emenda foi rejeitada por 346 votos a 131.

O último tratava sobre o pagamento integral da aposentadoria em todos os casos. Os parlamentares optaram por rejeitar a emenda por 340 votos a 129. Na estimativa deles, o impacto dessa emenda na economia total da reforma da Previdência em dez anos seria de R$ 134,2 bilhões.

Próximos passos

O texto final ainda precisa por mais uma análise da Comissão Especial da Previdência, marcada para a noite desta sexta-feira. A previsão era a de que os trabalhos durassem três horas. Após isso, a proposta ainda precisa ser aprovada em um segundo turno de votação na Câmara.

De acordo com declaração recente do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, a votação do segundo turno da reforma da Previdência na Câmara terá início às 16h do dia 6 de agosto. Somente depois é que a reforma segue para tramitar no Senado.

Primeiro turno

O texto-base da reforma da Previdência foi aprovado na quarta-feira, por 379 votos a 131. Desde quinta, a Câmara discute os destaques, que são tentativas de alterar o texto. A sessão da quinta foi encerrada às 2h da madrugada desta sexta.

Lideranças da Câmara já admitem que a votação da reforma da Previdência em segundo turno só deve ser concluída em agosto. Em reuniões realizadas entre quinta e esta sexta-feira, líderes consultaram parlamentares sobre a possibilidade de permanecerem em Brasília no fim de semana e constataram que muitos já tinham voos marcados - o que impediria a formação de um quórum qualificado para apreciar a proposta.

O recesso parlamentar começa apenas no dia 18, mas a chance de concentrar quase 500 deputados em Brasília na próxima semana é pequena. Para dar margem de segurança e evitar que os destaques que desidratam a reforma sejam aprovados, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem adotado o número "mágico" de 490 presenças - a Casa conta com 513 parlamentares.

Mais cedo, o próprio Maia já havia admitido a possibilidade de realizar a votação em segundo turno apenas em agosto. "O importante é terminar o primeiro turno hoje", afirmou Maia, ao chegar ao Congresso. "Depois disso vamos ver se o quórum se mantém para sábado, semana que vem ou agosto", completou

*Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil 

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies