Menu
2019-07-16T09:46:31-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
não tão rápido...

Previdência deve levar dois meses no Senado, diz presidente da CCJ

Diferente da Câmara dos Deputados, o texto não precisa passar por uma comissão especial no Senado

16 de julho de 2019
7:29 - atualizado às 9:46
Simone Tebet
Imagem: Roque de Sá/Agência Senado

Após o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), avaliar ser possível votar a reforma da Previdência na Casa até dia 5 de setembro, a presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Simone Tebet (MDB-MS), disse nessa segunda-feira, 15, que considera o prazo "muito otimista".

Tebet disse que 60 dias para que os senadores analisem a proposta de novas regras para a aposentadoria é um prazo mais confortável.  Diferente da Câmara dos Deputados, o texto não precisa passar por uma comissão especial. "Quanto mais se debater na CCJ mais rápido se aprova em plenário", disse.

A tramitação da reforma na Casa começa pela CCJ, presidida por Tebet, que também confirmou o nome do tucano Tasso Jereissati para ser o relator do texto. Para a senadora, não há sentido que o Senado seja apenas um "carimbador" da reforma.

A presidente da CCJ no Senado também avaliou ser "mais difícil" que a Casa promova alterações significativas no texto, capazes de gerar um grande impacto na economia esperada pelo governo. "Hoje a composição do Senado é um pouco mais governista", disse. "Se forem alterações mínimas, é possível cedermos a algumas pressões legítimas, entendendo a justeza da demanda", afirmou.

E se...

Eventuais modificações, para Tebet, seriam analisadas em uma PEC Paralela, a mesma pela qual o Senado deve tentar a reinclusão de Estados e municípios na reforma, que precisará voltar para a análise da Câmara dos Deputados.

Sobre o ponto de Estados e municípios, a senadora tem uma avaliação diferente da de Jereissati, que já falou que a reinclusão dos entes federativos seria feita de forma a obrigá-los a adotar a reforma da Previdência, na sua avaliação.

Na visão de Tebet, seria mais fácil aprovar na Câmara uma PEC Paralela que apenas facilitasse que Estados e municípios fizessem suas próprias reformas - por exemplo, por meio de uma lei complementar - sem uma imposição do Congresso Nacional.

Se de fato uma PEC Paralela for apresentada, Tebet entende que ela começaria a ser discutida no Senado alguns dias após o início das discussões sobre a reforma principal. Mas sobre isso, o martelo só será batido após uma reunião de líderes, comentou.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

plano em prática

BNDES firma acordos com seis Estados para privatizar 26 parques de conservação

Banco mapeou, ainda em 2020, em torno de 100 unidades de conservação, entre federais e estaduais, com potencial de serem concedidas

Alimentação

Mesmo sem auxílio emergencial, BRF, JBS e Burger King permanecem otimistas para 2021

CEOs de companhias de alimentação reforçam otimismo destacando investimentos em suas respectivas atividades, e consideram ganho de produtividade crucial para enfrentar aumento de custos

mudança

Petrobras sobe preço da gasolina pela 2ª vez este ano

Estatal disse também que o preço médio de diesel passará a ser de R$ 2,12 por litro, refletindo uma aumento médio de R$ 0,09 por litro

novata na bolsa

HBR Realty estreia em alta na B3, mas termina o dia em queda

Empresa, que atua no segmento de desenvolvimento e administração de propriedades, optou por formato diferente de IPO

em evento

BNDES diz que seguirá firme na estratégia de vender participação acionária

Segundo Montezano, a estratégia de desinvestimentos passa por se desfazer de participações acionárias em “empresas maduras”, como “Petrobras, Vale, Suzano, Klabin e AES Tietê”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies